Páscoa e Pascoela

VERNISSAGE

Era sua primeira mostra. Aguardara décadas até germinar-lhe a coragem da exposição. Esperara décadas até que lhe fosse inoculada a vontade de exibição. Apascentara suas crias sempre em terreno resguardado de observações. Preservara áreas de terra, água, fogo e ar. Fizera as tintas com suas próprias mãos, compusera o tecido das telas com cada um de seus retalhos percorridos. Formatara suas molduras, uma a uma, em madeira de lei.

Era sua primeira mostra. Ele também estaria lá. Eles também estariam lá. Depois de décadas de aleitamento, maturação e verve. As nuances todas na mostra agora, as tonalidades, as subtonalidades, o monocromático, o policromático tudo frente a frente a todos.

Era sua primeira mostra. Licenciosamente, libidinosamente, despudoradamente o seu eito, a sua lavra à vista de todos, à crítica de todos. Talvez fosse melhor desistir, não ir, recolher todas as telas, guardá-las outra vez no sótão para revê-las, sozinha, quando desejasse, quando precisasse. O receio do exposto, o temor do menosprezo, o pavor do ridículo …

Reflexão.

Era sua primeira mostra.

df9bf3b0ae53006489bc22134ab72884

André Kown7

André Kohen 12

André Kohn 14

André Kohn6.jpg

Andre Kohn http://www.tuttartpitturasculturapoesiamusica.com

André Kohen17

9bf5bcacf0cc4a688113fdc2b546e17e

andre-kohn1

ob_92eafe_kohn-andre-3a

andre-kohn-19

André Kohn 10

dc239fdcf740658b1329bbd4e62d20ce-paintings-for-sale-art-paintings

Andre Kohn13.jpg

Texto: Odonir Oliveira

Telas do pintor russo Andre Kohn

Vídeo: Canal Tat Parina

Sextas-feiras de paixão

capa-maktub-cerimonial-c3

SAM_7146.JPG
VEREDAS
lagoa espelho
imagem céu
água e vinho
aroma verde
lagoa espelho
colar de areias
colar de ondas
colar de estrelas
estradas pontes
vento capa
vento desejos
vento encanto
lagoa espelho
veredas
SAM_9268
MARGENS
direita direta
sem direção
direita indireta
sem contenção
esquerda estreita
gauche severa
guache eterna
sem proteção
água que escorre
rio que corre
imensidão
SAM_3751
NEGRO
um corpo faísca
um corpo brilha
um corpo queima
um colo forte
uma pele forte
uns olhos coloridos
umas mãos grossas
uns dedos ágeis
a capa sempre negra
as pegadas sempre líricas
o cenário sempre moldura
um corpo faísca
um corpo brilha
um corpo queima
céu1
lua cheia- Angélica-Barbacena
29573329_1449342878509834_2579399164039184258_n
LUAU
terra firme
canoa silente
em serenata
líricos coaxares
murmúrios solitários
ruídos de pirilampos
tantos
corredeira de rio
frio
ventos leves
febre
dó ré mi fá
estrela lume
halo da lua
halo de gente
sol lá si
sós

SAM_7056

ENCONTROS

Ama-se o amor
Ama-se a busca do outro em si mesmo
Ama-se um acordo de pensamento que batiza encontros
Ama-se um gesto, um riso, um toque, um olhar
Ama-se um jeito, um comportamento, uma capacidade
Ama-se  um cheiro, uma seiva, uma pele.
 SAM_3925
“Os outros eu conheci por ocioso acaso. A ti vim encontrar porque era preciso” Guimarães Rosa
Poesias: Odonir Oliveira
Imagens de arquivo pessoal
1º Vídeo: Canal Dany Matos
2º Vídeo: Canal Tiffanyar1

Conversas de quem gosta de ensinar

SAM_9575

Bendito seja aquele que sabe ENCANTAR pelo que ENSINA.

Professor idealizador da Escola da Ponte em Portugal sua experiência como educador e pesquisador o levou a formatar uma metodologia alternativa que foi capaz de criar uma escola sem aulas, turmas ou provas; o sucesso de seu modelo de ensino que vem sendo inspiração mundial há 40 anos revolucionou o papel de Portugal no cenário da pedagogia mundial; é reconhecido internacionalmente como a maior referência em termos de inovação em educação.”

SAM_6839.JPG

Conheci José Pacheco, fazendo o curso sobre a Escola da Ponte, antes de conhecê-lo pessoalmente. Digo isso porque conheci seus professores, seus alunos, seus projetos de ensinagem e aprendizagem e sua visão de mundo.

