Prazeres doces

DOCE É COZINHAR

recolhi os presentes da terra
os passarinhos bicaram minhas goiabas
não faz mal
as resgato ainda assim
os bichinhos fizeram guarita nas minhas goiabas
não faz mal
as reciclo, que são as melhores
as acerolas do vizinho querem vir beijar o meu território
para isso se esticam e se oferecem
vermelhinhas nos galhos
vermelhinhas no chão
as espigas, da primeira vez, no terreno ao lado
vêm nas mãos da dona 
ofertam-se para serem compartilhadas
– Muito milho, não dou conta.
vão virar curau
vão virar bolo cremoso
vão virar doçuras

AS QUITANDAS DAS AVÓS, DAS TIAS, DAS MADRINHAS

Sempre guardei o sonho de viver em um lugar pequeno, com frutas que virassem doces no fogão de lenha, com verduras e hortaliças no quintal. Por quê? Porque fui criada assim em Xerém, com um terreno enorme no fundo do quintal, quase uma chácara, onde meu pai plantava de tudo um pouco, além de criar galinhas, patos e até uma cabra e seu cabritinho, o leite de cabra fazia bem à sua saúde, sempre tossindo, com asma e bronquite – mesmo sem nunca haver fumado.

Muitos pés de goiabas, nos quais eu vivia escondida até os 12, 13 anos, láááá em cima. Pés de laranjas de várias qualidades e mais de 100 pés de bananas, todas prata. Meus pais diziam que valiam ouro. Antes de dormir minha mãe batia vários copos de liquidificador com uma deliciosa vitamina gelada de bananas e distribuía a todos. Às vezes variava e fazia um toddy gelado também. Vários e vários copos antes de dormirmos. Já tomou o leite, Doni? Vem tomar.

Quando vinha pra Barbacena, minhas avós me enchiam de graças, pois sabiam que sempre adorei doces, o de leite em barra então, que se vai cortando as fatias com a faca e comendo, e conversando na mesa da cozinha e ouvindo causos. Uma delícia mesmo.

Quando íamos fazer novenas em casas de madrinhas, eu e minha tia Ziza, sempre nos aguardava uma quitanda depois da reza. Lembro pouco da reza, mas dos doces no guarda-comida das casas … ai que delícia. Era como se Nossa Senhora agradecesse as orações oferecendo doces. Mas quem dá doces não são Cosme e Damião? Acho que são da mesma linha – a dos doces. E eu, 10, 11 anos, adorava.

De forma que eu adoro fazer doces. Cozinhar de maneira geral. Mas os doces me adoçam sonhos e recordações.

Minha avó paterna faleceu quando eu tinha 7 anos, mas todas as vezes em que eu vinha pra Barbacena, me adocicava demais. Era uma mulherzinha baixinha, magrinha, mãe de muitos filhos homens e apenas de uma mulher. Nasceu em 1897 e lavava os pés do marido e dos filhos adultos quando chegavam do trabalho. Tenho essa imagem dela, como a cerimônia católica do Lavapés. E os enxugava, dando os chinelos a eles. Forte imagem.
Minha avó Jovem – Jovercina Inácia – corria na hora da nossa partida de ônibus pro Rio e me entregava pela janela, os docinhos de leite, cortadinhos em losangos, em uma latinha. Fiz procê, Doni. Ah, que imagem linda !


Enquanto cozinho vou ouvindo músicas; pra esse doce de goiaba, por exemplo, foram essas.

Assim, hoje, estou aqui na cidade onde minhas recordações dormem e acordam e faço eu os doces. E me sinto muito bem podendo fazer doces.

Poesia e texto: Odonir Oliveira

Fotos de arquivo pessoal

Vídeo: Canal Pimalves

Cavaleiros e donzelas

Igreja de São Miguel Arcanjo, Barbacena, MG.
A Abazzia de Sant´Egidio, construída em 1.060 na comunidade de Fontanella, na cidade di Sotto Il Monte, Norte da Itália, foi reproduzida no Brasil. Localizada em Barbacena (MG), na Fazenda São Miguel, sede da Sociedade São Miguel Arcanjo.
A igreja, de arquitetura no estilo românico, levou 10 anos para ser construída .

