“Tudo métrica e rima e nunca dor”

SEM MÉTRICA NEM RIMA

Ah, meu Bandeira,
que com pórticos, estandartes, bandeiras, flâmulas
percorres meu corpo
desde a infância
quando eu namorava teus versos,
tão simplesmente
tão dolorosamente
tão profundamente.
Hoje estou neles
como uma noite.
Também.

Profundamente

Quando ontem adormeci

Na noite de São João

Havia alegria e rumor

Estrondos de bombas luzes de Bengala

Vozes, cantigas e risos

Ao pé das fogueiras acesas.

No meio da noite despertei

Não ouvi mais vozes nem risos

Apenas balões

Passavam, errantes

Silenciosamente

Apenas de vez em quando

O ruído de um bonde

Cortava o silêncio

Como um túnel.

Onde estavam os que há pouco

Dançavam

Cantavam

E riam

Ao pé das fogueiras acesas?

— Estavam todos dormindo

Estavam todos deitados

Dormindo

Profundamente.

*

Quando eu tinha seis anos

Não pude ver o fim da festa de São João

Porque adormeci

Hoje não ouço mais as vozes daquele tempo

Minha avó

Meu avô

Totônio Rodrigues

Tomásia

Rosa

Onde estão todos eles?

— Estão todos dormindo

Estão todos deitados

Dormindo

Profundamente.

Texto extraído do livro “Antologia Poética – Manuel Bandeira”, Editora Nova Fronteira – Rio de Janeiro, 2001, pág. 81.

sam_3355
sam_3356
SAM_4780.JPG
sam_4669
sam_4677
sam_4668
SAM_1161.JPG
SAM_1174.JPG
sam_1185

     Fotos de arquivo pessoal

    Vídeos:

1- Canal dagmar romana morais barbosa

2- Canal maiaangelo

Sonho de um sonho

SAM_4761.JPG

REPÚBLICA NOVA

frente à lâmpada mágica
imploro encontrar
imploro reencontrar
imploro reconhecer
três pedidos a serem atendidos docemente

SAM_4760.JPG

A NAMORADEIRA

Encontro ali o bordado da mãe para o enxoval
à frente o pote de pedra sabão
para a banha que a avó derretia.
Natália bordava e crochetava
lindos paninhos
que ora encontro sob caldeirões, chaleiras …
escorre da boca um lirismo sem comparação em mim

 

sam_4757

sam_4758

sam_4759

A MÃE E AS FILHAS

Ao lado da mãe passam a roupa as filhas
ao lado da mãe cozinham em caldeirões as filhas
ao lado da mãe costuram também as filhas
ao lado da mãe rezam os terços as filhas
ao lado da mãe seguem Adalgisa e Itália
 
Natália as observa.

sam_4755

sam_4756

SAM_4752.JPG

SAM_4762.JPG

SONHOS DOCES

Há um pé solto que insinua passos a seguir
há um aparelho que comunica as notícias ruins mais do que as boas
há um relógio que marca o tempo implacável
há um tom de memória
de filme
de passado
de sonho
república mineira
no hoje que me acorda tantas lembranças.

 

 

sam_4753

sam_4754

SAM_4766.JPG

sam_4764

sam_4765

SAM_4736.JPG

VER TAMBÉM: Edgar Morin

http://www.revistapazes.com/se-voce-viver-poeticamente-encontrara-felicidade-edgar-morin/

Canal: Fronteiras do pensamento

 

Versos: Odonir Oliveira

Vídeo Canal BATUKILIN BRASIL

Fotos de arquivo pessoal

Crônica de saudades

16142646_393866790961317_822130632469113182_n

Li por aí – não sei onde nem quando – que não se deve ficar revendo fotos do que passou, relembrando momentos do passado com antepassados já falecidos, não se pode ser saudosista, sob pena de não se aproveitar o momento presente etc. Nunca fora saudosista quando mais jovem. Depois dos 50, passei a ser. Sinto-me bem, relembrando fatos e imagens do que aconteceu. Consigo me lembrar de cada objeto que recebi de lembrança, principalmente de alunos e amigos, de cada foto que manuseio, onde foi tirada, quando foi, com quem eu estava. Faz muito bem, ainda, poder me lembrar. Penso que logo não me lembrarei mais, por isso escrever  é tão significativo.

