O tango é um pensamento triste que se pode dançar

171167_lautrec_dr-gabriel-tapie-de-celeyran

CÚMPLICES

aulas de vida

calçadas e marquises

bares estares e ficares

atacado e varejo

passos coreografados em pares tantos

passos coreografados em pares avulsos

meias despareadas

botas de um único pé

salto agulha 10

descompasso nos ritmos

boleros de ocasião

sambas-canção

Dolores- Antonio Maria

concertos

consertos

Ímpar

Em par

149976cb025-printed-oil-painting-on-canvas-wall-art-pictures-as-unique-gifts-for-home-decor-living-room-colorful-picture-glass-of-wine0

montevideu-tango-praca-matriztango-v1ctor-casale

TANGO

corpo

corpo

corpos

vislumbram-se

fitam-se

miram-se atraem-se

fixam-se

vibram

embalam-se

enrodilham-se

ficam

transpiram piram

ficam

emoção estética

ritmo som torvelinho

dançam

ritmo

dançam

ritmo dançam ritmo dançam ritmo dançam ritmo dançam

TANGO !

cropped-affiche2petit

A dança, assim como as demais manifestações artísticas, é uma via de expressão capaz de representar diferentes ideias. A cada novo tipo de dança, perpetuam-se valores que fazem de um determinado estilo dançante sinônimo de determinados sentimentos. Na Argentina, o tango tornou-se sinônimo de paixão, melancolia e tristeza. Conforme sentencia uma famosa expressão “o tango é um pensamento triste que se pode dançar”. No entanto, ao contrário do que pensamos, o tango não “nasceu” triste e argentino.

Ao longo do século XIX, a jovem nação argentina incentivou a entrada de imigrantes europeus no país para que os mesmos pudessem ampliar a mão de obra disponível e, conforme relatos da época, “refinar” a cultura pelo contato com espanhóis, franceses, poloneses e italianos. Dos contingentes trazidos para ocupar novos postos de trabalho na Argentina, formou-se uma imensa população masculina que deixava a família para tentar a sorte em terras estrangeiras. Em pouco tempo, o excedente populacional masculino possibilitou a abertura de diversos prostíbulos  no país.

De acordo com recentes pesquisas, no final do século XIX, só a capital Buenos Aires contava com mais de 200 casas de prostituição. A procura pelas prostitutas era tão grande que os homens faziam fila à espera de fácil prazer sexual. Foi quando, a grande circulação de pessoas nas casas de prostituição argentinas deu espaço para a encenação de números musicais enquanto os clientes esperavam a sua vez. Nesse instante, apareciam grupos que intercambiavam suas distintas experiências musicais. A polca europeia, a havaneira cubana, o candombe uruguaio e a milonga espanhola firmaram o nascimento do tango argentino.

Em seus primeiros anos, o tango era formado por um trio musical executante de ritmos mais acelerados e os passos de dança tinham muita sensualidade. Só mais tarde que os tangos começaram a ganhar suas primeiras letras. Fazendo jus ao seu local de origem, as primeiras letras descreviam situações libidinosas sobre os prostíbulos e as meretrizes. Por isso, durante algum tempo, o tango era sinônimo de imoralidade. As pessoas de “boa índole” tinham verdadeira aversão à prática desse tipo de música dançante. No entanto, os imigrantes que voltavam para Europa tinham popularizado o estilo, principalmente na cidade de Paris.

Os diversos ataques contra o tango perderam força mediante a popularização e as transformações sofridas com a chegada do ritmo à Europa. Atacado ainda por religiosos, o tango chegou a ser dançado para o papa Pio X, para que o mesmo julgasse suas características. Aprovado por Vossa Santidade e influenciado pela escola europeia, o tango começou a ganhar um ritmo mais lento e passos mais cadenciados. No início do século XX, as letras começam a incorporar temáticas para fora do prostíbulo. Tempos depois veio a ser considerado uma expressão típica artística de “todos” argentinos.

Saindo dos prostíbulos para os salões de festa, o tango alcançou sua máxima popularização com o estrondoso sucesso do cantor Carlos Gardel. Sendo conhecido como uma dos mais famosos cantores de tango, Gardel mostrou sua música nos palcos e internacionalizou sua arte com a gravação do filme “El Dia Que Me Quieras”. Ainda hoje, o tango é uma das expressões artísticas mais conhecidas na Argentina e seus espetáculos atraem turistas de todo o mundo.

Esse post é dedicado a minha ex-aluna Camila Rocha, hoje escritora e fotógrafa, que nesse instante encontra-se “navegando em mares nunca dantes navegados” de TANGO.

 

Poesias: Odonir Oliveira

1ª imagem: Tela de Toulouse-Lautrec. El Dr. Tapié de Céleyran (1894) Museo Toulouse-Lautrec. Albi.