”Primeiro álbum do cantor, compositor e instrumentista baiano, lançado em 1979. As composições do disco centram-se no rico universo dos modos, costumes e paisagens do sertão transfigurado em lenda e poesia, inserindo-se na ancestral tradição dos cantadores que trabalham e retrabalham as cantigas e trovas medievais trazidas pelos portugueses e incorporadas à alma sertaneja. Configurando-se como um cuidadoso trabalho conceitual, desenhado aos modos de um disco-cordel, o álbum contou com as participações de Roze, Dércio Marques, Bendegó e Oswaldinho do Acordeon.

Faixas:

1. O Reino das Águas Barrentas e os Desafios do Amor (ao povo do São Francisco) [Carlos Pita] (Part. Esp.: Roze e Dércio Marques) 00:00 
2. A História do Cavaleiro Enluarado com a Donzela do Bem Amar [Carlos Pita] (Part. Esp.: Roze) 03:44
3. A História do Cavaleiro de Couro e Corda com a Dama dos Rasos de Seca [Carlos Pita] (Part. Esp.: Roze) 06:30 
4. A História do Cavaleiro Sertanejo com a Princesa do Clarear [Carlos Pita] (Part. Esp.: Roze e Dércio Marques) 10:18 
5. O Romance do Rei do Ensolarar com a Bela das Rendas de Lua (dedicada à Cau) [Carlos Pita] (Part. Esp.: Dércio Marques) 12:25
6. A Princesa do Agreste e o Cantador do Elo ao Mar (para Elomar Figueira) [Fernando Lona/Carlos Pita] 14:45
7. O Arco-íris Trovejou [Patinhas/Capenga] 16:58
8. A História dos Quatro Reinos Desaparecidos e os Guerreiros do Mal Viver [Carlos Pita] 19:23
9. Princesa Sertaneja [Patinhas/Gereba] 22:15
10. A Rainha do Trançar e o Violeiro dos Esqueces [Fernando Lona/Carlos Pita] 25:15
11. A História da Princesa das Candeias de Amor com o Cego do Alumiar [Fernando Lona/Carlos Pita] 28:10
12. O Príncipe das Verdejanças e o Amor do Verdejar [Carlos Pita] 31:12

Serra de Santa Bárbara do Tugúrio, MG

CANTIGA

Ó serra de meus tormentos
que trazes de novas de meu cavaleiro?
Aqui arde a tarde em sortilégios
Aqui dorme a noite em sacrifícios

Ó serra de meus tormentos
que trazes de novas de meu cavaleiro?
Aqui trago lança colorida
Aqui tenho aromas e perfumes

Ó serra de meus tormentos
que trazes de novas de meu cavaleiro?
Aqui cavaleira sou
Aqui tropeço levanto em lances de dor

Ó serra de meus tormentos
que trazes de novas de meu cavaleiro?
Aqui vagueiam nuvens desenhos de um cantador
Aqui passeiam sonhos de encantos e sabor

Ó serra de meus tormentos
que trazes de novas de meu cavaleiro?

DEDICATÓRIA: Ao amigo Estevam, leitor da minha terra, que saboreia meus escritos com atenção. Obrigada por seus comentários tão cheios de Serra das Vertentes, viu.

Leia também: Medievais https://poesiasdemaosquesentem.wordpress.com/2018/10/16/medievais/

Poesia: Odonir Oliveira

Fotos de arquivo pessoal

Vídeo: Canal Pimalves

Semelhanças, comparações e metáforas

SEMÂNTICA

sema
soma
signo
ícone
marca-símbolo
línguas mortas
línguas vivas

sema
soma
signo
corpo-corpus
meta mítica
som-sono-sonho
meta fora
metáfora

É O BICHO !

Havia naquela serra um gato enigmático que só miava por metáforas. Como assim? Como se comunicava com os outros gatos? Por metáforas, oras.
Vivia pelos muros, raro era enxergá-lo no chão. Quase sempre sobre árvores. Nunca se colocava no mesmo nível dos outros animais.


A formiguinha, ô dó, sempre lhe fazendo agrados, enamorada de seus miados de cio, acreditava serem para ela. A coitadinha, miudinha, vivia a olhar para as árvores, 24 horas por dia, e assim que ele disparava um miado, corria para rodeá-lo com seu enfadonhos, rasteiros e adocicados louvores. Era acostumada aos farelos, às migalhas que ele deixava cair com seus miados metafóricos nas árvores das redondezas. Ela vivia nas nuvens, metaforicamente.