Só tem lembranças quem viveu aqueles momentos. Chico Buarque diz “Os momentos bons e as horas más / que a memória coa …” é uma imagem precisa: só terá sentido o que a memória coou, reteve, manteve …

Quantos instantes preciosos em nós- mesmo os que vivemos só nós mesmos, sem contá-los a ninguém- fazem valer uma existência: quando na infância recebemos um presente, uma presença, um gosto, um perfume, um toque… tudo da infância precisa ficar registrado, primeiro em nós, depois para os que virão depois de nós e o narrarão aos que virão depois deles. É a história sendo vivida, cotidianamente.16178590_393943494286980_948026649927301750_o

Tenho saudade de meus pais, já não consigo mais ouvir a voz de minha mãe; a de meu pai só em DVD que vejo, vejo pra olhar pra ele, ouvi-lo, fechar meus olhos … como se ele estivesse sorrindo, ainda aqui.

Tenho saudades de minhas ingenuidades e credulidades juvenis. Eram elas que mantinham erguidas minhas esperanças, de toda ordem: as pessoais, as profissionais, as políticas e sociais, as sentimentais… gosto de me lembrar de como fui. Sinto saudades daquela que fui.16143861_393943757620287_5443625045124524437_o

Tenho saudades dos meus amores, que sempre os amei em verso e prosa. O romantismo das histórias lidas em meus clássicos, as poesias demoradamente degustadas, as músicas que ouvi, desde garota na Rádio JB no Rio; depois, as da Eldorado em São Paulo, não existia FM ainda…. todas elas decalcaram minha vida, aos poucos.

Tenho saudade da leitura diária dos jornais, no Rio, quando menina; em São Paulo, quando universitária. Tenho saudade dos shows gratuitos a que compareci, principalmente os de MPB, nos anos 80, naquela cidade. As peças de teatro, as mostras de arte e cinema, quantas fizeram de mim o que sou… o cinema, tantas vezes na sessão da meia-noite, pré-estreias famosas ou outras, com diretores e atores participando dos debates.

Quanta saudade tenho dos comícios de que participei na Praça da Sé, com minha filha ainda em um canguru, amarrada a mim, mas junto, ali, presente. 15626228_393943474286982_5754687577430221753_o

Tenho saudade dos meus arroubos amorosos todos: jardins feitos com as próprias mãos, repletos de amores-perfeitos, faixas e cartazes pela casa inteira, coletânea de versos, jantares e afins em domicílio pra pintar os céus de lirismo. Tenho saudade de quem eu fui.

Tenho saudade do sentimento que me invadia quando de festas de aniversário surpresa, presentes feitos por alunos, flores recebidas, demonstrações de afetividade de quem quer que fosse.

Tenho enorme saudade do momento em que, por duas vezes fui mãe, de quando ouvi meus filhos me avisarem “chegamos, mãe” e os amamentei por meses e meses. Tenho saudade de suas tosses, de suas febres, dos  carinhos sublimes em mim. Tenho saudade da sensação de ouvi-los falar as primeiras palavrinhas e de quando conseguiram andar. Tenho saudade daquelas sensações todas. Tenho porque as saboreei da fruta ao caroço, como as mangas de que tanto gosto. Todos esses sabores ainda os tenho em mim.

16114205_393946417620021_7440526785406941835_n

Tenho saudade de uma outra que eu era, de uma outra que acreditava muito em amanhãs. Hoje não  posso mais ser assim. Chego a me admirar da felicidade miúda que vejo em pessoas que desejam muito pouco da vida – a maioria delas por alienação política, social ou até por certa escolha. Não posso ser assim, porque minha história de vida não me fez nem me faz assim.

sam_4687

sam_4195

Tenho saudades sim, gosto de ver fotografias e de lembrar quem fui e quem sou.

A vida é um sopro”.  Escrevo enquanto consigo lembrar.

Texto: Odonir Oliveira

Fotos de arquivo pessoal

Vídeo: Canal: Light Bearer

Cortejo

16105873_390167041331292_8129610798293171816_n

CORTEJO I
 
São eles
sigo o cortejo
bebo acordes
nada sei ler no que cantam
sei que sigo o cortejo
tenho doze anos
o sol insiste em vir
a lua de céu estrelado
o junho frio de estrelas piscantes
 
sigo o cortejo
são eles
espalham um perfume mágico
em meus ouvidos
são eles quatro
sigo o cortejo.

