Flores e poesias

10426893_499029750445020_6536808352934577125_n

Livros e flores

Teus olhos são meus livros.
Que livro há aí melhor,
Em que melhor se leia
A página do amor?

Flores me são teus lábios.
Onde há mais bela flor,
Em que melhor se beba
O bálsamo do amor?

Machado de Assis

20840897_495575357457126_7652674408227343269_n

A Duas Flores 

São duas flores unidas
São duas rosas nascidas
Talvez do mesmo arrebol,
Vivendo,no mesmo galho,
Da mesma gota de orvalho,
Do mesmo raio de sol.

Unidas, bem como as penas
das duas asas pequenas
De um passarinho do céu…
Como um casal de rolinhas,
Como a tribo de andorinhas
Da tarde no frouxo véu.

Unidas, bem como os prantos,
Que em parelha descem tantos
Das profundezas do olhar…
Como o suspiro e o desgosto,
Como as covinhas do rosto,
Como as estrelas do mar.

Unidas… Ai quem pudera
Numa eterna primavera
Viver, qual vive esta flor.
Juntar as rosas da vida
Na rama verde e florida,
Na verde rama do amor!

Castro Alves

21078824_497831077231554_3186278123582480886_n

Quando Vier a Primavera

Quando vier a Primavera,
Se eu já estiver morto,
As flores florirão da mesma maneira
E as árvores não serão menos verdes que na Primavera passada.
A realidade não precisa de mim.

Sinto uma alegria enorme
Ao pensar que a minha morte não tem importância nenhuma

Se soubesse que amanhã morria
E a Primavera era depois de amanhã,
Morreria contente, porque ela era depois de amanhã.
Se esse é o seu tempo, quando havia ela de vir senão no seu tempo?
Gosto que tudo seja real e que tudo esteja certo;
E gosto porque assim seria, mesmo que eu não gostasse.
Por isso, se morrer agora, morro contente,
Porque tudo é real e tudo está certo.

Podem rezar latim sobre o meu caixão, se quiserem.
Se quiserem, podem dançar e cantar à roda dele.
Não tenho preferências para quando já não puder ter preferências.
O que for, quando for, é que será o que é.

Alberto Caeiro

20545539_488834714797857_6292130669147974361_o

Amo-te como a planta que não floriu e tem
dentro de si, escondida, a luz das flores,
e, graças ao teu amor, vive obscuro em meu corpo
o denso aroma que subiu da terra.

Amo-te sem saber como, nem quando, nem onde,
amo-te diretamente sem problemas nem orgulho:
amo-te assim porque não sei amar de outra maneira,

a não ser deste modo em que nem eu sou nem tu és,
tão perto que a tua mão no meu peito é minha,
tão perto que os teus olhos se fecham com meu sono.

Pablo Neruda

17917599_435803126767683_6386256610139250413_o

jose-saramago-e-ana-vidal-saramago1

Química 

Sublimemos, amor. Assim as flores
No jardim não morreram se o perfume
No cristal da essência se defende.
Passemos nós as provas, os ardores:
Não caldeiam instintos sem o lume
Nem o secreto aroma que rescende.

José Saramago

20620914_489130974768231_2164669124938375267_n

Canção de Primavera

Eu, dar flor, já não dou. Mas vós, ó flores,
Pois que Maio chegou,
Revesti-o de clâmides de cores!
Que eu, dar, flor, já não dou.

Eu, cantar, já não canto. Mas vós, aves,
Acordai desse azul, calado há tanto,
As infinitas naves!
Que eu, cantar, já não canto.

Eu, Invernos e Outonos recalcados
Regelaram meu ser neste arrepio…
Aquece tu, ó sol, jardins e prados!
Que eu, é de mim o frio.

Eu, Maio, já não tenho. Mas tu, Maio,
Vem com tua paixão,
Prostrar a terra em cálido desmaio!
Que eu, ter Maio, já não.

Que eu, dar flor, já não dou; cantar, não canto;
Ter sol, não tenho; e amar…
Mas, se não amo,
Como é que, Maio em flor, te chamo tanto,
E não por mim assim te chamo?

