A costura da vida

Certas canções que ouço cabem tão dentro de mim, que perguntar carece se não fui eu que fiz?” – Milton Nascimento (Tunai)

35671724_636753186672675_8878480656837902336_n

COSTURA DA VIDA
Sergio Perere

Eu tentei compreender
A costura da vida
Me enrolei pois
A linha era muito comprida

Mas como é que eu vou fazer
Para desenrolar
Para desenrolar

Se na linha do céu sou estrela
Na linha da terra sou rei
Na linha das águas
Sou triste
Pelo fogo que um dia apaguei

Na linha do céu sou estrela
Na linha da terra sou rei
Mas na linha do fogo
Sou triste
Pelos mares que não naveguei

Mas como é que eu vou fazer
Para desenrolar
Para desenrolar

PAULICÉIA

(Wimer Bottura / Delmo / Pablito Morales)

Esta é minha cidade, convulsiva e forte
De artérias urbanas e nervos de aço
Do riso efusivo e abraço cruel
Neblina é manto de arranha céu

A natureza concreta contrasta pessoas
Perfeitas formigas no imenso tropel
Efervescente e impulsiva, olhos no futuro

O campo é minado, o tiro é no escuro
O tempo é dinheiro e conduz a existência
Na lira moderna de algum menestrel

Esta é a minha cidade, convulsiva e forte
De artérias urbanas e nervos de aço
Do riso efusivo e abraço cruel
Neblina é manto de arranha céu

O Tietê corre nas marginais,
Feito louco inerte dentro da mortalha
Entre mansões, entre favelas ao léu

Trânsito, torres, pontes beirais
Trens, túneis, neons e sinais
Paulicéia desvairada – obelisco, postais

Este amor de cidade é a cidade do meu amor
Onde palpitam nas ruas corações sentimentais
Fulanos, beltranos, sicranos e tantos iguais
Fulanos, beltranos, sicranos e tantos iguais

SANTOS NEGROS
Cassia Maria

Salve os santos negros
Nossa Senhora do Rosário
Salve, São Benedito, Santa Efigénia, salve. (bis)

Eu bato no surdo imito coração
Passeio no reco chamando atenção
Na caixa não paro, alterno mão com mão
E o pé não sossega quer é dançar, eu vou.

Vou cortejar em procissão
Pra São Benedito é a minha oração. (bis)

Palavra te pego brinco na canção
Ganzá dá o molho, chocalho de mão.
E o corpo se acende não pára um segundo,
É percussão pura, eu quero é dançar, eu vou
Vou cortejar em procissão.
Pra São Benedito é a minha oração
Gungás vão no pé, patagome nas mãos
Pra São Benedito é a minha oração.

Bola de Meia, Bola de Gude
[Milton Nascimento]

Há um menino
Há um moleque
Morando sempre no meu coração
Toda vez que o adulto balança
Ele vem pra me dar a mão

Há um passado no meu presente
Um sol bem quente lá no meu quintal
Toda vez que a bruxa me assombra
O menino me dá a mão

E me fala de coisas bonitas
Que eu acredito
Que não deixarão de existir
Amizade, palavra, respeito
Caráter, bondade alegria e amor
Pois não posso
Não devo
Não quero
Viver como toda essa gente
Insiste em viver
E não posso aceitar sossegado
Qualquer sacanagem ser coisa normal

Bola de meia, bola de gude
O solidário não quer solidão
Toda vez que a tristeza me alcança
O menino me dá a mão
Há um menino
Há um moleque
Morando sempre no meu coração
Toda vez que o adulto fraqueja
Ele vem pra me dar a mão

 

Observação: ”Neste episódio o grupo mineiro “A Quatro Vozes” apresenta a música Fitas e Folias (Consuelo de Paula) . As irmãs Dora, Jussara e Jurema também contam um pouco sobre as trilhas que as levaram às descobertas musicais que permeiam hoje sua carreira e influenciam o repertório do grupo.
O Grupo é uma das grandes referências entre os atuais grupos vocais dedicados à MPB. O trabalho se destaca pelos arranjos vocais elaborados e escolha do repertório, baseado em pesquisas sobre as raízes da música popular brasileira.”

24852323_543210189360309_5513995341275879385_n

Fotos de arquivo pessoal

1º Vídeo: Canal aquatrovozes

As pinturas que ilustram esse clipe são de Wassily Kandinsky:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Wassily_…

2º, 3º, 4º 5º Vídeos: Canal  aquatrovozes

6º Vídeo: Canal MisterDilson10

7º Vídeo: Canal Pôr do Som

 

 

 