Foto retirada da Internet: Exibição de tango na Praça da Matriz, Montevidéu

1º Vídeo: Canal Beatriz

2º Vídeo: Canal: Giusy Frenna 

3º Vídeo: Canal Pablo Aldana

Com informações de diversos sites da Internet

Anúncios

Tributo a SANDRO R. D. DE OLIVEIRA

TRIBUTO A SANDRO R. D. DE OLIVEIRA

Sandro 3

Era um garotinho gordinho, de olhos acanhados e voz assustada, quase de língua presa.

Respirava ofegante, adenoides, certa ansiedade de afeto e atenção na opacidade da convivência. Cirurgia. Correção.

Carência de figuras emblematicamente masculinas.

Adoração por figuras emblematicamente masculinas.

Numa trincheira compartilhada por primos, avós, tias e amigos. Da vontade de crescer e voar, nasceu o culto ao corpo e ao espírito, tudo junto, como se tempo pouco ainda lhe restasse para unir as partes.

De gordinho que era passou a se exercitar, à academia, à dieta, à nutricionista e ao AMOR.

Conheceu seu único AMOR, aqui a mim revelado no café, em conversa de cozinha, dois meses antes. A primeira amada, a perda da amada. O conselho de quantas e quantas amadas ainda haveria de tê-las ali naquela tela de celular também. Uma dor no tom da voz, na comparação com o outro por quem fora substituído, a falta de entendimento, a dificuldade de aceitar os porquês. A vontade de sorrir de novo.

O espiritual, ora era tornado tão robusto quanto o corpo, estava repleto de todos os fundamentos kardecistas possíveis. “Tia, perdi o livro que eu estava lendo; não estou achando; deixa tia, vai ser útil pra quem o achar, deixa”.

Trabalhos em grupos espíritas de solidariedade, compaixão quase budista.

Sem álcool, sem fumo, sem drogas. Agora sem glúten, sem açúcar, com proteínas  e aminoácidos regrados pela nutricionista.

Vida nova. 26 anos.

Sandro9

A camiseta do Batman, a do Super Homem tudo alegoria do filho que rigorosamente se tornava agora, ao contrário do que a natureza previa, pai do pai. Um acordo de cooperação naquele momento imprescindível para tornar o pai pai de verdade.

E assim, companheiros, parceiros, brothers estavam, pelas primeiras vezes, fazendo caminhadas juntos, debochando um do outro juntos, rivalizando competências físicas; o pai, que sempre jogara futebol, saboreara praia etc. etc. agora … tudo compartilhado na salvação dos corpos de ambos, nas almas de ambos. A viagem ao exterior juntos, os jogos do Botafogo juntos, os shows de rock juntos. Uma revolução nos espelhos virados ao contrário. Ou não.

Sandro5

Fazendo planos: “voltar aqui; comprar um terreno aqui, construir uma casa aqui; viajar com meu pai; passar no concurso; pegar meu diploma que ainda não liberaram; ir a Londres com meu pai, ajudar meu pai a ficar inteiro a se manter inteiro; trazer minha mãe aqui…” 26 anos.

Carnaval aqui na praça, seguindo juntos com o bloco Recordar e Viver, a fonte, tudo, tudo fotografado em selfies, eternizado no Face, no Instagram, tudo certificado, comentado, compartilhado: 26 anos.

Sandro10Sandro2

As fotos do churrasco enviadas pra tia, com carinho, logo depois.

Sandro1

O assalto.

A  correntinha.

O celular.

O tiro.

“Mas eu não reagi, eu não reagi”, nos braços do anjo, a professora que o acudira, o acolhera ali, a caminho do trabalho.

A  morte.

Não deu tempo de fazer o que pretendia tanto.

Ou será que deu?

O jardim que fiz pra Sandro está mais no meu coração do que nas flores que enfeitam a placa hoje com seu nome.

Ah, aquele garotinho gordinho !!!

SAM_1157.JPGSAM_1153.JPG

Texto: Odonir Oliveira

Fotos de arquivo pessoal (lembranças a pedido de meu irmão, pai do Sandro)