Tempos se passaram, José Pacheco veio viver no Brasil, e aí o conheci, gente de carne e osso, um homem mais ou menos da minha idade e com a mesma visão de mundo que a minha.

Foi então que pude tocar nele, abraçá-lo e dizer-lhe, quase sem palavras, tudo que sempre quis lhe dizer.

Na vida há raízes de homens. Sei bem que as há.

28279630_594888777525783_3670333735490855980_n

TIÃO ROCHA e o CPCD

Aquele de quem me orgulho: um brasileiro que acredita na educação

Quando o conheci aqui na Estação Ponto de Partida, em Barbacena, MG, agradeci a ele o quanto tinha aprendido com tudo que ele sempre produziu e confessei que eu tinha muito orgulho de ser uma brasileira como ele também é. Os abraços fraternais que nos demos foram muito significativos.

guimaraes_rosa_mestre_nao_e_quem_sempre_ensina_mas_quem_l51nqv3

Fotos de arquivo pessoal

1º Vídeo: Canal TEDx Talks
2º Vídeo: Canal Odonir Oliveira
3º e 4º Vídeos: Canal cpcdbhz

Mais em: 

TIÃO ROCHA: http://www.cpcd.org.br/tiao-rocha/

JOSÉ PACHECO: http://biblioo.info/jose-francisco/

Fora de época, outras épocas

761642c6d289839384028903da126ebf

SOLAR

Minha mãe cozinhava exatamente:
arroz, feijão-roxinho,
molho de batatinhas.
Mas cantava.

Adélia Prado

SEMEADURA

não sei
nunca soube
não pude
nunca pude
não leio
não escrevo
não compreendo
nunca fui
nunca pude
não sei
foto-sebastic3a3o-salgado

Conceição chegara cedo, arrumara as carteiras, espalhara livros, revistas, papeis, lápis e  cadernos pelo ambiente. Quem seriam eles? Como chegariam? O que desejariam? Quais os seus sonhos?

Precisaria interferir, precisaria ouvir, precisaria doar-se, precisaria ensinar.

Um a um foi chegando, sem destreza ao sentar-se. Uma vergonha imerecida lhes percorrendo as vontades, um mutismo em seus semblantes. O que estariam pensando, que sonhos teriam ainda, que disposição aqueles corpos trazidos pelas mãos da labuta ainda teriam para aprender? E mais o quê?

Precisava ouvi-los em corpo e alma, que dissessem de seus sonhos, de seus saberes cotidianos, de suas necessidades. Precisava ouvi-los. Conceição sentia isso.

“A dona Conceição daqui  nóis chama de dona Ceição, pode ser ancim? É mais facio”.

“Pode, claro” Era a senha, o sinal de fumaça do afeto aspergido no ambiente. E eles precisavam de afetos, desde a atenção, ao respeito, ao toque, à compreensão, ao estímulo para seguir, sem desistir.

A cada fim de tarde uma ensinança, uma força maior que a de cavar a terra, de lavrar a terra, de colher da terra. Uma força superior. Uma força de abraçar o mundo.

Seguem, mesmo em dias de chuva forte e trovoadas, seguem, mesmo em tardes de luto e doença. Seguem.

expo-movimento-sem-terra-sebastic3a3o-salgado-01-foto-reproduc3a7c3a3o

A REGA

Dona Ceição aprende a cada fim de tarde uma lição nova. Aprende que seu Tomás desmaiou  porque almoçou às 11 da manhã e às 8 da noite tinha fome. Aprende que ganhar um potinho de plástico com doce de mamão é afeto verdadeiro. Aprende que alisar os braços ásperos da dona Maria faz diferença. Aprende que receber a atenção de seus alunos a faz gigante, muito melhor. Aprende que o que sabe e reparte faz mudar vidas, mesmo sendo ela ainda tão nova e tão inexperiente. Aprende que ensina e o que lhes ensina a torna uma fada madrinha pra eles, realizando seus sonhos mais remotos.

Aprende que há beleza em todos os lugares, que tudo é lirismo, é poesia. Então, verseja.

92c62c7cd323e8bc377e64da28a96cb8
FLORAÇÃO
Na rota, um porto
Na reta, um ponto
insípido inóspito infértil
No tronco, uns galhos
Nos galhos umas folhas
secas opacas estéreis
Alma no trajeto
Curvas no caminho amargo
Gotas de perfumes
Pingos de cores
Chuvas de flores
fertilidade, sedução
produção
Poesia
Caminhos doces então.