Das virtudes e dos vícios

aristc3b3teles

34901665_628118624202798_6714083238647693312_n

RAZÃO & EMOÇÃO

Ele não tem razão
ele não tem emoção
ele não tem respeito ou consideração.
A noite de lua
testemunha
a manhã de sol
desmascara
da independência, a dependência evidente
da liberdade, a geminada interferência
da escolha, a canastrice infringente da prisão.
Nada é tudo
tudo é nada
sufocou, amorteceu, narcotizou
do elo-laço, ora uma corrente com cadeado
a obsessão, a cegueira, o entorpecimento.
35268204_630365363978124_8907213635860824064_n
35287244_630245770656750_8981122055860649984_n
VIRTUDES
Pode o homem ser bom?
Pode o homem ser virtuoso
sem ser plausível de risos e deboches?
Pode o homem transitar pelo bem
com a sua essência natural
sem necessidade de escamoteações?
Pode o homem seguir seu instinto natural
sendo solidário, amistoso, digno?
Pode o homem afirmar seu âmago
repleto de compaixão e amorosidade?
Pode o homem distinguir-se por ser íntegro e incomum?
35923470_646312035716790_567474314920591360_n
lalostopthecruelty
34962742_624335294609127_5479154457419710464_n
CAPÍTULO IX
Da virtude e do vício; do belo e do disforme, moralmente; do que constitui o elogio e a censura
I
3.  […] A virtude é necessariamente bela.
” 4. A virtude, segundo parece, é a faculdade que permite adquirir e guardar bens, ou ainda a faculdade que nos põe em condições de prestar muitos e relevantes serviços de toda sorte em todos os domínios. 5. As partes da virtude são: a justiça, a coragem, a temperança, a magnificência, a magnanimidade, a liberalidade, a mansidão, a prudência, a sabedoria 6. As maiores virtudes são necessariamente aquelas de que os demais homens retiram maior utilidade, visto a virtude ser uma faculdade que permite ser benfazejo. Por tal motivo são particularmente tidos em consideração os justos e os corajosos …”
Aristóteles, Arte poética e Arte retórica, DIFEL, SP, 1964 p. 58
35943730_645311222483538_7952103228097691648_n
DAS VIRTUDES HUMANAS

É PRECISO TER OLHOS DE VER …

Há pessoas que só conseguem se importar consigo mesmas. Por extensão, com seus familiares, assim, quando algo inesperado acontece, pensam somente em como serão atingidos por aquela mudança, o quanto afetará suas vidas. Caso contrário, estando resguardados, protegidos em alguma bolha, em alguma redoma, em algum abrigo anti-aéreo, não são capazes de enxergar o mecanismo de comutação que fatalmente ocorrerá. ”Na falta de farinha, meu pirão primeiro”. ”Vou puxar a brasa pra minha sardinha” . E isso acontece, de forma tão profundamente arraigada, que parece ser até inconsciente. No máximo, ouve-se um discurso de solidariedade, mas é só. E bom será se a fome estiver acontecendo bem distante, se a guerra eclodir bem longe … nada que obrigue a refletir, a tocar com as mãos o problema.

Sempre me incomodou muito qualquer injustiça, as diferenças sociais sempre me tocaram muito. Na minha área de atuação profissional e pessoal acolhi dores e misérias. Aprendi com outros que me ensinaram a ser assim. E fui eu a beneficiária desse bem, muito mais do que aqueles a quem acudi.

Mas a vida precisa ser vivida. De verdade. Não apenas no discurso.
Ou como disse-me o pai de uma amiga, na década de 1970, em SP
“Odonir, por que você defende tanto os pobres; pobre sempre existiu e vai continuar existindo “.
Coitado, era um homem de pouca instrução e POBRE também, principalmente de espírito, de solidariedade. Havia conseguido uma casa, um carro, apartamento na praia e NÃO QUERIA QUE SE LEMBRASSE A ELE QUE JÁ FORA MAIS POBRE. Queria distância da pobreza.

31589823_611431652538162_1645802386603638784_n

COMUNHÃO

bebe verso
come letra
sorve número
mastiga a história
namora a ciência
acorda com a geografia
aprecia a letra e a música
desenha a geometria dos sons e dos signos
encanta-te com as descobertas todas os dias
porque todo dia tem um futuro novo pra você.
35776193_644259259255401_759556299053596672_n

IGUALDADES SEMEADAS

Em todos os anos em que lecionei em São Paulo, estive entre os meninos das escolas  estaduais de Carapicuíba e das particulares da Granja Viana e depois na Vila Romana. Estive nas escolas municipais entre os jovens do Jardim Santo Elias, em Pirituba, e os do Morumbi. Sempre rompendo muros de um lado e de outro com a mesma força. Integrando alunos dos bairros ricos aos dos bairros pobres, com campanhas de doações de livros, de socialização das conquistas de uns a outros, com visitas aos mesmos equipamentos culturais ao lado de uns e de outros. E comigo outros tantos colegas de ofício.

Sentia que não eram uns e outros, mas apenas eles e eu, eles e o mundo, eles e a vida em São Paulo e no mundo.

Aprendia com eles, enquanto lhes ensinava as coisas mais elaboradas do conhecimento formal e ao mesmo também aprendia, quando me ensinavam como eram, aquilo que queriam, como se sentiam.

Em 40 anos de ensino, pude, como poucos têm chance, medir e sentir as diferenças entre o tratamento dado a pobres e ricos, os valores ensinados em suas famílias, as dificuldades de relacionamento entre “os mais iguais e entre os mais diferentes”. Antes dos rolezinhos concretos, constatei rolezinhos emocionais, religiosos, funcionais e suas diversas formas de repressão.