O cão Janjão não entendia nada, Sei lá o que ele está querendo dizer, mas o seguia diuturnamente. Acreditava Janjão que os dois fossem muito parecidos, iguais mesmo, portanto ficava fascinado por aqueles miados sem endereço, nem compreensão – coisa sem explicação.


O gato miava com um prazer enorme, gostava daquelas reações que provocava nos outros animais, sentia-se superior, ninguém poderia decifrá-lo, portanto jamais seria encontrado, nem tocado. Seu esconderijo, seu endereço … jamais. Ao ser visto, fugia de muro em muro, de árvore em árvore, de modo que apenas o cão Janjão o seguia. Por terra. Mas nunca tomando lugar, de verdade, nos muros com ele, nas árvores com ele. Apenas por temporadas, embaixo, com a cabeça em adoração. Ao ouvir seus miados metafóricos, abanava o rabo, baixava as orelhas e ia feliz ao seu encontro. Era assim, se quisesse seguir o gato, teria de ser assim. E já era muito. Mas Janjão achava que valia a pena, era aquilo com que sempre sonhara. Só de estar ali, mesmo sem entender nada do que miava o gato prestidigitador, já valia a pena.
Comparativamente, se entendiam como cão e gato.
Ou seriam gata e cadela?
Ninguém nunca soube o que acontecia de fato.
Seguiam assim.

HOMEM DE PALHA

Como uma vela
era manobrado com facilidade por ventos quentes
Como uma biruta
era moldado com facilidade por ventos novos
Como uma pipa
era conduzido com facilidade por ventos de ocasião
Como paina
era assoprado com facilidade por bocas de pimenta
Porque de palha
cedia ao rumo que lhe impusessem.
Um dia pegou fogo.
Não era mais um homem, então.

QUE DE SUPOSTOS CONTRASTES

opostos
repostos
dispostos
também se amparam os sentidos
também se amparam os toques
também se amparam os risos
também se amparam as rimas
também se amparam os ombros
a vida ainda é curta

Eta vida besta , meu Deus!
diria meu poeta itabirano
do céu
nas estrelas.

O GATO DE BOTAS

Amigo felino,
ronronar de mios
roçar de pelos
eriçar de bigodes
enroscar de dorso
aprumar de rabo
umedecer de boca
desmaiar de fastio.

METÁFORAS

Cofres repletos de imagens
de significantes ocultos
repletos de marcas, medos, modos.
Metáforas são rastros tachos, mastros
tudo e nada
códigos e manchas
flores e sangue.
Metáforas são arapucas, armadilhas, alçapões.
A quem acenarão todas essas metáforas?

PONTE LÂMINA

É aço?
É traço?
É arco?

Desfaço.

No trato
No risco
No disco
No fraco
No trisco
No cisco
No braço.

Destrato.

O passo
O paço

A lâmina
A rota

O rumo
O coro
A arma

A faca
O fuzil

A marcha
O hino

O grito
A tortura

A dor
A solitária

A ponte
O aço
O arco
O pouco
O dorso
O osso
O soco.

A destituição.
A destruição.

Inaceitação!

Livremente inspirado em O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá, de Jorge Amado (1948)

Poesias e texto: Odonir Oliveira (escritos em 2015 e 2016)

Fotos de arquivo pessoal

1ª foto: Facebook ”Procure 1 amigo”

Vídeo: Canal Piano Brasileiro

Coach, esse ser estranhíssimo

Bom Conselho

Ouça um bom conselho
Que eu lhe dou de graça
Inútil dormir que a dor não passa
Espere sentado
Ou você se cansa
Está provado, quem espera nunca alcança

Venha, meu amigo
Deixe esse regaço
Brinque com meu fogo
Venha se queimar
Faça como eu digo
Faça como eu faço
Aja duas vezes antes de pensar

Corro atrás do tempo
Vim de não sei onde
Devagar é que não se vai longe
Eu semeio o vento
Na minha cidade
Vou pra rua e bebo a tempestade.