1º Vídeo: Canal   65Seasons

2º Vídeo: Canal brokenwingchet     

Declarações poéticas

LÍRICA

conhece montes

visita ninhos de passarinhos

bebe água de rios com mãos em concha

suspira ao nascer do sol

entontece no vinho do anoitecer

saboreia pingos de chuva no rosto erguido aos céus

entrega corpo e alma às luas cheias

caminha sobre pedras de riachos muitos

vasculha matas fechadas com olhares fascinados

é sol

é estrela

é lua

é rua

é acorde

é vírgula

é reticências

é ritmo

é rima

é dor, flor, cor

amor

também

CUPRUM

no ambiente, sólido

aquecido, fusão-refinação

liga

antiquíssimo, símbolo da vida eterna

cobre

não cobre

limita pré-história e história

cobre

nem ouro, nem prata

cobre-alquimia

Afrodite

Vênus

cobre

ef5a840f9268a57da508cc49ef26521d

EMOÇÕES

várias

faca amolada

fio de navalha

precipício em salto

riscos de vida

riscos de mortes

cordis alterado

cordis semi-morto

anginas de antanho

angina de agora

anginas eternas

anginas semoventes

cordis burgo

riscos de vida

riscos de mortes

a vida sopra

a vida não sopra

o rio corre

a folha cai

a rosa murcha

o sol se põe

cordis burgo

riscos de vida

riscos de mortes

18359016_447012685646727_4873610734328734470_o

Poesias: Odonir Oliveira

1º Vídeo: Canal hyeryoung86  

2 ºVídeo: Canal Puerto Libre  – Arte de Leonid Afremov

Doces deleites, Cecília …

Wilma era muito amiga de Cecília. Fizeram faculdade juntas, o mesmo curso. Trabalhavam no mesmo lugar e, após às seis, iam no carro do marido de Wilma, falando, mas falando tanto que o pobre Durval, miudinho como Wilma, só se manifestava para retirar uns versos do Pessoa da ponta da língua e pontuar um ou outro assunto. Ela virava de costas no automóvel para conversar com Cecília sobre tantos temas que tinham em comum, tanto os do trabalho quanto os da faculdade.

Wilma casara bem cedo, ela 18; ele 20. Resolveram fazer faculdade depois de casados. Nunca quiseram filhos durante esse período.

Wilma adorava mar, paulistana, filha única de família simples, desejava muito a praia. Mas não o mar. Entrava só na beiradinha, se refrescava com uma garrafinha d’água sobre costas e ombros … era bem clarinha, quase ruiva. Já Cecília era só água, nascera em cidade de mar e agora morava em outra cidade de mar. Eram finais de semana repletos de alegrias aqueles em que o casal de amigos vinha ficar com Cecília.

Nas conversas entre as duas, pincelavam-se algumas diferenças além do mergulho em águas salgadas. Wilma não queria ter filhos – talvez um dia, bem lá pra frente. Cecília amava crianças, filhos, gravidez, amamentação, entretanto nunca desejara se casar, viver na mesma casa com um marido- coisa que não suportaria, visto que vivia sozinha havia quase uma década. Era muito livre, acordava e dormia segundo suas intenções, comia e bebia o que bem entendia, ouvia os discos que queria e jamais trazia namorado- nem tantos assim – para seu apartamento. Não queria dividir intimidades e proximidades diuturnas com ninguém. Mas Wilma dizia que na hora em que a outra se apaixonasse, tudo seria diferente. Não foi. Quando tentou, durou meses apenas.

Separaram-se. Cecília teve sua filha, casou, mudou e não te convidou – digamos assim. Logo, logo, continuou com sua cria, como sempre pretendera, sozinha.

Wilma continuou sua carreira universitária com mestrado, doutorado. Durval ascendeu como economista numa grande empresa de alimentícios. Nunca tiveram filhos.

Depois de mais de 10 anos sem se verem, sem saberem nada uma da outra, Cecilia começou a procura por Wilma. Endereços antigos, nomes em listas telefônicas, amigos de amigos de amigos. Até que um dia encontrou, em um número telefônico, por sobrenome, a mãe de Wilma.

É preciso saber que Cecília, por ser historiadora, sempre se interessara por buscas, pistas, sinais, querer ir atrás de causas para consequências descobertas e sem explicação. Fazer buscas por endereços, telefones, atividade profissional de alguém, raízes de uma família, laços de sangue etc. eram ações corriqueiras em seus procedimentos. (Certa vez, o tolo de um rapaz acreditou que isso fosse perseguição, tentativa de totalitarismo, de controle. Mal sabia ele que Cecília jamais quisera grudar-se em alguém como ventosa. Era de índole libertária. Queria apenas o perfume da pele e a umidade da brisa do amanhecer. Tonto, não compreendeu nada). Mas fora graças a esse tino investigativo que Cecília chegara à mãe de Wilma e depois ao Durval.