Certa vez, jovens adultos alunos de escolas da periferia de SP foram convidados pela zeladoria a se sentar no chão do Theatro Municipal para não sujarem as cadeiras do salão nobre. Ao que me opus. Aconteceu quando eu estava na Secretaria de Cultura, desenvolvendo um projeto que criei  “Educação é cultura”, em que eu elaborava projetos pedagógicos a serem desenvolvidos por professores em suas escolas, envolvendo todas as disciplinas – preparando os alunos , recheando-os – para o saboreio de um espetáculo teatral, de uma apresentação de coral lírico ou de música de câmara. Para que tivessem acesso a tudo o que é de todos. Um teatro municipal, literalmente, pertence aos munícipes, portanto há que se frequentá-los.36064321_646552212359439_8760483018860134400_n

145d884bfc5bcc04d5a7bc11ec489818

36387183_652761375071856_3711216867503767552_n

A CARTEIRA DA VIRTUDE

Arlete havia trabalhado 2 dias inteiros, em uma cidade do interior, formando professores. Ao final do sábado tomara o ônibus intermunicipal, e pegara no sono durante as 3 horas até a capital.

Desceu na estrada, já à noitinha, pegou um táxi pra casa, que o cansaço a impelia a chegar o quanto antes e relaxar. Pagou, em frente a casa, e desceu. Quando foi abrir a porta não encontrou seu porta-chaves e a bolsa onde deveria estar. Telefonou para a filha que, de onde estava, veio para deixá-la entrar. Mas e a bolsa? Procuraram por todo lado e nada. O pior é que o cheque, ao portador, que recebera pelo trabalho, estava na tal bolsa também. Era de um valor alto.

Contou-me  essa narrativa 3 dias após, mas principalmente o que aconteceu depois. Durante 2 dias seguidos um senhor, procurou por Arlete, sem encontrá-la; apenas no terceiro dia isso aconteceu. Ele encontrara a bolsa com as chaves e os pertences. Lá havia o endereço de Arlete e o telefone. Durante o dia – contou ele – ligou várias vezes para confirmar se era dali mesmo a dona da bolsa etc. Sem sucesso, continuou tentando. Até que no último dia, passou na casa dela mais tarde um pouco e insistiu. Achava que estaria precisando da bolsa.

Arlete não acreditava naquela insistência exemplar de virtude ao dar telefonemas, em ir depois do trabalho as 3 vezes até lá. Era um homem humilde. Arlete quis agradecer, dar-lhe uma recompensa simbólica pelo tempo empenhado naquelas ações e, principalmente, como forma de elogio por sua virtude. O homem não aceitou nada. Disse a ela que esperava que um dia alguém fizesse algo parecido para ele também. ‘‘Eu fiz apenas a minha obrigação, dona”.

Ouvi essa narrativa faz mais de 25 anos e jamais me esqueci dela. Virtude a gente também aprende.

imagem-ilustrativa-carteira-no-chao-com-dinheiro-1513083445548_615x300

34319920_626134484401212_5061179905304166400_n

III. [Habilidade em louvar o que não merece louvor]

”É prova de virtude superior mostrar-se benfazejo com todos. 30. Importa igualmente ter em conta as pessoas diante das quais se faz o elogio, pois, como diz Sócrates, não custa louvar atenienses na presença de atenienses. Convirá ainda tratar do que é tido em honra por cada auditório, por exemplo, pelos citas, pelos lancedemônios ou pelos filósofos. E, de um modo geral, o que é honroso deverá ser reduzido ao que é belo, visto que, segundo parece, o belo e o honroso são vizinhos. 31. Consideraremos outrossim tudo o que foi cumprido como convinha; por exemplo, se as ações de um homem são dignas de seus antepassados e de seu comportamento anterior, pois há nisso um indício de felicidade e é belo acrescentar novas honras as que já se possuem.” 

Aristóteles, Arte poética e Arte retórica, DIFEL, SP, 1964 p. 62

SAM_1051

Poesias e narrativas: Odonir Oliveira

Fotos de arquivo pessoal

Frases e cartazes retirados da Internet

Vídeo: Canal ArtyClassical

”Pro dia nascer feliz”

35970553_646396712374989_2765652819124944896_n

”PRO DIA NASCER FELIZ ”

Fecho os olhos
aumento o som
muito
muito muito
quero ter de novo trinta e poucos
quero meu país de volta
quero meu amor de volta
quero minha alegria de volta
quero ir percorrendo com fé
quero ir percorrendo com paixão
quero ir percorrendo com os sonhos todos
muito
muito muito
Não aceito esse hoje
Não acato esse hoje
Não respeito esse hoje
Infrinjo
Desacato
Desrespeito
quero ter de novo trinta e poucos
aos socos
aos tapas
aos gritos
quero ter de novo trinta e poucos !
35973190_646396892374971_6391315492870553600_n

36176162_646455999035727_528605938928582656_n

35970400_646397092374951_1546864954492059648_n

Hoje cedo, ao entrar no quintal, essa linda borboleta agonizava, in extremis, já repleta de formigas, mas mexia ainda as anteninhas. Tentei socorrê-la, limpei-a e, durante um tempo, ainda se moveu. Entretanto, a parte inferior da asa esquerda havia sido atingida e não abria mais. Eu a abri para impulsionar talvez seu voo, sem sucesso. Dei-lhe o nome de Azul.

Esse post nasceu da leitura tão positiva do texto Carta para mim, no blog Agridoce, da Gerlusalr . Obrigada, moça, me deu vontade de ter de novo trinta e poucos.