Chico Buarque

POR QUE AS PESSOAS ANDAM PRECISANDO TANTO DE COACHES ?

Vou desagradar a muitos, eu sei. Mas … todas as experiências que tive com pessoas, principalmente mulheres, muito dóceis, muito proativas, muito conselheiras, muito ternas, muito motivadoras … foram irreais, aliás, surreais. Pessoas muito cabotinas, que sempre diziam alguma coisa muito diferente daquilo que faziam, com sérios problemas de auto-aceitação, auto-estima, superação, quase sempre forjando narrativas sobre acontecimentos, sentimentos, omitindo razões e desrazões. Um fracasso total mesmo.

A fala mansinha, o olhar meio de lado, as mãos em posição de meditação, tudo ”filmado e fotografado” e depois apurado e filtrado mostrou-se frágil, falso e até inconsequente. Pessoas que têm vidas muito mitificadas, com sonhos frustrados, desejos interrompidos, tudo isso leva a que busquem formas de ”ajudar outros” a não sofrerem o mesmo que elas, portanto certas posturas são contestáveis, visto que nem para elas foram assertivas. Com elas não deu certo, continuam frágeis, submissas, acatando a programação que o outro faz de suas vidas e não a sua própria. Decepção atrás de decepção com ídolos, gurus, coaches é o que mais ouço contar. Mas por que isso?

Não é necessário um profissional que nos treine para a vida, para as perdas, para os empregos. A vida requer treino? Penso que a vida requeira vivências, passar por pontes, pinguelas, assumir, entregar-se, sofrer, restabelecer-se, ir e tentar manter sua essência, sua integridade. Não seria um coach que nos ensinaria a evitar isso (nem na área religiosa). Não queremos assumir nossas vidas, a responsabilidade de nossas escolhas e ações e por isso necessitamos de andaimes que nos sustentem, que nos chancelem, nos deem respaldos?

Roberto Freire, grande terapeuta corporal, abandonou a psiquiatria, foi ler Reich, Jung, e tantos outros, criou a Somaterapia no Brasil. Roberto, o Bigode, acreditava que cada um sabe, ou vai descobrindo, aonde quer ir. O terapeuta, como um encanador ou um taxista, vai apenas desobstruindo os encanamentos entupidos e levando ao lugar onde se deseja chegar. Nada mais que isso.

Não entendo essas grandes ingerências em vidas alheias, até porque muitos coaches nem resolveram as deles e se arvoram a exercitar seus estudos, tudo tão recente, nas existências alheias. Temo que muitos coaches sejam apenas prestidigitadores modernos.

Texto: Odonir Oliveira

Imagens da Internet

Fotos de arquivo pessoal – 2015

Vídeo: Canal Graci Brig

Sim, houve tempos …

NASCENTE

Porque nasci de um braço de rio e de uma pedra bruta
porque corri por margens doces e às vezes estéreis
porque saltei obstáculos e curvas
porque sou céu azul quando o céu é azul
porque sou barro quando o céu anda nublado
porque tenho voz e acolho olhares uns
porque sou força quando recebo torrentes outras
porque brinco de carregar flores
porque brinco de atrair borboletas
porque gosto de estar em mim
porque gosto de estar em ti
foi simplesmente
porque nasci de um braço de rio e de uma pedra bruta.

PERCURSO DE RIO

nessa selva de prédios ouço um chamado
nessa selva de pedra acolho uma súplica
nessa selva de podres recebo um presente
no presente há metas
no presente há desejos tantos
no presente há sonhos possíveis
sou mata e rio
sou mata, rio e projetos
sou um som que soa nos longes
no presente sou percurso
ainda serei curso
ainda serei curso de rio

TRILHAS

Obstáculo à frente.
Transpor.
Pedregulho.

– Vem, vem, me segue , me dá a mão. Vem.
– Estou com medo. Não.
– Não, vem; me segue aqui, cuidado.
trilha, chão, folha, pedra
Cansaço.
– Não vou conseguir.
– Vai sim, só mais um pouco. Eu ajudo, vem.
trilha, chão, folha, pedra

Viagem de dentro pra fora.
Dorso de almas
Canto de terra, água e pedra.
Promessa do prazer ao final.

Vem, mais um pouco, me segue.
– Sigo, me dá a mão.
Viagem de fora pra dentro
Conquistas, dificuldades, tropeços.