Wilma morrera afogada em Florianópolis entre o Natal e o ano novo, havia mais de 7 anos. Ondas muito fortes a recolheram e mais uns amigos estrangeiros, em uma viagem àquela cidade. Morrera jovem, menos de 40 anos. Sem filhos. O marido, muito apaixonado, quase sucumbira também. A mãe daquela filha única … entregue ao medo da cidade grande, da noite… querendo falar mais e mais sobre a filha morta e contar tudo que Cecília não sabia e relembrar as vezes em que estiveram todas juntas. A dor terrível da mãe, a dor terrível do homem amado. A dor tardia da amiga.

homem-pensando

Naquela tarde, Cecília abraçou suas crias como uma leoa. Nunca quisera a coabitação com os pais de seus filhos, mas tinha, ali, seu doce deleite. Eram perenes. Eram reais. Eram sua continuidade. Eram, egocentricamente até, sua perpetuação da espécie.

Valera a pena sim ter conhecido Wilminha, miúda, doce mas brava, dedicada aos estudos sempre. E ao trabalho também. Alérgica, nariz sempre entupido e desentupido por soros. Intimidades, Wilma … apaixonar-se, Wilma… a vida continuou e Cecília não se esqueceu nunca daquela amiga em prosa e verso.

Tiradentes  relógios.JPG

Texto: Odonir Oliveira

1º Vídeo: Canal Orquestra Ouro Preto

2º Vídeo: Canal  Hully Arar

A outra mãe

hospital-santa-izabel

A OUTRA MÃE

Tinham chegado quase juntas ao grande hospital de Salvador, mas isso poderia ter acontecido em qualquer outro. Era o ano de 1979.

A branquinha de olhos castanhos e pele bronzeada trazia nas mãos uma pasta de plástico, fechada por elásticos, onde estavam guardados os documentos pessoais, o cartão do INSS e um bilhete no qual a recomendavam ao Doutor Xis , amigo de outros amigos.

A negra franzina de olhos cor de mel que trazia papeis amarfanhados e meio sujos nas mãos havia esperado alguns meses pela consulta, ainda que estivesse buchuda havia alguns meses também.

Como tivessem chegado juntas e apresentado as credenciais que lhes permitiriam ser atendidas, foram logo diferenciadas em suas pompas e circunstâncias e conduzidas a entrar na sala e serem examinadas pelo Doutor Xis.

Duas cadeiras as acolheram e ali começaram a conversar. A primeira estava grávida há oito meses e viera do sul do país para morar naquela cidade; já a segunda fazia uns quatro meses que estava prenhe, e feliz da vida por isso. Ao preencher a ficha , o médico ia lhes fazendo  perguntas costumeiras nessas situações. O que surpreendeu foi que tinham a mesma idade, 24 anos; teriam o primeiro filho e estavam ali segurando suas crias com as mãos nas barrigas como se quisessem proibir que dali saíssem.

O doutor ginecologista foi requisitado em outro setor e deixou-as, cada uma com suas emoções, seus medos, suas expectativas, suas persistências, suas esperanças.

Um estado de mudez as acometeu então. Olhavam-se apenas, tão diferentes e tão subitamente iguais.

Uma imaginando que a outra sim era feliz, com comida boa, casa bonita com carro estacionado na frente, bercinho enfeitado, enxoval de primeira e pediatra para qualquer presunção de dor. Às vezes um sorrisinho no canto da boca, quase um acordo tácito da materna cumplicidade. Depois um certo olhar vago , para longe, para muito mais longe que a vidraça o pudesse empurrar. Uma mudez meio ressentida e atávica, quase murmúrio de uma dor assentada e legítima.

A outra pensando se seu homem amado, o que lhe fizera aquele filho, seria um bom pai, se a amaria ainda da mesma forma, agora que seus seios estavam dilatados e com bicos em auréolas róseas quase sem nenhuma atração sensual. Pensava que aquela linda negrinha sim é que parecia ser muito desejada, e era por um amor embrutecido e rude que lhe agarrava pelos ombros, a jogava na cama, impunha-lhe as vontades e, juntos, voavam por nuvens saborosas. Invejou a outra com um olhar de soslaio apenas. Quantas vezes teria sido amada antes de estar daquele jeito buchuda, perguntou-se.Teria sido como ela, logo na segunda vez, meio por desejo e não por anseio de procriação? Parecia que não. Era quase um monumento de reverência à libido: pelo rosto, pelos lábios, pelos cabelos cacheados; tudo recendia à prazer na outra mãe a seu lado. Tornou-se  quase mulher, em vez de mãe, naquele instante. Que pensasse naquela ultrassonografia que iria lhe dizer menino ou menina, que iria como um oráculo anunciar o que deveria ser contado ao pai, distante ainda no sul do país. Era isso apenas o que contava: a realização do amor, a constatação, quase concreta afinal, do filho que ela e seu homem juntos iriam ter.

A negrinha era magrinha, de quadril surpreendentemente estreito, aguardava  sem  talvez nem um pensamento, nada que a mãe branquinha a seu lado suspirasse a desejar. Queria saber como estava o filho que carregava por esses últimos quatro meses. Algum mistério em seu rosto no entanto, como um anátema que lhe aguardasse a seguir, ou a suspeita dele.