O texto começava assim:

” Não acredite em alguém que te diga
que amar é se espatifar num solo árido, moça,
porque amar não é isso não.
Não sabemos muito bem o que é amar, de fato,
porque estamos aqui, na Terra, para aprender e
desenvolver a nossa amorosidade nos pequenos
encontros da vida e não existe ninguém,
neste Planeta Azul, que possa decretar uma previsão
de impossibilidade completa do amor.
O amor é um exercício… ”

Continua aqui: https://wordpress.com/read/blogs/143831336/posts/622

Ainda sobre o tema, recomendo o  filme Encontro Marcado, ( ”5 to 7”) do diretor Victor Levin, 2014

encontromarcado

Poesia: Odonir Oliveira

Fotos de arquivo pessoal

Cartaz do filme retirado da Internet

1º Vídeo: Canal MPB :: As Melhores!

2º Vídeo: Canal Cibele Almeida

São João baiano

 

a0c002b39f05e6541bef1aa84784da101

TEMPOS INESQUECÍVEIS

vozes roucas cantam
vozes bentas cantam
vozes bêbadas cantam
vezes umas dançam
vezes outras sonham
vezes castas são
vezes profanas estão
fogueira arde
balão sobe
rojão explode
prazer
encantamento
tesão
inesquecíveis

FESTA JUNINA EM ITAPUÃ

Viver à beira-mar tem seus prazeres obscuros. Aprende-se a amar não só os dias, como as noites, não só os dias e as noites, como nos dias e nas noites.

São João na Bahia era Natal. A publicidade apresentava ofertas para compras da mesma maneira que o fazia para o Natal. A força do mês de junho na Bahia é enorme. Talvez no nordeste inteiro. Coisa de sincretismo religioso mesmo. Enfeitavam-se as casas, e os apartamentos também, pelo lado de dentro, com bandeirinhas, balõezinhos, guirlandas, lanterninhas japonesas, de tudo um pouco – como as árvores de Natal em dezembro. Funcionários pediam férias, respeitavam-se as datas como feriados sagrados.

ciranda20de20sc3a3o20joc3a3o20-2040x60

Os preparativos nas casas comparavam-se aos das ceias de Natal, só que com o milho, como rei dos quitutes. Nomes diferentes para iguarias conhecidas no sudeste. Bebidas à base de caju, pinga, amendoim. Quiabo em carurus e pimenta da boa. Vatapás , abarás, acarajés, os pasteizinhos de arraia (que eu jamais comera) e de camarão, a paçoca salgada para acompanhar a moqueca, a farofa de caju do quintal, tudo feito durante o dia pra nos servirmos à noite. A canjica – a que chamamos de curau no sudeste – o mungunzá – a que chamamos de canjica – a pamonha e o maravilhoso bolo de rolo. A mandioca quentinha derretendo com manteiga de garrafa por sobre seu dorso … pra quem adora comer era festa divina, eram manjares dos deuses.

Nossa casa, nossa comunidade, vivia repleta de amigos baianos que gostavam de artes em geral, música, pintura, literatura, cantorias e muita dança. Enquanto fazíamos, íamos ouvindo os nossos baianos na vitrola, separando os vinis para a noite, depois era cortar bandeirinhas, colar e estender nas árvores do nosso grande quintal: do cajueiro à mangueira, do coqueiro ao outro coqueiro, do mamoeiro ao cajueiro. Tudo magia. Não soltávamos fogos, nem balões.

Nós éramos os fogos e os balões dançando, rindo, comendo, bebendo, amando.

Viver à beira-mar tem seus prazeres obscuros.

72fe21_dcb37aa359ca47338584c98a9e9ee0c5mv2

Poesia e texto: Odonir Oliveira

ARTE NAIF

1ª imagem: Pinterest – Festa de Sao Joao-Militao Dos Santos

2ª imagem: Ciranda de São João,  Barbara Rochlitz

3ª imagem: Arte Naif Letras e cores, São João

Vídeo: Canal Carlinhos Freddy “Doces Bárbaros”

Justiça

PÃO

dê-lhe pão
dê-lhe pão e calor
dê-lhe pão e atenção
dê-lhe pão e educação
dê-lhe pão e diversão
dê-lhe pão e intenção
dê-lhe pão e religião
religue-o ao espírito
ao dar-lhe pão
enlace-o
ao dar-lhe pão
agasalhe-o
ao dar-lhe pão
brinque com ele
ao dar-lhe pão
dê-lhe sua mão
jaula
Foto: Jornal de Notícias
35776190_176945442979232_2168437118399938560_n
380x230xvelorio-jovem-da-mare-pagespeed-ic-tggbemko8g
Foto: Jornal O Globo

MANOS

doces manos
o mais velho
o mais novo pouco mais novo
alegres boleiros
no céu de pipas
nos quintais iguais
no chão de terra
no chão de asfalto
no alto
luzes vezes vozes
sete, oito
música samba ritmo
alegria ritmo dança
escola alegria canto
beleza alegria estudo
passado presente futuros
desejos luta trabalho
luzes sucesso educação
luzes sucesso música

sam_7442

JESUS

No mato denso nasceu Jesus
interessou-se desde logo pelos sons
do vento
da chuva
do gorjeio dos passarinhos
até dos grilos companheiros e dos sapos vizinhos.