José Régio

19990234_478005869214075_581283204387088205_n

Flores

De um pequeno degrau dourado -, entre os cordões
de seda, os cinzentos véus de gaze, os veludos verdes
e os discos de cristal que enegrecem como bronze
ao sol -, vejo a digital abrir-se sobre um tapete de filigranas
de prata, de olhos e de cabeleiras.

Peças de ouro amarelo espalhadas sobre a ágata, pilastras
de mogno sustentando uma cúpula de esmeraldas,
buquês de cetim branco e de finas varas de rubis
rodeiam a rosa d’água.

Como um deus de enormes olhos azuis e de formas
de neve, o mar e o céu atraem aos terraços de mármore
a multidão das rosas fortes e jovens.

Arthur Rimbaud

19748633_475474802800515_7463093975096533659_n

Canção de Outono

Perdoa-me, folha seca,
não posso cuidar de ti.
Vim para amar neste mundo,
e até do amor me perdi.
De que serviu tecer flores
pelas areias do chão
se havia gente dormindo
sobre o próprio coração?

E não pude levantá-la!
Choro pelo que não fiz.
E pela minha fraqueza
é que sou triste e infeliz.
Perdoa-me, folha seca!
Meus olhos sem força estão
velando e rogando aqueles
que não se levantarão…

Tu és folha de outono
voante pelo jardim.
Deixo-te a minha saudade
– a melhor parte de mim.
E vou por este caminho,
certa de que tudo é vão.
Que tudo é menos que o vento,
menos que as folhas do chão…

Cecília Meireles

19598455_473684006312928_4902892882103936823_n

Vídeo: Canal Carlos Alves

Fotos de arquivo pessoal

Anúncios

Clubinho da leitura, histórias e histórias

bb

20690237_493015827713079_8653468045160599279_o

Talvez não se saiba ao certo qual o encanto que a literatura pode provocar em cada um. Entretanto já se consegue avaliar o que ela distribui em palavras. Com as crianças isso fica perceptível logo-logo, basta que se tenha prazer em lhes apresentar versos, rimas, contos, crônicas, narrativas fantásticas, o que quer que seja … mas de forma sedutora. Não se trata apenas de lhes entregar livros coloridos de diversos formatos e materiais, mas de imantá-los de magia, de encantamento, no tom de voz, no prazer de ler e, principalmente, viajar com as leituras para que sintam quão belas elas são.

cascata

Imagine-se descendo uma queda d’água num barquinho, voando num tapete mágico, colorindo com varinha de condão uma cidade … imagine-se enfrentando perigos e medos e … depois sentindo-se a salvo de tudo isso apenas com um livro nas mãos. Ler é magia pura.

NAMORANDO A POESIA NARRATIVA

Num sábado desses de agosto, as crianças ouviram meu poema. Nada lhes disse sobre quem o escrevera, sobre seu eu lírico, nada. Apenas o ouviram. Levantaram hipóteses, desenharam, derramaram nele suas ideias sobre a tal menina.

Só ao final depois de “tudo consumado”, eu lhes disse que a autora era eu. Que lindo ouvi-los concluir “Ah, então essa é a sua história, né, Odonir. Não é a história de uma outra menina, mas a sua”. É, pode ser, a literatura incendeia, propõe, semeia. Isso basta. E não é pouco.

A MENINA QUE SABIA DIZER
Odonir Oliveira

Entre casas de vila nasceu a menina.
De logo, acharam-lhe os dedos longos, de pianista famosa.
De rosto, encontraram nela traços de pimenta ardida
De observadora, perguntadeira, profetizaram sua inteligência.
Mas a menina gostava era de dizer.
A menina sabia dizer.
A menina tinha o que dizer.
A menina logo leu anúncios em bondes e trens em alto e bom som.
Depois, a menina escreveu palavras em paredes, portas e papeis.
Em muitos papeis.
A menina tinha palavras que lhe escorregavam pela língua,
saltando-lhe da boca infantil como pirilampos,
pairando em ouvidos alheios com assinatura.
A menina resolveu então
catar todas aquelas palavras que saltavam de si
reunindo-as em um ramalhete,
que de tão grande, tão grande, derramou-se por casas, ruas, avenidas…
Assim, muita gente pode saber o que a menina tinha tanto para dizer.