Doutor Xis entrou, fechou a porta e pediu que a mulher branca deitasse para começar a ultrassonografia, tendo nas mãos o bilhete com a sua indicação. Mas sem qualquer explicação, talvez pela cumplicidade  adquirida naqueles minutos em que estiveram lado a lado em dor e prazer, cedeu à negra sua vez. O médico disse que então ali se deitasse a outra.

– É seu primeiro filho? -perguntou.

-Não, esse é o terceiro.

– Tem dois filhos, então?- roçando-lhe o ventre com aquele microfone, que se não era microfone parecia ser um. Olhava na tela um retrato em preto e branco disforme e desesperançoso de toda uma vida.

– Não, doutor, eu perdi os outros dois, não cheguei a parir não. Morreram.

– Então são três, porque esse aqui também está morto. Você perdeu.

-Ah, doutor, esse também? Não vai criar, não?!

– Não, vamos marcar a curetagem. Vista-se e espere ali fora que a enfermeira vai conversar com a senhora.

Vinte e quatro anos, três filhos que não vingaram. Um vazio comunicado daquela forma! Que dor! Que incomunicabilidade!

Saiu o Doutor Xis e enquanto orientava, talvez, a enfermeira ou adiantava algum procedimento, a branca, de vinte e quatro anos com bilhete de indicação, se perguntava se deveria deitar naquela maca, se ainda queria saber do seu filho, do sexo do seu filho, dos desejos do pai do filho, dos seus desejos, da vontade de querer ser mãe, do irreconhecível sentimento masculino do gestar, do parir, do amamentar, do proteger, do defender, do guiar, do educar, do ferir alguém que a sua cria ameaçasse ferir. Pensou se ali estava alguém que lhe pudesse responder todas aquelas questões ou se teria que ir aprendendo sozinha como respondê-las e agir, então.

Já na maca, o médico lhe explicava em detalhes como estava sua filhinha, ou seria filhinho, tratava-se do saquinho escrotal ou não… parecia ser, ficaria devendo a garantia do sexo, portanto. Afirmava que o bebê estava bem encaixado, na posição correta e que era só aguardar. Parto normal à vista como ela desejava. Quadril largo, pouco peso, criança saudável. Tudo correndo bem. Ensinou-lhe exercícios de respiração, mandou que continuasse caminhando na areia molhada da praia todas as manhãs. Se houvesse algum perigo – que o parto seria em casa- a carteirinha do INSS estava pronta, e eles avisados. Era só comparecer ao hospital.

Descia agora da maca como se descesse de um avião em chamas, como sobrevivente de uma tragédia. Queria ir embora dali urgentemente. Parecia que o filho lhe descia pernas abaixo, como se não fosse conseguir segurá-lo mais, tamanho o choque da dor alheia testemunhada.

E a outra mãe? Desejou encontrá-la na saída, dizer-lhe talvez umas palavras, oferecer-lhe seu peito para agasalhar seu choro. Ouvir o resto da história. Aprender com ela, aprender com aquilo e depois ensinar a seus filhos, que para isso servem as mães, para adoçar sofrimentos, acalmar desesperos, acarinhar soluços inevitáveis. Nada.

Aprendeu. Mãe deve servir de aconchego e bálsamo para vidas em evolução.

 (maio de 2015)

57a2c17bc9b97

c10926_b5cf755152904c6a9d61e7c00405965d

Texto: Odonir Oliveira

1º Vídeo: Canal claradobrasil

2º Vídeo: Canal Rodrigo Caldas

LEIA TAMBÉM: http://noticias.terra.com.br/brasil/desigualdade-social-poe-saude-de-maes-em-risco-no-brasil-diz-ong,7c2ee3b8aa761db5928e06b1b685aba6x4mpRCRD.html

Prometeu, Cleópatra, o amor …

photo2525204252520feb25252020142525201225253a48

DOCE É O AMOR

O que é isso,

que apelido tem

que codinome tem

que alcunha tem

que diminutivo tem

que sinônimo tem

que antônimo tem

que química tem

que receituário tem

que disfarces tem

que fantasias tem

que lemas tem

que contra-indicações tem

que efeitos colaterais tem

que desenganos tem

que tropeços tem

que feridas tem

que encantos tem

que sedução tem

que encaixes tem

que desassossegos tem ?

Doce é o amor ?