Quem poderia ensinar viola pra esse menino, nesse fundão de mata, meu Deus?
Jesus fazia som com tudo que encontrava.
Jesus tirava o som de dentro de si.
Calado, quieto, sonhador

O homem passou no cavalo
Jesus correu até ele.
Não alcançou.
Na volta o alcançaria.
O homem tinha uma viola.
Estaria ali sua senha, sua fuga, sua história

O homem no cavalo um dia voltou.
Jesus o alcançou com o som que tirava de si.
O homem parou, ouviu, encantou-se.
Jesus saíra de si.
O homem trouxera a chave perdida no horizonte do menino.

Jesus melodia
Jesus sonho
Jesus futuro.

sam_6964

sam_6974
21743766_505751363106192_8410447266308708887_o

” […]As sementes não brotarão se sobre elas houver uma pedra. E também pode acontecer que, depois de brotar, elas sejam arrancadas… De fato, muitas plantas precisam ser arrancadas, antes que cresçam. Nos jardins há pragas: tiriricas, picões…

Uma dessas sementes é a “solidariedade”. A solidariedade não é uma entidade do mundo de fora, ao lado de estrelas, pedras, mercadorias, dinheiro, contratos. Se ela fosse uma entidade do mundo de fora, poderia ser ensinada e produzida. A solidariedade é uma entidade do mundo interior. Solidariedade nem se ensina, nem se ordena, nem se produz. A solidariedade tem de brotar e crescer como uma semente …”. Rubem Alves

https://www.revistaprosaversoearte.com/a-solidariedade-como-a-beleza-e-inefavel-esta-alem-das-palavras-rubem-alves/

Poesias: Odonir Oliveira
Fotos de arquivo pessoal
Vídeo: Canal funfront

 

 

Às mães tudo se perdoa?

escucho-historias-de-amor-g-jpg_604x0

SAM_9929

MÃE É MÃE

Carmem. Meu nome é Maria Del Carmo, mas todo mundo me chama de Carmem, eu prefiro.
Quero contar uma história que carrego há algumas décadas comigo. Poucos sabem. Eu quero contar. Posso?
Pode. Fale como desejar, o que desejar, estou te ouvindo.

Naquela época lá, eu morava sozinha e me apaixonei por um rapaz lindo, carinhoso, meio frágil, mas ele era tudo que eu sonhei. Começamos a nos encontrar, a relação foi crescendo, fomos nos entendendo. Eu era pouco experiente nesse assunto de sexo. Ele, por ser homem, poderia ser mais. Mas era pouco também. Namorávamos muito, dançávamos, passeávamos, era uma vida muito boa, sabe.

Os meses foram passando. Eu dei a ele, numa caixinha de anel, a chave do meu apartamento numa data especial pra nós. Ele ficou todo vaidoso com aquilo. Parecíamos muito juntos mesmo. Pensei, é esse que eu quero pra ser pai de um filho meu. Não pensei em casamento, nada disso. Confesso, gostava de cozinhar pra ele, de dormirmos e acordarmos juntos, tomarmos nossos longos banhos juntos. Era uma vida boa demais. Aí falei pra ele a coisa de ser pai de um filho meu. Tínhamos a mesma idade, trabalhávamos, éramos adultos. Por que não? Ele gostou muito.

Contei nosso desejo pra uma amiga, que eu tinha feito há pouco mais de um ano e que era vizinha de prédio dele, da mãe, da família. Ela demonstrou alegria. Perguntou se ele também queria, como eu iria criar, sobre pensão e essas coisas mais práticas. Fiquei danada. Eu falando de amor, de procriação, fruto do amor, e ela veio com dinheiro e essas coisas mais. Ora, eu iria criar meu filho, não precisava de homem pra pagar contas não. Precisava era de amor, carinho, atenção. Mas ela tinha uns 15 anos a mais que eu, e já viu né, muito ligada em dinheiro etc.

Você não teve receio da fofoca, quer dizer, de ela ir contar isso pra mãe dele, pra família dele, antes mesmo de vocês dois contarem?

Não. Começamos a nos preparar pra concretizar a ideia. Era um momento muito bom em nossas vidas. Tínhamos amigos que dividiam os mesmos ideais que nós, tínhamos tudo pra ser muito felizes ali. Teve um dia até que cheguei em casa, encontrei um bilhetinho dele, tinha estado lá, tomado uma dose de sua bebida predileta, ouvido Chico, Gonzaguinha, assistido um capítulo da novela. Eu não chegava. Foi embora, e escreveu tudo isso com uma frase amorosa ao final. O encantamento foi enorme. Foi até melhor que encontrá-lo lá. O sabor do amor foi maior, eu acho.

Então, resolveu que iria morar comigo. Como assim? Cama de solteira, casa de solteira, vida de solteira. Arriscamos viver aquilo. Em mês de aniversário, já estávamos juntos. Tudo pronto pra gestar nosso rebento. Na entrada do apartamento, como uma oferenda,  duas botinhas brancas de couro penduradas, tamanho bebê, anunciavam que aguardávamos a vinda do nosso.

Certa noite, ao entrar em casa, achei embaixo da porta um bilhete e um disco, um compacto simples. O bilhete era da mãe dele, ”muito terna”, me pedindo que não engravidasse e, se já estivesse grávida que interrompesse a gravidez, enquanto era tempo. Não seria ”uma boa pro filho dela”, pra vida dele, ainda em início de carreira etc. Deixou o disco do Roberto Carlos de presente, alegando que havia sido dado a ela pelo filho, em um momento de tristeza dela. E que agora seria meu.