Encantamento.
Maravilhamento estético.

Natureza, artista de pincéis finos
Natureza, artista de melodias doces
Natureza, artista de lírica celestial.
Contemplação.
Entrega.
Silêncios internos.
Orquestra sob a batuta
De um regente maior.

Contemplação.

CORRENTEZAS

jorra água
jorra flor
jorra aroma
jorra folha
jorra flor
jorra cor
jorra dor
jorra verso
jorra amor
corre o rio
corre a flor
corre o tempo
corre o vento
corre o verso
corre o amor
curso de rio
decurso do tempo
percurso do verso
correnteza do amor

GUIAS DE ASAS

Esperem, me guiem
vocês são muito velozes
vou devagar
tenham calma
isso, me levem a ele
peguem minhas mãos com suavidade

borboletas são anúncio de rio
obedeço porque têm toda a sabedoria
conduzem meus passos
fazem asas de meus pés
beijam meus olhos
abraçam meus ouvidos
o rio ri
já ouço seu riso bem perto
o rio faz-se voz e vez
estou aqui

Poesias: Odonir Oliveira (fevereiro de 2019)

Fotos de arquivo pessoal

Vídeos:

2- Canal Gilmar Sales – Tópico

Demais vídeos: Facebook Odonir Araujo

De flores e de pedras

OLHARES

repousa em mim
a luz do sol
a sombra da tarde
o perfume das minhas rosas
repousa em mim
a franqueza do ser
a dignidade do existir
repousa em mim
a carícia do vento da serra
o sol quente da altitude
repousa em mim
a paz da fraternidade
a luta pela igualdade
repousam em mim
os verdes, os amarelos, os rosas, os vermelhos
sou planta

RECOLHIMENTOS

Fui recolher, varrer, limpar
não consegui
a beleza me reteve
a paleta de cores me deteve
apaixonada
fiquei ali
sentei ali
agradeci ali
paraíso possível
paraíso sensível
paraíso indizível
não atirarei suas cores fora
não retirarei suas cores de mim
não expurgarei seus tons de meu jardim
que restem
que fiquem
que coloram as manhãs
que deslumbrem as tardes
que enterneçam as noites

POSTOS DE ABASTECIMENTO

Há instantes em que nos sugam até o espírito
Há fases em que nos vampirizam todas as emoções suaves
Há momentos de tamanha crueldade e desprezo a nos anular
Há voltas que destilam revoltas em corações esmigalhados
Há vazios perfurantes de facas sangrentas sobre nossa voz
Há que se abastecer os dias e as noites
Há que se beber do vinho tinto dos sorrisos
Há que se saber ler a si mesmo sem as leituras alheias
Há que se manter de pé mesmo após as rasteiras vis
Há que se abastecer de vida
com amigos
com flores e cantos
com risadas compartilhadas
Há de haver postos de abastecimento em nós.

COLEÇÃO DE PEDRAS

caminho olhando o chão
caminho sentindo os céus
caminho recolhendo pedras
pedras que encontro
pedras que escolho
pedras que me sustentam
sou edificação de cores várias
entorno minhas pedras rudes
acaricio cada uma
encantada com sua textura
agradecida por sua cor
extasiada com sua forma
tenho-as de minhas veredas
tenho-as de meu chão
tenho-as de minhas idas e vindas
sou pedra e mulher.

SAMBA-CANÇÃO

Não me mandem
recados duplicados
melodias duplicadas
imagens congeladas duplicadas

Não me mandem telegramas
cartas anônimas
recados escritos.

Demoro para abrir a caixa-postal
tardo para mediocridades, mesquinharias de cais
não leio mensagens dúbias
desvalorizo sons fugazes
menosprezo feitos e fatos de estação.

Não me mandem mensagens subliminares
metáforas cruéis
hipérboles de álcool e fumo

Não reprisem Dalva e Herivelto.
Não respinguem nada disso em mim.
Sou recheada de mato, flores e rios.