30bb5e0848413294a6481a00b4ae5762

CLEÓPATRA

1975,

baiana

tem 30 anos, em Salvador,

filha de um graúdo do porto

estudou Letras,

ensina literatura para pagar suas miudezas

conhece Muziris, marinheiro embarcado,

conhecedor do mundo

conhecedor dos mundos

sai com ele

às escondidas dos pais

cai com ele, em leitos,

às escondidas dos pais

Na missa, no Bonfim, veste vestido decotado

acodem mulheres, lhe jogam um bolerinho nos ombros

Cleópatra, a baiana, de quadris largos, de bunda grande

de vontades e sabores dela

de cravo e canela

Muziris  vai

Muziris vem

Muziris viaja por seus mares

Muziris viaja por mares dela.

A rainha do Egito dos mares de Muziris,

mares inesquecíveis,

cantados,

decantados,

mesmo 20 anos depois.

misha_gordin_fotografia-html

Style: "Neutral"

PROMETEU ACORRENTADO

Sente pena de estarem acorrentados

sente pena de não saberem se desvencilhar

sente pena de tão outra parca narrativa

sente pena do ardor do medo

sente pena das aleivosias intermináveis

sente pena das armadilhas aprisionantes

sente pena dos arrestos de sazonalidades

sente pena das tatuagens polinizadas

sente pena da premência única de feromônios

sente pena das nuances de cores perdidas

sente pena da elipse de angulares vespertinas e plenas

sente pena da reposição do lirismo pelo vácuo e mínimo cotidiano

Sente pena

das noite brancas

das estrelas vagantes

das naus

de …

misha2

Poesias: Odonir Oliveira

 

Fotografias conceituais de Misha Gordin 

http://bsimple.com/home.htm

 

1º Vídeo: Canal JB Jazz Blues House The Club

2º Vídeo: Canal  Smoddeka

3º e 4º Vídeos: Canal  The Pleasure of Jazz

Filmes eternos: livros e leituras

20160710_113713

TELA GRANDE
encantamento
som luz imagens
duas cores
muitas cores
poltronas
escuro
silêncios
magia
prazer
imaginação
delírio
sonho
ilusão fascinação perpetuação
Ednardo – Dorothy L’amour
Quando nos reunimos presencialmente (ou virtualmente), além de canções -se alguém estiver com um violão- falamos de filmes. Tanto canções quanto filmes têm a propriedade de nos remeter a mundos muito além daquele em que vivemos. Vejo a moçada nas redes sociais hoje se emocionando em amor, raiva, ódio pelas séries americanas, pelos filmes a que assistem na Netflix… Sou do tempo da tela grande, do frenesi das estreias, das filas na porta dos cinemas de rua, dos debates pós-filmes, das resenhas, do café na saída da exibição e ali a conversa por horas sobre aqueles belos filmes a que assistíamos.
d441cbe528516c4112f8180e5d74075b
A sequência abaixo foi apresentada num ciclo de debates sobre filmes livros, no Museu da Imagem e do Som, MIS , SP, em 1996, no mesmo período em que se realizava a Bienal do Livro na cidade. O livro era o personagem. Na sequência da exibição, fazíamos uma apresentação/ mediação sobre o filme para o público presente. Depois procedíamos a um debate bastante enriquecedor com a plateia.
FAHRENHEIT 451 –  1966
19871984
 
Fahrenheit 451 Trailer
  https://www.youtube.com/watch?v=w0PwQOr53SA

 

Fahrenheit 451, o quinto longa-metragem de François Truffaut, o primeiro em cores e o único feito em país estrangeiro, a Inglaterra, tem uma das frases mais belas, mais fortes, mais marcantes, mais dramáticas destes cento e dez anos de cinema: – “Do you ever read the books you burn?”

Perde bastante na tradução, que pode vir em mais de uma forma: – “Você lê os livros que você queima?” “Você alguma vez leu os livros que queima?” “Você nunca leu os livros que queima?”

A pergunta é feita por uma moça que parece bem jovem, cabelos louros cortados bem curtinhos, faiscantes olhos verdes, lábios carnudos, a um bombeiro, com seu uniforme todo negro. O espectador viu uma ação que demonstra que, naquele futuro descrito ali, os bombeiros não mais apagam incêndios – as casas, os edifícios são à prova de fogo. Sua atividade consiste em queimar livros. A rotina de um destacamento de bombeiros. O destacamento recebe uma denúncia, por um telefonema anônimo, o grupo de bombeiros entra no seu caminhão vermelho, sirene ligada, e segue até o prédio apontado. O ocupante do apartamento em questão havia sido avisado com mínima antecedência , e fugira correndo. Os bombeiros chegam, e procedem a uma rigorosa inspeção de todos os pequenos cantos onde livros podem ter sido escondidos.