Recebi e chorei muito, sabe. Como ela se achava no direito de se meter assim na minha vida? Ela parecia namorada dele, esposa, sei lá, e não mãe. Vivia chamando ele de lindinho, cumprimentava ele com bitoquinhas na boca. Passei a reparar naquilo, coisa que nunca tinha me chamado a atenção antes. Sei lá, mas aquilo era muito louco mesmo. Será que ela estava fazendo aquilo pro bem, que achava que era pro bem?

Eu não sabia ainda, mas já estava grávida. Logo soube. Ele, ao ver o disco, sem o bilhete, reconheceu e quis saber. Fiquei constrangida de contar do bilhete porque tinha aprendido que não se põe filhos contra seus pais. Ele insistiu. Sempre adorou a mãe. Contei. E chorei, claro. Tive medo, medo mesmo de termos de abandonar nossos sonhos etc. Mas não aconteceu isso.

Passadas algumas semanas, foi visitar a mãe. Voltou chocado. Ela havia doado sua cama, seu guarda-roupas, e colocado suas coisas numa caixa grande. Dali pra frente passou a ser minha opositora. Sempre. Até a duvidar que nosso filho fosse do filho dela. Procurou nos separar o quanto pode, buscando outras namoradas, favorecendo situações para que ele se envolvesse com outras mulheres como solteiro e não  como meu companheiro e pai do nosso filho.

Foi assim. Mãe tem direito de interferir assim na vida dos filhos? Eu ouvi uma vez na televisão um psicanalista dizer que “Mãe pode fazer mais mal do que a bomba atômica”. Concordo com ele, viu.

Como você lembra da situação, com detalhes, te marcou muito, pelo visto.

Marcou mais naquela época, quando eu ainda era muito nova e pouco sabia da vida. E de mães. Obrigada por me ouvir.

Por nada, volte quando quiser.

29257759_589530578061603_8483945072696492032_n

Texto: Odonir Oliveira

1º Vídeo: Canal Nelson Santiago

2º Vídeo: Canal Tralha Brasil

Jardins de infância

crianc3a7as-mc3a3os-dadas

JARDINS DE INFÂNCIA

Estão todos ali naquela festa de confraternização. Quem são eles? Quem foram eles? Que sonhos desenharam, perseguiram, realizaram? Quem são eles?

Os homens, todos com mais de 60 anos, riem e fazem piadas sobre sexo, mulheres, futebol,  riem muito. São parceiros de copo, de paixões e de gargalhadas. Um comenta que “o que vale é a amizade, que nada paga aquilo, amigos são para sempre”. Outro relembra as aventuras de bebedeiras deles na adolescência, as madrugadas, as mentiras contadas – e bem sucedidas – aos pais, às namoradas. Cada um aumenta um ponto às narrativas, cada um conta vantagem maior, ou se coloca como o mais desafortunado, na esperança de que algum o corrija, o negue e reafirme a sua sorte com mulheres, com as situações. É um jogo. Um jogo de passes, um chuta, o outro toca, o outro conclui. Às vezes é uma partida de vôlei em forma e conteúdo, um saca, o outro toca e mais um corta. Divertem-se com as graças todas. Muitas abobrinhas, conversa fiada. A cerveja gelada solta as línguas e as gargalhadas. Muitas lembranças ali. Um jardim de infâncias em corpos reformados pelas esquinas das vidas, pelos palcos espetaculares, pelas macas hospitalares, pelos encontros e desencontros fatais.

tumblr_ov2d81geaz1wnvs4to1_500

As mulheres, todas com mais de 60 anos, riem e fazem comentários sobre maridos, filhos, netos. Umas se casaram algumas vezes ou viveram com alguns parceiros, outras continuam casadas com os mesmos maridos, outras ainda continuam sem casamentos. Trocam experiências. Umas sempre elogiando viagens e trajetórias de outras “Ai, se eu pudesse, ai se eu pudesse”.

Lembram das ausentes, contam sobre as ausentes, riem das ausentes, são só alegrias. A cerveja gelada solta as línguas e as gargalhadas. Muitas lembranças ali. A culinária e as habilidades artísticas de uma se sobressaem sobre as de outras. Os elogios são exagerados, amigavelmente exagerados. Olham para a mesa dos homens e concluem sobre o que estão falando. Quase em uníssono. Relembram de todos aqueles na adolescência, de suas fragilidades, de suas manias e cacoetes, de sua forma de dançar, de namorar, de beijar…. quem beijou quem, riem e revelam-se em deliciosas confissões. Tudo liberado, tudo permitido agora. “Sou fraca pra bebida, daqui a pouco já vou começar a falar besteira, gente”. Nada, estão entre elas, tudo válido. Riem muito, bebem mais, riem muito.

Uma pergunta sobre um namorado antigo, a outra conta. A amiga acrescenta “Ah, comigo aconteceu isso também com aquele outro, vocês sabem”. “Já comigo foi justamente o oposto, vocês nem imaginam, foi assim …”. Riem e se revelam.

depositphotos_6593322-stock-photo-multiracial-young-holding-hands-in
2a42b058cf2bfec7e00c221f3b7f845f

Rapazes e moças nesse instante se juntam e propõem dançarem. ”Música pra dançar junto, hem”. “Isso mesmo, dançar junto ”. ” Vai ter a dança da vassoura também, tem que trocar os pares, né”. “Vamos, gente, vamos, mulherada”.