 

15896272_1589253857758409_7247515571041581550_o

CORTEJO II

Enamorada da lua
sou algodão pousado
sou um colchão de açúcares fluidos
sou leve sob
sou leve sobre
sou no séquito uma
sou um som em eco
tenho vinte e quatro anos
sou um acorde adocicado
sou um suspiro no crepúsculo
sou um grito ao alvorecer
sigo o cortejo.

 

 

14258191_1456588847691578_1207476565450094413_o

CORTEJO III

Incrédula de paisagens
olho o mato 
mudo-me para perto do mato
acordo no meio do mato e dos passarinhos
tenho trinta e quatro anos
um séquito como companhia
crianças como escolta
procissão de novidades
comitiva de sucesso profissional
ramalhetes, braçadas, brilho
estou no amanhecer
 
sigo o cortejo.
 
 

 

11779984_1168487779835021_801675071664221947_o

CORTEJO IV

Sigo o mestre
faço o que o mestre mandar
sigo  e cortejo o mestre
cortejo sua chegada na livraria
cortejo seu gosto musical
cortejo seu espírito de porco
tenho sessenta anos
cortejo um novo horizonte
cortejo o entardecer da existência
cortejo o mato
cortejo as estrelas
cortejo os montes
cortejo sangue em derrama
cortejo vinho em copo 
cortejo céu de friagem
cortejo rosas e árvores 
 
abraço árvores
abraço rios
abraço becos e ruelas
nada de avenidas largas mais
nada de altaneiras edificações
nada de viadutos canhestros
 
sigo o cortejo.

 

tigran-tsitoghdzyan-millenium

Poemas: Odonir Oliveira

Fotos de céus de São Paulo, por Luiz de Campos Jr

Vídeos: Canal Orquestra Ouro Preto

Apresentação da Orquestra Ouro Preto em concerto especial com músicas dos Beatles. Gravado na Casa da Ópera Teatro Municipal de Ouro Preto no dia 21 de dezembro de 2010. Regência do Maestro Rodrigo Toffolo, arranjos de Mateus Freire.

Acesse http://www.orquestraouropreto.com.br

Grafites de pele

MURAIS

Escrevi seus nomes
nos pelos internos
raspei seus sobrenomes todos
rasguei suas algemas grossas
derreti suas pedras de gelo seco
entornei tonéis de bile ao amanhecer
debulhei suas espigas com meus dedos vorazes
 
Sou eu nesse mural.

16114542_741474289352759_7881139035859572456_n

16174390_742214349278753_5948586490611540065_n

15977265_391569004524429_7134400511994625416_n

POESIA PÚBLICA

Margeio as calçadas
são guias de água de sarjeta
entregues
escorridas
pútridas
cegas
mofadas
são rios de restos, de ratos, de rostos
 
Nos postes um lambe-lambe
de vísceras
de engasgos
de vômitos
de escuros penhores engolidos a seco.
 
Caixas, pacotes, teclas, sons
publicamente poéticos.

 

15977663_740506486116206_6432672527051372711_n

16105965_742025065964348_3846729439285089248_n

images-do

pixador

RUPESTRES

Desafio teu pincel máquina
desafio teu rolo branco-creme
desafio teu sentir nada
desafio tua broxa-brocha  no viver
desafio tua mordaça
desafio tuas algemas
desafio teus clichês
desafio tua história dos vencedores
desafio tua guilhotina
desafio teu megafone
 
Sou garganta
sou dedos coloridos
sou mãos que marcam
sou mãos que sentem

 

sete2bsetembro2b072

EM CARTAZ

Nunca
beijei
tua boca
nunca segurei
tuas mãos
nunca
bebi
no teu colo
nunca
sentei
no teu copo
nunca
colei
na tua pele
nunca
flagrei
tuas traições
nunca
vi
teus odores
nunca
lambi
tuas escaras
nunca
fui dentro e fora de ti
 
Nunca
é um advérbio de tempos !