20747975_493016914379637_4511845600903374146_o20819132_493016367713025_929239765172098788_o

 

Na semana seguinte, quem não sabia da poesia A menina que sabia dizer agora assistia ao vídeo e encontrava nos amiguinhos uma verdadeira aula de interpretação, de questionamento vocabular e até de suspense. Quem seria a menina, quem teria escrito esse poema. Foi muito bom !

20863676_496065560741439_4613665256314904387_o

20988113_496064984074830_2542938392332572588_o

 

 

 

JOGO SIMBÓLICO

CLUBINHO DA LEITURA: “Quem inventa a história é você”
No JOGO SIMBÓLICO, quem sou eu? Qual é a minha história? Quais as características desses chapéus? O que eles têm para nos dizer?

Narrativas orais muito interessantes com chapéus e seus nomes próprios.

20729058_493018507712811_2615037333359483845_o

A HISTÓRIA DOS CHAPÉUS

20690077_493018877712774_2791829309328777443_o

 

 

 

 

 

 

 

20747987_493019531046042_1040621258745357473_o

20690273_493019297712732_6910795785618597139_o

20748029_493019334379395_8436665156994915965_o

E depois é jogar peteca e responder às perguntas sobre quão bom fora o dia no Clubinho nesse sábado aí, né.

20690289_493020341045961_8814386492245065591_o20728685_493020507712611_4543646443686211242_o20747975_493020871045908_1132275428116933571_o

 

 

 

UMA CONSTELAÇÃO DE CONVIDADOS PRA ALMOÇAR

Criando histórias com bonecos. Cada um escolhe os seus e vai criando enredo, conflitos e soluções. Vieram até os MCs, convidados pro almoço, imaginem só. Quase que o vovô e a vovó não tinham comida pra tantos convidados, Que delícia de história essa aí.

20901467_496066850741310_9119186753669465723_o20900652_496067324074596_4780887031921180556_o

 

NESSE SÁBADO TEM TEATRO

VOCÊ É O SEU PERSONAGEM

Vista-se, invente quem é, o que faz e atue.

LIVREMENTE

20988188_496068137407848_1778877911293766090_o20988311_496068524074476_7876905048928525013_o20934194_496068647407797_2634213298554474390_o

 

 

 

 

CONTAÇÃO DE HISTÓRIA

Atenção e participação, leitura de imagens, predição de desfecho, curtição da narrativa

SAM_6725.JPG

 

 

 

 

O Clubinho da Leitura de Barbacena, em MG,  é um trabalho voluntário que criei, realizo e patrocino, no sentido de fazer as crianças se apaixonarem pelas leituras. Levam para casa,  em todos encontros, livros como empréstimos e na semana seguinte fazemos o saboreio daquilo que leram, do que mais gostaram, o que mudariam nas histórias, nos poemas. Fazem a publicidade de suas leituras.

Além disso, realizamos atividades com pintura à aquarela, giz de cera, quebra-cabeças, jogo da velha, massinha. Por vezes cantamos, dançamos, ouvimos histórias e procedemos a contações de histórias também. Fazemos jograis e batalhas de poesias. Claro, e o imbatível teatro de encenação livre.

O livro é nosso material bruto. Bruto e MÁGICO.