35671844_639815019699825_5061248105089859584_n
fotoconfraria

Dançam os casais. Lentas. Boleros, sambas-canção …  Trocam-se os casais. Rock, twist, ié, ié, ié, hully gully. Grupos coreografam dancinhas, riem muito de si mesmos tão meninos ali assim. Beijos apaixonados. Fotos engraçadas. Alegrias muitas.

unkowviski_morgado_a_bebida_entra_e_o_quot_eu_te_amo_qu_lrjm7l0

Fim do encontro. Cafezinho para ajudar na volta pra casa. Despedidas. ”Você vem pro nosso São João, né?”. ”Não. Prefiro guardar os meus comigo”. “Nem eu. Com esse frio, vou pro nordeste. Todo ano vou, né. Uma semana, pousada reservada e tudo. Festa de São João tem que ser lá, já é vício aquilo pra mim”.

Despedem-se de seu jardim de infância e se vão.

Texto: Odonir Oliveira

Imagens retiradas da Internet

1º Vídeo: Canal José Almeida

2º Vídeo: Canal SÓ NOME DE MULHER

3º Vídeo: Canal Tralha Brasil

Personas

mc3a1scara-grega-do-teatro-43000620

slide_5

TRAGÉDIA , τραγωδία
rapaz púbere apaixonado
clama por sua amada
mãe proíbe
moça pobre
filha de vendeiro analfabeto
rapaz púbere apaixonado
declara-se à amada eterna
revela planos
a vida só faz sentido com ela
não quer dela se separar
a amada pobre avalia, releva
propõe trégua na guerra do amor
rapaz púbere apaixonado
renega aquele destino
apresenta a saída a ela
uma grossa corda e a árvore
amada pobre o convence
não àquele ritual mortal
no crepúsculo, estava morto
enforcado
a amada mudou, casou, viveu
a árvore está lá
todos se lembram do amigo adolescente
na terra mineira
mascara-romana_dsc09880_contenido
COMÉDIA, κωμωδία
Cena 1
– É a senhora, né, que faz isso? (dirigindo-se à mulher que caminha com seu cão, na coleira, pela rua)
– Sou eu o quê?
– É sim, a senhora que deixa o cocô do seu cachorro aqui no canto da minha porta.
– Eu? Observe aqui. Eu recolho tudo e levo comigo, repare aqui nesse saquinho.
– Não, eu sei como a senhora é. É do seu sim.
– Vamos analisar o que estava lá e esse aqui comigo, vamos comparar?
– Não, eu sei que é a senhora que faz isso.
– Ora, meu senhor, me viu fazendo isso? Como afirma assim tão categórico? Eu poderia dizer muitas coisas a seu respeito, só pela forma ameaçadora de se dirigir a mim, inclusive como  mulher, mas não teria provas …
– Eu sei como a senhora é (ameaçador) E é a única que recolhe cocô do cachorro aqui. Então, só pode ser a senhora mesmo.
A mulher sai andando com o cachorro na coleira e o saquinho de cocô.
Fecha o pano.
40122587_713569775657682_6535634777792315392_n
Cena 2
– Já pedi para não entrar na minha calçada, na garagem, pra manobrar seu carro. Vá até a esquina ( diz a mulher, enquanto caminha com o cão)
– Eu quebrei alguma coisa lá. Deixa de ser implicante. ( motorista ameaçador, manobrando o automóvel)
– Já pedi. Ali é minha casa (segue caminhando)
– Pior é esse seu cachorro cagando pela rua toda (aos berros pela janela do carro)
– Eu recolho tudo. Os de vocês é que são soltos na rua para fazer isso. Recolham vocês (seguindo em frente)
– Sai da frente, sua velha ! (acelerando o carro)
Fecha o pano.
Cena 3
Rapaz jovem lava seu carro branco na porta da garagem da mulher. A porta da garagem dele está livre.
A mulher sai com seu cachorro por mais de meia hora. Quando retorna, o carro branco está com portas abertas, sem o rapaz. Mais à frente, em direção oposta à casa dele, o rapaz cuida de um caminhão.
– Tire o carro da minha porta, por favor.
– A rua é pública. Fala direito. (desafiador)
– Aqui é minha porta, tire o carro.
– Chama a polícia, vai, chama a polícia (ameaçador)
– É melhor não, hem. Tire o carro (entrando em casa)
Fecha o pano
dionysos_mask_louvre_myr347
Tragicomédias
PERSONA, πρόσωπο
Comédia risível
De costumes corriqueiros comuns vilmente cotidianos.
Sem profundidade nos dias
Era vulgar no comum, visível a olho nu.
Fora moça pobre gorda morena
Sofrera por amor por muitas vezes
Sofrera pela pobreza
Sofrera pelo físico pouco aplaudido
Trocada, assim ela se sentia.
E dela isso não conseguira expurgar.
Lutara quanto à pobreza
Lutara quanto a ser orgulho da família pobre
Carecia elogios
Carecia destaque
Carecia reparações.
Carecia reconhecimentos.
Cristã, mascaradamente,
mas cristã.
Personas:
Fingia ser uma, era mil
Mil mulheres comuns sem distinção de outras
Tão carente quanto,
necessitando de carinhos do macho, aplausos, sorrisos,
amassos e menções.
“Jamais o retorno ao peso anterior, aos cabelos morenos ,
à substituição por uma outra melhor!”.
Era assim que se via: fora a pior.
Naqueles momentos novos a competição pelos machos era ponto de honra
“Nunca mais serei substituída”- arremedo de heroína de “O vento levou”
Trocava de máscara qual um Zelig de Woody Allen a agradar
machos, primeiro
depois a familiares: mãe, irmãos, sobrinhas, madrinha.
Orgulho do clã.
Máscaras de sobrevivência.
Em fundo raso: mulher vulgar, cotidiana, confusa, casual, comum
De novidade talvez a capacidade de dissimular
Mas nem isso era glória: Capitu de uns Bentinhos desavisados
que para feromônios comuns, respostas biológicas.
Era o bastante.
Talvez aquele peito pequeno reformado com o silicone, de bicos escuros
aquela cavidade úmida desnuda de pelos, tornada quase uma púbere
os atraísse, os excitasse a idealizações de penetrações primeiras.
Ofertas de ocasião.
De pele morena e nada de novo.
Dentro de si o de si apenas .
Nada de doar-se, nada de entregar-se, nada de seu neles.
Nada.
Medo.
Imagens para consumo externo, de fora de si.
Medo da substituição contumaz, da troca iminente, recorrente.
Máscaras.
Apenas vaso preenchido de água de sal
Incapacidade de dar e sofrer.
Para tanto esforço de emagrecimento, exercícios físicos diários bronzeamentos de peles haveria de contar com aplausos.
Aguardava e se comprazia com apenas aquilos ou issos.
Bastava.
Mais de cinquenta anos… espessura tênue, cova rasa.
Prazeres.
Beberes
Comeres.
Apenas.
Não necessitando de mais.
Frouxidão de laços.
Mascarando sonhos sufocados
Enganando a si e a outros
A certos outros tão e tanto iguais a ela.
ou de máscaras de paetês de dourados triviais
que se dissolvem ao apagar das luzes,
e, por vezes, ao acender também.
Personas tragicômicas num palco de beira de estrada.
Teatro poeira de atores casuais. Retreta de descaso.
Poucos aplausos.
Uns, somente em consideração ao intenso esforço.
Risível comédia humana.
dionisio2
Poesias e texto: Odonir Oliveira
Imagens retiradas da Internet
Vídeo: Canal Biscoito Fino