Encontram algumas dezenas de livros – o primeiro deles é Dom Quixote, de Cervantes. São todos levados para a frente do prédio, ao ar livre, colocados numa espécie de churrasqueira portátil, e queimados por um lança-chamas poderoso operado por um dos bombeiros, Montag (o papel de Oskar Werner)

 

20160710_113736

 

UMA CIDADE SEM PASSADO – 1990

260x365_519ebe5beb5b5

 

O filme Uma cidade sem passado, do diretor Michael Verhoven, produzido no ano de 1989, é reproduzido na pequena cidade de Pfilzing na Alemanha, por volta da década de 70, seu pai Paul (Michael Guillaume) um refugiado político que fugindo da guerra da Silésia, foi morar na Alemanha com o seu cunhado o vigário da catedral de Pfilzing o tio Franz, a mãe de Sonia chamava-se Maria (Monika Baumgartner) professora de religião na cidade, tudo começa quando a sua filha Primogênita, uma jovem chamada Sonia Wegmus (Lena Stolze) a qual tem dois irmãos por nome de Robert (Michel Guillaume) e a Nina (Karin Thaler), Sonia era muito querida na sua cidade e resolve participar do concurso de composições de poesias, promovida pelo presidente da Alemanha o Dr. Karl Carstens. Do qual a protagonista, Sonia, é incentivada por sua professora de latim Juckenack (Hans-Reinhard Muller) a participar.

Na sua busca pela verdade Sonia emerge de forma imediata a necessidade da reconstrução do passado, o acesso às informações, as Instituições de Memória, etc. E descobre que estavam ocultando a verdade. Sonia resolve em uma atitude exasperada processar o estado, para que lhe permita o acesso as informações ate então retidas como arquivos confidencias, e a cidade de Pfilzing fica revoltada com sua atitude, sendo Sonia o centro de grandes perseguições. Mas ela não teme, e sem medo resolve desvendar todo o passado da sua cidade. Ela conclui seu trabalho com grande êxito mostrando a todos os verdadeiros fatos ocorridos na sua cidade durante o III Reich, trazendo para todos o passado da sua pequena cidade de Pfilzing.

 

SAM_5799

 

NUNCA TE AMEI – 1994

19872347

Andrew Crocker-Harris (Michael Redgrave) 1951, é um professor de grego e latim que é forçado a se retirar do trabalho, após lecionar 18 anos em uma escola preparatória na Inglaterra, Andrew Crocker-Harris (Albert Finney), 1994, um enérgico e pouco amigável professor de latim e grego, é forçado a se aposentar. O pretexto é que sua saúde não está boa, sendo que ele não receberá aposentadoria, devido a problemas de saúde. Na vida particular nada é diferente, pois vive com Millie Crocker-Harris (Jean Kent) um casamento fracassado, onde ela, não satisfeita em traí-lo com Frank Hunter (Nigel Patrick), um outro professor, sente um enorme prazer em magoá-lo. Várias são as obras das literaturas grega e latina citadas, todas com referências claras na narrativa do enredo.

Duas versões: 1951 e 1994

20160710_113813

A TEMPESTADE – 2010 (há outra versão)

7cca6c5fbebc3b60bf52cfd65a3b3a9b

Filme inspirado na obra de William Shakespeare , A Tempestade (The Tempest no original) é uma peça teatral do dramaturgo inglês William Shakespeare, que acredita-se ter sido escrita entre 1610 e 1611, e tida como muitos críticos como a última peça escrita pelo autor.

A Tempestade é uma história de vingança, é uma história de amor, é uma história de conspirações oportunistas, e é uma história que contrapõe a figura disforme, selvagem, pesada dos instintos animais que habitam o homem à figura etérea, incorpórea, espiritualizada de altas aspirações humanas, como o desejo de liberdade e a lealdade grata e servil. Uma Ilha é habitada por Próspero, Duque de Milão, mago de amplos poderes, e sua filha Miranda, que para lá foram levados à força, num ato de traição política. Próspero tem a seu serviço Caliban, um escravo em terra, homem adulto e disforme, e Ariel, o espírito servil e assexuado que pode se metamorfosear em ar, água ou fogo. Os poderes eruditos e mágicos de Próspero e Ariel combinam-se e, depois de criar um naufrágio, Próspero coloca na Ilha seus desafetos (no intuito de levá-los à insanidade mental) e um príncipe, noivo em potencial para a filha. Se o amor acontece entre os dois jovens, se a vingança de Próspero é bem-sucedida, se Caliban modifica-se quando conhece os poderes inebriantes do vinho numa cena cômica com outros dois bêbados, tudo isso Shakespeare nos revela no enredo desta que por muitos é considerada sua obra-prima – uma história de dor e reconciliação.