Esse projeto existe desde 2014 e dele muito me orgulho.

pintura-221

HUMANO

caminha

encontra, atende, ampara, acolhe

reparte, acarinha, ouve

socorre, ensina, auxilia

doa-se, pertence, assemelha-se

sofre, chora, cura

alegra, ri, cura-se

bebe em comunhão

come em comunhão

ama em comunhão

ser comum

ser coletivo

ser humano 

 

Fotos de arquivo pessoal

1º Vídeo: Canal  Ross Niky

2º Vídeo: Canal Odonir Oliveira

 

 

 

“Eu, Marília …”

20992822_498310520516943_2971723742251115425_n

Lira I

Eu, Marília, não sou algum vaqueiro,

Que viva de guardar alheio gado;

De tosco trato, d’ expressões grosseiro,

Dos frios gelos, e dos sóis queimado.

Tenho próprio casal, e nele assisto;

Dá-me vinho, legume, fruta, azeite;

Das brancas ovelhinhas tiro o leite,

E mais as finas lãs, de que me visto.

Graças, Marília bela,

Graças à minha Estrela!

21032581_498312970516698_2562516205847561284_n

Eu vi o meu semblante numa fonte,

Dos anos inda não está cortado:

Os pastores, que habitam este monte,

Com tal destreza toco a sanfoninha,

Que inveja até me tem o próprio Alceste:

Ao som dela concerto a voz celeste;

Nem canto letra, que não seja minha,

Graças, Marília bela,

Graças à minha Estrela!

21082851_498312647183397_1400423110707256025_o

Mas tendo tantos dotes da ventura,

Só apreço lhes dou, gentil Pastora,

Depois que teu afeto me segura,

Que queres do que tenho ser senhora.

É bom, minha Marília, é bom ser dono

De um rebanho, que cubra monte, e prado;

Porém, gentil Pastora, o teu agrado

Vale mais q’um rebanho, e mais q’um trono.

Graças, Marília bela,

Graças à minha Estrela!

21032321_498312027183459_6246324746300478230_n

Os teus olhos espalham luz divina,

A quem a luz do Sol em vão se atreve:

Papoula, ou rosa delicada, e fina,

Te cobre as faces, que são cor de neve.

Os teus cabelos são uns fios d’ouro;

Teu lindo corpo bálsamos vapora.

Ah! Não, não fez o Céu, gentil Pastora,

Para glória de Amor igual tesouro.

Graças, Marília bela,

Graças à minha Estrela!

21078614_498311753850153_325498955951132311_n

Leve-me a sementeira muito embora

O rio sobre os campos levantado:

Acabe, acabe a peste matadora,

Sem deixar uma rês, o nédio gado.

Já destes bens, Marília, não preciso:

Nem me cega a paixão, que o mundo arrasta;

Para viver feliz, Marília, basta

Que os olhos movas, e me dês um riso.

Graças, Marília bela,

Graças à minha Estrela!

21078550_498308720517123_5706325215521648326_n

Irás a divertir-te na floresta,

Sustentada, Marília, no meu braço;

Ali descansarei a quente sesta,

Dormindo um leve sono em teu regaço:

Enquanto a luta jogam os Pastores,

E emparelhados correm nas campinas,

Toucarei teus cabelos de boninas,

Nos troncos gravarei os teus louvores.

Graças, Marília bela,

Graças à minha Estrela!

20992875_498311557183506_2809313571579713878_n

Depois de nos ferir a mão da morte,

Ou seja neste monte, ou noutra serra,

Nossos corpos terão, terão a sorte

De consumir os dois a mesma terra.

Na campa, rodeada de ciprestes,

21077796_498309943850334_3535648421766468952_n

Lerão estas palavras os Pastores:

“Quem quiser ser feliz nos seus amores,

Siga os exemplos, que nos deram estes.”

Graças, Marília bela,

Graças à minha Estrela!

21078406_498310863850242_5691636921043663227_n

Versos de Tomás Antonio Gonzaga in Marília de Dirceu

Fotos de arquivo pessoal: Ouro Preto, MG, agosto de 2017

Vídeo: Canal igordrm

Pai

 

VIAGEM

estou

fiquei

recostada no sofá

recostada em seus dizeres e fazeres

estou

ouço encontro vivo

pai, suas melodias amadas me levam pela mão

Vem, filha, vem

ouço

estou

fiquei aqui, pai

PASSEIOS

no bonde, o onde

Rio, anos sessenta, estamos

vamos, seguimos

pergunto, pergunto, pergunto

de repente leio, pai

leio os anúncios e descubro

as palavras eram muito mais mágicas

as palavras eram muito mais belas que as paisagens cariocas

Pai, naquele encanto com a leitura primeira da menina falante

Pai, meu mágico céu de letras sempre veio de ti.