 

mulhermaravilha

16114809_741732832660238_231512390394818833_n

15977012_739991879501000_8927011985182043441_n

16003318_742485022585019_6905472554126352927_n

Poemas: Odonir Oliveira

Vídeos: Canal JB Jazz Blues House The Club

Grafites de Belo Horizonte, MG, em: https://www.facebook.com/grafitesbh

Textos de lambe-lambe em:  https://www.facebook.com/pichacoess/?pnref=story

Clubinho da leitura de Barbacena, integração e função social

sam_1406

Canal Orquestra Ouro Preto

DURANTE OS ANOS DE 2014, 2015 e 2016, as crianças e pré-adolescentes do Clubinho da leitura viveram ações de integração com a comunidade. Algumas delas usufruindo de experiências e de equipamentos culturais e outras vezes cumprindo a tarefa de divulgação da importância da leitura e das diversas linguagens culturais pelo bairro do Carmo, em Barbacena, Minas Gerais.

sam_2401

Em abril de 2014, poucos meses após o início das atividades do Clubinho da leitura, fizemos uma apresentação para os pais, em um lindo sábado de sol. Nesse dia eram as crianças que explicavam o que afinal era um Clubinho da leitura, por que recebera o nome de “Plácido José de Oliveira”, que ações eram desenvolvidas ali – para isso declamaram poesias com seus pais, fizeram história oral coletiva com o bonequinho verde, o Mineirinho, vestiram-se e desfilaram com suas fantasias, leram histórias para os convidados … Fiquei quase calada, porque eram eles os mestres de cerimônia naquela tarde.

sam_1101

sam_1098

sam_1100

sam_1099

sam_1096

sam_1106

sam_1097

sam_1102

sam_1103

sam_1104

sam_1105

sam_1107

sam_1110

Em agosto de 2015, fomos juntos ao teatro na ESTAÇÃO PONTO DE PARTIDA, assistir ao espetáculo  de marionetes MUSICIRCUS, da Cia. Navegante. Nunca haviam ido a um teatro.

sam_1550

sam_1549sam_1548

sam_1547

PRODUZINDO TEXTOS DE AGRADECIMENTO POR DOAÇÕES DE LIVROS VINDAS DO RJ, SP, MG

sam_1134

sam_1138

sam_1141sam_1137sam_1142

sam_1132

Canal: Estrela Leminski

ALGUMAS VEZES FOMOS AO CINEMA NO SHOPPING ASSISTIR A FILMES, ANDAR NA ESCADA ROLANTE E VER VITRINES TAMBÉM

SAM_1483.JPG

SAM_1527.JPG

SAM_1524.JPG

DIVULGANDO O CLUBINHO DA LEITURA NO POSTO DE SAÚDE DO BAIRRO. DISTRIBUIÇÃO DE FILIPETAS E EXPLICAÇÕES: “É de graça, viu “.

sam_1506

sam_1502

sam_1505

FIZEMOS UMA CAMPANHA PELAS CASAS E PELAS LOJAS COMERCIAIS DIVULGANDO OS LIVROS QUE CADA UM HAVIA MAIS GOSTADO DE LER E O PORQUÊ

Levamos os livros e bandeirolas de publicidade de cada livro feitas por eles mesmos

FOMOS AO CIRCO

sam_2461

FOMOS À “VIVENDA DOS OLIVEIRA”- nosso Clubinho de campo

LEVAMOS CONVIDADOS  PARA DECLAMAÇÃO DE POESIAS NA FESTA DAS CRIANÇAS

sam_1756

sam_1763

sam_1774

sam_1773

sam_1770

sam_1766

sam_1765

sam_1767

sam_1777

sam_1759

sam_1775

E ainda tem muito mais pra relembrar..

Fotos de arquivo pessoal

Pedro

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DE AMOR

16681947_402504476764215_6662244496062461082_n

PEDRO

Da vez primeira, a alegria
Do choro vivo, a força da existência
Dos belos lábios, a contemplação
Do choro grave, a música ansiada
Dos primeiros passos,o deslumbramento
Das primeiras palavras às frases especiais,
a perplexidade,
o encantamento,
o orgulho.
De bebê a menino, a sensibilidade
à flor da pele, do nariz,da boca.
A escrita da letra, da palavra, da voz.
O gosto da Ciência, a cor da Música,
tudo junto, tudo forte, tudo assim.
Vendo e sentindo
Vendo e pensando
Vendo e sofrendo
Vendo e sorrindo.
A dor nas mudanças,
a dor nos riscos.
Você, especialmente,
Você …

PEDRO

Filho, fruto da minha ânsia de amar, de ser mãe de menino-homem. Quem poderia imaginar que seria assim tão diferenciado …

Pregam que devemos dizer a quem amamos que o amamos antes que seja tarde ou nunca seja.