DEZEMBROS

poemas
Eu insistia para você criar uma página
para canalizar a sua vibrante criação poética.
Seus versos fluem com limpidez, encantamento e sedução.

poemas
Frágeis poemas rabiscados ensinam
Ser e estar tranquilo em propostas obscenas
Que desfiam receitas de bolo favorável e outros temas
Mas não revelam onde foi que amarrei a minha égua Nena.

poemas … poemas … poemas …
trezentos e sessenta e cinco milhões de dias
entre dezembros.

DIGNIDADE

Era um homem digno
ouvia, ouvia, ouvia
jamais desmerecia a dor alheia,
fosse pela desgraça
da perda de um filho
da perda de um trabalho
da perda de um companheiro.

Era um homem digno
ouvia relatos e transformava em música
dores e sangue
risos e cores
medos e angústias.
Tirava acordes precisos dos sentimentos humanos.

Era um homem digno
ouvia, ouvia, ouvia
jamais desmerecia a dor alheia.

MULHER DIARIAMENTE

Não está vendo ali?
É uma mulher.
Tem cheiro de mulher
Tem jinga de mulher
Tem sorriso visguento de mulher
Tem redondos e doces de mulher
Não está vendo ali?
É uma mulher.
Chora aos baldes como mulher
Ensina aos ventos e tempos como mulher
Arremata discursos com exclamações sem vírgulas como mulher
Cuida de seres animais, vegetais e humanos como mulher.
Não está vendo ali?
É uma mulher.
Enfeita o cenário
Compõe a moldura
Derrama tintas
E socorre feridas.
Não está vendo ali?
É uma mulher.

Poesias: Odonir Oliveira (escritas em 2016)

Fotos de arquivo pessoal

Vídeos:

1- Canal ArteVitalBlog –
Vídeo que apresenta o instrumental, “Jardim das Delicias” do compositor mineiro Flávio Venturini e um apanhado magnífico da obra do pintor impressionista, Jean Claude Monet.

2- Facebook de Odonir Araujo

Amor de mulher IV

CAMINHOS DE SOL

Separaram-se amando-se perdidamente. Perdidamente … já não se sabe. Só quem sabe de dois são os dois mesmo.

Filomena, a Filô, era apaixonada pelos diferenciais de Ricardo, o homem amado. Ele, envolto em um Édipo sem fim, de cuidados e superproteção materna, não se fixava em mulher alguma. Mas costumava deixá-las dependuradas nele eternamente – típico exemplo de gestalt interrompida. Seguiria assim, o perfeito amigo, posterior aos namoros e apaixonamentos.

Filô era corpo e pele, caixa amplificadora dos sons do amor. Alto- falantes à mostra, aos ouvidos. Viveram juntos por dois anos, tiveram um filho. Entretanto, o interesse de Ricardo por ela ia diminuindo. Logo depois do filho, ao se aninharem na cama, carinhosamente, aos beijos, abraços e prelúdio, perguntou-lhe se já poderiam ser um. Ao que ela não respondeu com palavras. Ele era assim. Depois foi vendo-a como a santa mãe de seu filho, quase num procedimento semelhante ao dos poetas românticos do século XIX. Isso incomodava demais Filô. Ora, ora, santa é a mãe !

Quando ele viajava a trabalho, junto com sua equipe, ela costumava ouvir das esposas dos outros ”Dou graças a Deus quando o zé viaja, me sinto livre, vou ao shopping, ao cinema, ao cabeleireiro, passeio, sem preocupação nenhuma. Podia ter uma viagem dessas por mês, né”. Filô era só ouvidos, porque, diferentemente, morria de saudades da voz de Ricardo, de sua pele aninhada à dela, de sua voz doce, de suas conversas com ele e de serem um.

Após tentativas de reaproximá-lo em corpo e alma, Filô, agora mãe, resolvera e dissera a ele. ”Quando você voltar dessa viagem a Salvador, vamos conversar sobre nós”. Ele concordou.

Antes disso, já havia conversado com a mãe de Ricardo sobre o assunto. Sentiu-se mexida em brios, como um filho seu, tão jovem, apresentaria tal comportamento. Pediu que marcasse uma consulta com aquele psiquiatra famoso da televisão para Ricardo. Ela pagaria. Foi. O psiquiatra disse – segundo ele – que todos os grandes personagens da literatura, por exemplo, tinham amor por suas musas e não tesão físico. Isso seria de menor importância, citando diversos exemplos. Isso serviu de álibi amoroso para o Ricardo de Filô. Era o vamos deixar como está pra ver como é que fica.