ENCANTOS MINEIROS

Minas, quem te conhece não esquece jamais

Já viu o tamanho de Minas, olha no mapa

E as montanhas, e Tiradentes e o rio Doce?

Prosa e verso de uma vida

A caminhada, os irmãos, os pais

a pé

de Alto Rio Doce a Barbacena

a pé

Solta essa gaiola aí, Plácido, carrega seu irmão, meu Deus!

Despede-se o menino do canarinho da terra, companheirinho eterno

eterno dentro de si

jamais nenhum pássaro seria engaiolado mais.

sam_3355

INGENUIDADES

Menino em internato, escola agrícola federal

apenas rapazes, apenas olhares masculinos

filho mais velho, estudos, orgulho dos  pais

Jovem, solto por montanhas

deslumbramentos com pernas e braços femininos

ingenuidade

planos de casar, ter filhos

jamais sair de Minas

Minas jamais saiu de si,

até voltar e morrer em solo de poeira vermelha.

SINDICATO

Metalúrgico de sete às cinco

serão depois da jornada diária

sindicato, reuniões, campanhas

Não sejamos individualistas

ambulâncias, escola, posto de saúde, praça, orelhões

luta, desafios, reuniões, enfrentamentos

um brasileiro amando o Brasil mais que tudo

um operário fresador ferramenteiro para o coletivo

um mineiro porta-bandeira das Gerais

Libertas, quae sera tamen

emblema em letras garrafais

pai de caligrafia invejável, de ortografia invejável

pai, remetente de cartas a políticos municipais, estaduais, federais

a luta contínua pelo bem-comum, pelo coletivo

Pai, virtude e moral transparentes.

18402657_448116288869700_8207617009889105410_n

sam_4679

Se há em minha vida modelos e espelhos, estes vêm de meu pai Plácido José de Oliveira, mineiro, fresador ferramenteiro e brasileiro, de corpo e alma.

Ouvia na Rádio Nacional, do Rio, muitas e muitas vezes seus cantores preferidos Vicente Celestino e Francisco Alves. Guardei seus LPs comigo como herança, bem como seus livros de Matemática, das técnicas de fresa de ferramentas (ainda com o cheiro do óleo das máquinas). São seu/ meu patrimônio material, além do relógio  que martela aqui as horas, como a marcha de um trem pelos trilhos de Minas.

 

Poesias: Odonir Oliveira

Fotos de arquivo pessoal

1º Vídeo: Canal Maringas Maciel

2º Vídeo: Canal SuperGramophone

3º Vídeo: Canal Maringas Maciel

4º Vídeo: Canal 1000amigovelho

5º Vídeo: Canal Yuri Ferreira

6º Vídeo: Canal Levi Junior

“Quero”

BUCOLISMO

pele poros suor cheiros

músculos sangue mato cores

calor terra poeira

signos selas trotes

garupa nuca gozo encontro

bucolismo externo

bucolismo interno

bucolismo extremo

13962524_181085568971312_4801830186385362170_n

19575141_473675006313828_4005395686571678815_o

13872704_308173646197299_8509640252655362205_n

13668986_308172126197451_8142680804711995267_n13876181_308169532864377_5305356221458920406_n

ESPÍRITOS DA FLORESTA

Espíritos domesticam

olhares, sentires e ficares,

pelo cheiro, pelo vento,

pelo sons do mato do sertão.

Espíritos atraem por rochas, por águas, por céus.

Espíritos nas florestas

polinizam almas inquietas

Para sempre.