Companheiro desde os primeiros instantes quando chorou de dentro para fora de mim, quando varado de fome, voraz, em poucas horas sugou o colostro que o protegeria de todas as infecções primeiras.Sempre voraz em acalanto, me aprazerava com seu sorrisinho suave quando cuidava de mim, fingindo  ser eu quem cuidava dele.

Afetuoso sempre, suave e fraterno com amigos, com os mais velhos – seus preferidos, aliás. Sem tolerar palavras duras e brigas, fossem de quem fossem. Sensível, parceiro, amigo.

Quantas vezes me ensinou a ler. Ao ouvir o poema de Drummond, aos 5 anos, enquanto eu dirigia na volta da escola, me revelou que a pedra no caminho era como uma fase dos jogos do Nintendo, quando se vencia uma fase logo vinha outra a ser vencida e que tinha entendido o que o poeta falara.Como não me lembrar disso ?!

Quantas vezes suportou com muita paciência minhas conversas de trabalho, mesmo sem alcançar a dimensão das queixas que eu fazia ou as injustiças das quais eu reclamava. Ao contrário, adorava me ouvir contar dos projetos que realizava com meus alunos- e muitas e muitas vezes me acompanhou em atividades extra-classe, em concertos de música erudita, em espetáculos de dança, ao teatro, aos museus …

Quantas vezes foi meu parceiro em mudanças e arrumações- diga-se de passagem sem gostar muito, pois prefere o estabelecido, sem arrastar móveis e encaixotar o já vivido.

Quantas vezes acompanhou novelas de época, minisséries, shows ao meu lado, fisica e efetivamente junto.

Muito responsável em menino, menos exigente consigo mesmo quando adolescente, sempre lendo, informando-se, crítico, reflexivo, completamente puro e ingênuo para as rasteiras que a vida oferece a todo instante, seja no terreno emocional, pessoal, profissional… a vida vai ensinando -muito mais do que eu, que sou aprendiz em grau bem mais fundamental que o de Pedro.

Fazer escolhas pessoais, fazer escolhas profissionais, responder por elas, mestre de intuição e sensibilidade, meu filho é senhor. Respeitador de mulheres, consciente do que busca e valoriza, segue.

Independente de mim, é preciso ir.

Nada consegue me fazer esquecer meu eterno cúmplice.

Quando estico um lençol na cama, quando ponho a mesa, quando penduro roupas no varal, quando arrasto um móvel, quando o computador me pede que o desvende… quando, quando… meu Pedro engrossa cada lágrima de saudade em mim. E como não ser assim ?

Revejo fotos de meu bebê, de meu menino, de meu rapaz, do homem que se tornou hoje… e me fortaleço muito.

Na vida o que deixamos como herança é o que fica. Pedro (e Carla também) não terá nada mais do que aquilo que vivemos juntos. É o bastante.

Pedro, eu amo você, meu filho.

 

Poema e texto: Odonir oliveira

1º Vídeo: Canal valeriabdiniz

2º Vídeo: Canal  Caio Mesquita Oficial

Rendendo homenagens

Admiro aqueles que inspiram versos, melodias, arte em geral. Ser musa inspiradora é uma bênção. Saber-se razão e emoção para a criação é algo inestimável. Muitos poetas beberam lirismo em suas musas e assim foi Paulo César Pinheiro, em relação à Clara Nunes.

Conheci uma escritora em São Paulo que, já estando separada do marido, enviou-lhe por correio em um pacote bonito, envelope grande, os originais de seu livro de poemas, grande parte deles escritos enquanto viveram casados, por muitos anos. Havia ali uma linda dedicatória ao homem amado, fonte daquela produção de versos em cascata e guardados, por anos, com ela. Contou-me que ele sequer abrira o envelope, devolveu-o pelo correio, escrevendo por dentro “outras postagens serão incineradas”. Fiquei estarrecida com a narrativa dela. O livro foi publicado, é claro, mas com outra dedicatória. Muita insensibilidade, muito medo de ter que responder por um sentimento inequívoco vivido por ambos.

 

Outra amiga da Granja Viana contava que se apaixonou por um homem, homem rústico, pouco apreciador de versos, literatura, arte. Bebedor de pagodes paulistanos e engolidor de garrafas de cerveja transformava-se num dançarino de primeira, risonho, falastrão, gargalhador. Fascinou-a isso. Como professora que era, ela adorava cinema, arte, literatura. Passados uns meses, talvez um ano, não me recordo- romperam sem explicações plausíveis. O homem, hoje já falecido até, não atendia ligações dela, numa época em que poucos tinham detector de chamadas, nem existiam celulares. Passou a fugir de minha amiga, por medo de envolvimento, como um gato escaldado.