Chico Buarque, muito obrigada

Hoje Chico Buarque de Hollanda completa 74 anos.

Sinto que um dia Chico irá embora, mas como ele mesmo disse, no filme Chico Buarque, cidadão brasileiro, ainda tem muitos planos, músicas, livros e roteiros de peças para escrever, só não sabe se terá tempo para tudo isso. E foi rindo, daquele seu jeito, se sacudindo e fazendo as contas de quanto tempo leva para concluir um livro , uma trilha sonora … achou assim que era muita coisa para o pouco tempo que ainda tem pela frente.

Chico, meu amor, eu tive sim bastante tempo para beber você aos golinhos, gota a gota, sofregamente, deliciosamente, gozando de seu lirismo em cada fase da minha vida, desde os 13, 14 anos. Portanto, há mais de meio século. Por isso agradeço por ser brasileiro como eu, por seu posicionamento social e político, sempre coerente e crítico e, principalmente, por trazer um homem com açúcar e com afeto aos meus braços, aos meus olhos, ao meu ventre. Você me percorreu inteiramente, em prosa e verso, durante esses 50 anos.

Saúde a você. E se não criasse mais nada a partir de hoje, não teria a mínima importância, porque seu mundo já preencheu prazerosamente o nosso.

Muito obrigada, nosso Chico.

LIVROS

destaque-157_chapeuzinhoamarelo

CHICO, O BRASILEIRO

Texto: Odonir Oliveira

Tanto os livros quanto as canções expostas não obedeceram ordem cronológica porque Chico não obedece ordem cronológica. Seu texto parece ter sido escrito hoje.

Capas de obras retiradas da Internet

Vídeos do Youtube

Leia também: Chico, as mulheres de si 

https://poesiasdemaosquesentem.wordpress.com/2016/03/20/chico-buarque-as-mulheres-de-si/

Chico, por isso te amo

https://poesiasdemaosquesentem.wordpress.com/2017/07/28/chico-buarque-por-isso-te-amo/

Chico Buarque, um ser totalmente explícito – no GGN

Chico Buarque, um ser totalmente explícito

Poema do dia 18/06/2018

O poeta e os outros poemas

Poema do dia 18/06/2018

Percorri a saudade do teu corpo, em laços de cetim rubros, tudo o que tinha, sem nunca sonhar apenas o amanhã… A vida extingue-se a cada olhar que desviamos, a cada amor que deixamos de sentir nos momentos de pausa…

Mora em mim um outro mar, um rio salgado que me escorre na face, um glaciar gelado plantado no peito, escadas que descem, que sobem, fontes, palmeiras altas e amores-perfeitos! Paredes que me oprimem, espremem, nas escadas que subo na noite, carrego na mão o doce calor do perfume da tua pele, memoria dos dias? No coração apenas saudade, vagueio em mim, por estradas apinhadas de gente!
Eu plenamente cheio da ausência que deixaste e que me preenche as ausências… o Amor é fonte perfeita que me alimenta as faltas e carências, o corpo é vaga quente que me preenche a alma… num espírito que vagueia…

Ver o post original 119 mais palavras