13934891_308169962864334_3766326508357410138_n

13925104_308152396199424_3981179294540848631_n

13921044_308152659532731_5901009932646939091_n

13872832_308170766197587_6075376178190889280_n

BICHO D’ÁGUA

Espreita
Aproxima
Mergulha
Quase noite ou quase dia ?
Chega
Submerge
Espreita
Quase noite ou quase dia?
Esconde
Mexe
Cutuca, futuca
Quase noite ou quase dia?
Mergulha
Quase noite ou quase dia?
Sufoca, respira
Sufoca , respira
Sombra … reflexo?
Quase noite ou quase dia?
Confunde a luz

Provoca as ondas,
suaves ondas,
em águas de narciso.
Quase noite
Quase um dia.

13900064_308152606199403_8426098226245056975_n

13891887_308172382864092_7969226786629837668_n

13892213_308152712866059_5485088649768808972_n

13892088_308174289530568_4337724566478985479_n

Post dedicado ao jovem piloto Jucélio, que me ajudou a concretizar, durante todos esses mais de 400 dias, muitos sonhos, desde dirigir pra mim nas estradas da vida, até na realização de meus versos em nuvem. Obrigada por sua jovialidade, energia, parceria e por seu respeito. Você vai longe. De avião nos céus e aqui na terra também. Abração.

 

Poesias: Odonir Oliveira

Fotos de arquivo pessoal – Parque Estadual do Ibitipoca, MG

Vídeo: Canal Acervo Musical

 

Como se aprende a amar

20638007_490770801270915_1843351655120744078_n

DE: Odonir

PARA: Leitores

Das conversas triviais entre primos e amigos, nascem reflexões, sentimentos abissais, trocas de cumplicidade e, sobretudo, conhecimento sobre o ser humano.

Tudo que li, estudei de psicologia do comportamento, da sexualidade … fica miúdo frente à grandeza da exposição inteira do outro frente a nós mesmos. E vice-versa.

28090055942056

Durante anos em escolas fiz, em equipe, aconselhamentos a pais de crianças e adolescentes. Ouvi muito e orientei também. Uma das formas de se iniciar a prática do afeto em crianças é ensiná-los a cuidar. Sim, a cuidar de uma plantinha, de um aquário, de um animalzinho… tratar dele, alimentá-lo, acarinhá-lo, promover seu bem-estar … Lembro quando foi criado um brinquedinho eletrônico, o Tamagotchi, para ensinar as crianças a terem responsabilidades com ele, caso contrário morreria. Na época, nós educadores refletimos sobre a necessidade de se criar algo tão artificial para ensinar amor, cuidados etc. Muitos pais não queriam animais por serem trabalhosos, prenderem a família em casa, entre outras argumentações. Fato é que não se queria ter nenhuma responsabilidade adulta por aquilo que cativavam, digamos assim. Modelos esdrúxulos de ser e viver.

O egocentrismo, natural na primeira infância e até na segunda, e a inconsequência e onipotência dos adolescentes muitas vezes os fazem ter sérias dificuldades para lidar com o amor. É claro que receber afeto, carinho, atenção e cuidados pode desencadear amor e fazê-los retribuir. Mas nem sempre apenas isso é suficiente. É preciso ensinar e dar exemplos efetivos do que é cuidar do outro: de um parente mais velho, de um amigo, de um ser vivo animal ou vegetal e do responsabilizar-se por seu bem-estar. O produto desse encaminhamento de afetos é sempre favorável e prepara o ser humano para os diversos tipos de amor aos quais se entregará mais tarde. Já dizia o poeta Drummond “Amar se aprende amando”.37699-252c252ckooooooooooo