 (filme na íntegra dublado)
A obra de Shakespeare pode ser lida aqui:
92144-d1165b9db5a3
SOCIEDADE DOS POETAS MORTOS – 1990
sociedadedospoetasmortos
Em 1959 na Welton Academy, uma tradicional escola preparatória, um ex-aluno (Robin Williams) se torna o novo professor de literatura, mas logo seus métodos de incentivar os alunos a pensarem por si mesmos cria um choque com a ortodoxa direção do colégio, principalmente quando ele fala aos seus alunos sobre a “Sociedade dos Poetas Mortos”.
Ensina literatura viva, com declamação de textos, encenação de poemas, o carpe diem, e provoca em cada aluno uma revolução pessoal, através da literatura.
CENA FINAL:
 A HORA E A VEZ DE AUGUSTO MATRAGA – 1965 (outra versão de 2012)
11688aa6d4b05e804b5400d52c9f30b8

Augusto Matraga (Leonardo Villar) é um fazendeiro violento, que é traído pela esposa, emboscado por seus inimigos, acaba massacrado e é dado como morto. É salvo por um casal de negros e, desde então, volta-se para a religiosidade. Mas quando conhece Joãozinho Bem Bem (Jofre Soares), um jagunço famoso, este percebe nele o homem violento, e o faz viver um conflito interno, instigando os instintos violentos de sua personalidade.. Daí em diante Matraga vive o conflito entre o desejo e a vingança e sua penitência pelos erros cometidos.

É baseado em “A hora e vez de Augusto Matraga”, última novela de Sagarana, obra de
• Direção: Roberto Santos
• Roteiro: Gianfrancesco Guarnieri (escritor), J. Guimarães Rosa (argumento), Roberto Santos (escritor)
• Gênero: Drama
• Origem: Brasil
• Tipo: Longa-metragem

Elenco:

• Leonardo Villar – Augusto Matraga
• Joffre Soares – Joãozinho Bem Bem
• Maria Ribeiro – Dionorá
• Maurício do Valle – Padre
• Flávio Migliaccio – Quim Recadeiro

Cinema novo – Caetano e Gil:
 https://www.youtube.com/watch?v=CqC8teiUYkY
NUNCA TE VI SEMPRE TE AMEI – 1987
lpnuncatevista

Nunca te Vi, Sempre te Amei se baseia numa história real. Um dos dois protagonistas da história, Helene Hanff (1916-1997), escreveu um livro de memórias, que deu origem a uma peça de teatro, assinada por James Roose-Evans, a uma adaptação para a TV e, em 1987, a este filme, cujo roteiro foi escrito por Hugh Whitemore. O filme foi dirigido pelo inglês David Jones (1934-2008).

A história real relatada por Helene Hanff não tem, a rigor, nada, nada de especial. Uma jovem escritora de Nova York apaixonada por livros e por literatura inglesa descobre que uma livraria de Londres tem as obras que procura, e passa a se corresponder com um dos funcionários.

Nenhum mistério, nenhum crime a ser desvendado. A rigor, nem sequer há um caso de paixão; não há traição, triângulo amoroso.

Sexo, então, zero. Não há sexo, mistério, rock’n’roll, drogas, traição, violência, traumas de infância, traumas de qualquer espécie. Não há tragédia, catástrofe, pânico, pathos. Não há absolutamente nada extraordinário. Nada, nada, nada.

Há apenas a relação entre uma impetuosa, independente, batalhadora jovem nova-iorquina que se esforça para ganhar a vida primeiro como leitora de roteiros e depois como escritora para a TV, e um sereno, tranquilo, cinzento senhor londrino que trabalha numa livraria especializada em edições raras de velhos livros.

Ela escreve de Nova York excitadamente,  eloquentemente, ele responde de Londres profissionalmente,  calmamente.

Não há nada de extraordinário na história da correspondência entre Helen Hanff, de Nova York, e Frank Doel, de Londres – e, no entanto, a história foi sucesso como livro, como peça em Nova York e Londres, e como filme.

Não há como não se apaixonar pelos personagens feitos por esses atores

 

Bacana mesmo é ler as obras citadas nos filmes, de literaturas nacionais e internacionais. Depois comparar as linguagens, é claro que o cinema recorre a muitos expedientes aos quais a literatura não tem acesso, entretanto ler é MUITO MAIS MÁGICO, penso eu.

18519494_451984691816193_2629978212831173706_n

Com informações de:

http://www.adorocinema.com

http://50anosdefilmes.com.br

https://filmow.com

Vídeos de canais diversos do Youtube.

 Leia também sobre o mesmo tema: Filmes eternos: iniciações 
OBSERVAÇÃO: O wordpress NÃO está permitindo adicionar diversos vídeos aqui, mesmo substituindo-os por outros. Apenas adicionei os links a quem desejar completar minhas indicações. Assista-os no Youtube, portanto.