Filomena encheu-se de coragem e pediu que ele fosse embora. Sentia-se muito mal, humilhada mesmo, com seu desinteresse. Antes, batalhara tanto para tê-la, e ela resistira em nome de uma continuidade, eram tão amigos, tinham tantas identidades descobertas … depois de tudo aquilo, agora o desinteresse. Não. Inaceitável. Separaram-se.

Ricardo mudou-se para um prédio na mesma rua, dois quarteirões acima, no mesmo lado. Afirmava que com menino pequeno era bom ficarem próximos. Um novo terapeuta lhe teria dito ‘‘Pra que tantos gastos, entra um pela sala; outro, pela cozinha e estamos conversados” – ironizando a escolha de endereço de Ricardo. Pois é.

A cada fim de semana uma namorada nova, linda, mais jovem que Filô, o esperava no carro, enquanto ele subia para buscar o menino. Ela olhava da janela o carro sumindo, sumindo, levando sua cria e a namorada da vez. Assim seria ainda por alguns anos.

Agora, aquele bilhete, aqueles versos, aquele poema, deixado na portaria do prédio, em envelope aberto, no qual se lia apenas o número de seu apartamento. Pareciam letras femininas.

Perdi

” Perdi as folhas e os escritos, perdi o poema que escrevi à pouco, perdi a vontade de rescrever, perdi as nuvens que não chegaram e os sonhos que ainda não sonhei, perdi o sono que não encontrei e perdi a certeza de que sonhei. De entre todas as loucuras do mundo apenas a minha é sã, nesta liberdade condicional que me atribuíram sem julgamento, julgo escrever sem fundamento o que a alma vomita, porque sentir eu sinto, e viver nisso minto, não sei se vivo ou se morto, sei que eu sou, mesmo que não esteja, embriaga-me seriamente saber que me amas, ainda que eu te ame sem reciprocidade, amamo-nos, ainda sem nos somarmos, antes de nos dividirmos, na impossibilidade física de nos multiplicarmos… 
Que venha o sono, ou a loucura de o dormir!”

Ah, o amor, esse carrasco que fazia Filô chorar todas as noites, imaginando os beijos, os abraços e o sexo que Ricardo tinha com todas aquelas namoradas de ocasião.

Certa vez perguntou a ele se fazia AMOR com elas naquele colchão grandão, sob medida, que ambos haviam mandado fazer pra eles (Ricardo era muito alto), e se ele as chamava de ”marida” também. Ele riu, a abraçou, aconchegou-lhe a cabeça no peito e completou ”Cada relacionamento tem suas coisas particulares. Esqueça isso”.

Filomena, a muito amada, já diziam gregos e troianos.

CORPOS

nus
eram uns
nus
eram outros
sem nomes
sem restos
sem rostos
sem máscaras
sem mitos
sem metas
sem mesmos

tronco membros cabeça
membros tronco cabeça

tronco e membros
membros e tronco

sinfonias

GESTOS

de espasmos
de espaços
de espécie
de epicentros
de ex-pontes
de ex-pulsos
de ex-braços
de ex-ventre
de espasmos
de expulsos

DAS DORES

Das Dores
pinga dores lágrimas e lamentos.
Das Dores
verte sangue pus fedores.
Das Dores
amarga manhãs tardes noites
na clausura de subidas e descidas
em companhia solene de anjos, serafins e querubins.
Das Dores
entrega sua lira aos deuses
na esperança de que pousem em sua janela,
devolvendo-lhe luz, cor e o perfume dos dias.

MARIA

Bebe veneno no frio
come veneno no calor
cheira veneno no quintal
olha a lua
fala com as estrelas.
Chora com as ondas
soluça com as serras
engasga com o sol.
descama com a fumaça.
Sofre com incertezas
emagrece com torpezas
engorda com durezas
desfaz-se em friezas.
Maria
faz travessias na garupa do cavalo torpe
que lhe encilha a alma.

O texto do bilhete é do poeta português Alberto Cuddel 

Poesias e textos: Odonir Oliveira

Fotos de arquivo pessoal

Vídeos:

1- Canal Francisco Roberto Bertrão

2- Canal Biscoito Fino