Na verdade, ela queria transformar o sentimento, de forma natural, sem marcas e mágoas. Telefonar-lhe em aniversários, datas comemorativas, congratular-se com ele. Não compreendeu nada e, muito grosseirão, passou a tratá-la como uma daquelas mulheres mais vulgares a que ele estava acostumado.

 

Uma prima minha me conta que presenteou um namorado, na década de 80,com dois lindos livros raros, que o rapaz dizia um dia querer comprá-los etc. Tempos depois, quando ela os achou, fez um pacote, sem nada de declarações amorosas, enviou-os pelo correio ao moço, quando ele já vivia no Rio de Janeiro. Assustada, ouço que ele havia devolvido o pacote, dentro de outro envelope, sem sequer saber do que se tratava. Prova inequívoca de desprezo, humilhação e medo do que poderia haver ali. Um horror.

 

Fico me perguntando que medo é esse que grande parte dos homens têm de nutrir outros sentimentos por mulheres, que não sejam apenas os baseados no amor físico. Parece que não sabem lidar com isso. Talvez por certa onipotência masculina, talvez por absoluta necessidade de comando, talvez por vaidade, talvez por medo de não encontrar e não saber onde guardar sentimentos antigos, sem aquecê-los, e por isso evitam vivê-los.

Há sim amizade entre homens e mulheres. Há sim admiração entre homens e mulheres. Há sim sentimentos de maturidade entre homens e mulheres, que podem existir sem amor físico ou mesmo após este ter existido. É preciso aprender a transformar, a reciclar sensações. Não somos seres primitivos que se mantém apenas nutridos por instintos básicos. Somos seres sensíveis, delicados, frágeis também. É preciso reconhecer, admitir isso. Agressividades gratuitas, humilhações cotidianas revelam, na maioria das vezes, fraqueza moral e, sobretudo, grande imaturidade. O que é mais “simples” é mais fácil. Sempre.

Dedicatória:  A todas as mulheres e à sua sensibilidade natural.

 

Texto: Odonir Oliveira

Vídeos: Canal Clara do Brasil

Toda toada

sam_2275

TERRA MINEIRA

Toda toada enterra
um topo
um trono
um teto.
 
Todo terreno tanto
semeia um pomo
um botão
um perfume
um sabor
um tempo.
 
Vivenda do sobrenome
vivenda de ares e ventos
vivenda de céu coalhado de estrelas
vivenda fértil
vivenda da vinda
vivenda da volta
vivenda semeada.
 
Toda toada encerra
um ponto
um pouso
um corpo.

 

sam_2263

sam_2374

sam_2375

sam_2278

sam_2277

sam_4046

CONFIDÊNCIAS MINEIRAS

Há sempre aquele pedaço de terra te esperando
há sempre aquele céu de estrelas à mão
há sempre aquelas estradas a te estender caminhos
há sempre aquele prosear a te aguardar pra contar
há sempre aquele teu sangue mesmo a correr nas veias
há sempre uma cantata a ser ouvida ainda
há sempre um colo semelhante a te esperar
há sempre um ar frio e um vento nos becos a te arrodear
há sempre um café de brasa, um polvilho de brasa, uma linguiça pendurada …
há sempre um cheiro de lenha queimando num fogão da memória.
 
Há que retornar sempre.

 

sam_2518

sam_2494

sam_3337

sam_2514

sam_2532

SENTIDO HISTÓRICO

Quer saber
que conhecer
quer viver
caminha por estas ladeiras
observa as patas dos cavalos da história
enxerga as colunas e os pórticos das igrejas
namora os alpendres das moradas
alisa os encantos barrocos
ouve as vozes sufocadas por movimentos debelados
adentra as cadeias públicas
bebe a bebida da terra
come a comida da terra
escuta as histórias da terra
sonha os sonhos dos sertões
reza suas procissões eternas
reconhece Brasil por aqui.
 
E volta.
Ou então fica para sempre.

 

sam_2548

sam_3134

sam_3530

sam_2550

Versos: Odonir Oliveira

Fotos de arquivo pessoal: cidades mineiras

Vídeos: Canal Orquestra Ouro Preto