Percebo a dificuldade de algumas pessoas de lidar com afeto por um animal, um cão, um gato … Muitas escolheram não ter filhos, não têm plantas em casa e admiram-se da dedicação que outras mantém por animais. Ouço e analiso as razões desse tipo de comportamento, claramente explícito. Há certo egocentrismo e certa inconsequência em algumas pessoas, talvez marcas de momentos anteriores que não tenham sido vividos de forma mais altruísta. Embora seus discursos sejam muito interessantes até, percebe-se alguma fraqueza quanto a dar e receber afeto. Afirma-se que mulheres são mais cuidadoras, mais afetivas (por modelos etc.) que homens, mas nem sempre é assim que constato. Há certo culto à sua própria beleza, ao seu próprio bem-estar, ao seu próprio prazer (talvez reflexo de décadas de submissão etc.) em parcela grande de mulheres também. Assim, concluo que isso não seja relativo a um gênero, mas a seres humanos que não tenham exercitado, em momentos iniciais, o cuidar.

sam_3171

Desenvolver a sensibilidade é tão importante como se alimentar. A poesia, a literatura são alimentos essenciais para quem se deseja humano, solidário, altruísta. É só se deixar levar por elas.

20621090_490771384604190_644030135221365677_n

Texto: Odonir Oliveira

1º Vídeo: Canal Piano Brasileiro

2º Vídeo: Facebook, postado por My Future Someone

Dizendo versos

 

Por que dizer, ler seus próprios versos? Certa vaidade, certo preciosismo de propriedade, certo encanto narcísico?

20525812_489960991351896_9041405042880462190_n

Não sei de todos os poetas, mas de alguns deles. Drummond, por exemplo, acreditava que devia dizer, ler seus versos, apenas. Concordo com ele. Quando declamamos nossos próprios versos já inserimos neles certa interpretação, certa linha de sentimentos, de sensações.

19243000_467075926973736_865517460907247230_o

Por outro lado, há poemas que nasceram para serem declamados, foram escritos para serem ditos em tom altissonante, como os versos condoreiros de Castro Alves , prontos para seduzirem a quem os ouvia nas campanhas abolicionistas em saraus, nas ruas …

Fato é que atores interpretam, dão passos além dos que havíamos dado ao saborear, namorar um belo poema. Eles sim fazem o que seu ofício lhes ensinou a fazer; não os poetas, creio eu.

20526003_489946441353351_8267711401117562859_n

O suporte para poesia é qualquer um: poste, guardanapo, lata, parede, faixa, serenata, tela tecnológica, papel, livro. Costumo fazer uma sutil diferença entre poema e poesia, contudo. Pra mim poema é um produto concreto, nascido de letras e frases. Já poesia é um processo abstrato de se enxergar a vida, cada coisa ao nosso redor: um nascer do dia, um desabrochar de flor, um riso de criança, um carinho do animalzinho, as nuvens coreografando danças nos céus … poesia vai além. É ela que distingue os seres sensíveis de outros para quem ela não tem nenhum valor. E isso nada tem a ver com instrução, estudo. Tem a ver com sensibilidade, com espírito afável a dar e receber, creio eu. Sensibilidade se desenvolve, se aperfeiçoa também.

18881883_457846677896661_6024247063305026732_n

A vida com poesia é muito maior.

Há um ano criei um canal no Youtube onde leio meus poemas. Não tem intenção monetizadora nem nada. Jamais quis sequer publicar um livro, não seria agora que gostaria de vender meus escritos então. Lá acrescento imagens e trilha sonora aos poemas. Por que faço assim? Porque sempre vivi acompanhada de música, até bem antes de aprender a ler e escrever. Gosto de concretizar imageticamente o que escrevi. E há algumas possibilidades de recepção dos vídeos: fechar os olhos e só ouvir os versos e  a trilha sonora, retirar a música e apenas ver as imagens e ler os versos … ou recebê-los como os editei.

Canal Odonir Oliveira

https://www.youtube.com/channel/UCjD6ZiLlJOgDu5-lupIiWGw

Se há prazer em escrever, há também prazer em se ler versos. Os nossos e os de outros poetas. É como se fizéssemos contato com eles, como se tivessem assoprado plumas ao vento, e nós houvéssemos conseguido recuperar algumas delas.

sopro

Texto: Odonir Oliveira

Imagens retiradas da Internet

Fotos de arquivo pessoal

1º Vídeo: CaetanoVelosoVEVO

2º Vídeo: Canal Odonir Oliveira