FRUTIFICAÇÃO

A frutescência é segura. Passam-se as estações. O brilho das folhas mostra que tudo vai dar certo ali. As flores perfumam sem perfumar, de fato. Perfumam com sorrisos, com cantorias, com contação de causos, com afetos e solidariedade repartidos. Perfumam com  a LEITURA DE MUNDO feita aos pouquinhos, de carreirinha e depois ligeira, com prazer e gosto. Perfuma porque acende a criticidade, a contestação, os questionamentos. Perfuma porque ensina à dona Ceição que ela está no caminho certo, iluminando com conhecimento e afeto as vidas.

PURA POESIA!

Texto e poesias:  Odonir Oliveira

Fotografias do mineiro adoçado  com as águas do rio Doce: Sebastião Salgado
1º Vídeo: Canal Gravadora Galeão
2º Vídeo: Canal Odonir Oliveira
3º Vídeo: Canal Alfredo Pessoa
NOTA

O atual governo quer liberar até 40% o ensino a distância para o ensino médio. Para a Educação de Jovens e Adultos (EJA), a proposta é permitir que 100% do curso seja feito fora da escola.

O ensino online, além de implicar na redução do número de professores e, consequentemente, no fechamento de escolas, impede que pessoas sem acesso à internet continuem estudando. Profissionais e especialistas em Educação são unânimes em afirmar que esse é mais um duro golpe na educação e na qualidade do ensino de todo o país.

“É a terceirização da escola pública”, denuncia a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), em nota divulgada na semana passada.

“Ao invés de investir na formação, na contratação, na valorização de professores e em quadros técnicos administrativos, na infraestrutura e na ampliação de escolas e turnos integrais, o governo ilegítimo, fiel à Emenda Constitucional (EC95), que implantou o mais cruel ajuste fiscal da história do país, opta por precarizar ainda mais o ensino médio brasileiro (e EJA)”, diz trecho da nota.

Notícia que circulou no dia 26 de março de 2018, em vários veículos de informação do país.

Querido diário !!!

11/ 9/1967

Meu amigo querido, só você é capaz de me compreender e guardar com cadeado meus sentimentos.

Mas estou apaixonada pelo Paulo. Ele finge que não sabe. Ou sabe e brinca com meus sentimentos. Acho que vou morrer.coraccca7occ83ezinhos

Ontem no hi-fi na casa da Cristina, eu achei que ele fosse ficar dançando só comigo, mas nada deu certo. A Vera chamou ele pra irem lá fora… e ele foi, querido amigo, ele foi. Por que, querido diário, por quê?

O Maurinho veio dançar comigo, né. Eu dancei. E depois quando colocaram aquele disco de capa preta do Roberto, uau, ele só queria ficar comigo. Gosto dele porque é engraçado, um pão, mas é só, né. Você entende?

Eu queria mesmo era ter ficado dançando todas as lentas do Roberto com o Paulo. Adoro seus olhinhos azuis, aquela carinha de danado, safado. Mas comigo não é não, viu. É um pão mesmo !!!!! Às vezes fico em dúvida de quem é mais pão, se ele ou o George Harrison. Ah, mas é diferente, né, você me entende. Por isso colei o pôster do George aqui na parede do meu quarto, bem grandão. Durmo e acordo olhando pro George. Já o Paulo, posso ver todo dia, toda hora, mora aqui na esquina, né.

maxresdefault1

Mas por que ele não ficou comigo no hi-fi? Eu sei que ele gosta de mim. Ah, mas também o Jorjão dança samba bem pra chuchu. Dançamos muuuuito!!!! Estava com aquele cheiro de cigarro, credo, reclamei e ele me disse “Sou homem, né.” Pode isso? Achei muito babaca a resposta dele. Não fumo porque é tudo de ruim. Cheiro ruim, boca ruim, fede na roupa e pra beijar então, uau, que horrível!!! Pior é que esses meninos todos só querem fumar agora. Acho uma babaquice enorme, só pra provar que já são homens. Ah, e beber também. É uma cuba-libre depois da outra, será que é pra ter mais coragem de chegar nas meninas, por medo de levar um não? Eu bem que fiquei sacando isso. Bicho, é muita bobajada, pô.

make-up-mar

Imagino que estou beijando o Paulo.

A Márcia é tão linda, né. Aquele cabelão louro, meu Deus, os meninos ficam todos na paquera dela, mas ela é muito novinha ainda, nem pensa em namorar nem nada, é um charme, e quando crescer, nossa vai ser só gamação. Escrevi no caderno de recordações dela ontem. Já entreguei.

Vou ter que tomar uma atitude com o Paulo. Ele fica todo ciumento com meus amigos aqui na varanda de casa, não gosta que eles falem palavrão perto de mim, imagina só, e na verdade acho que ele quer seu meu dono. Será que ele é tímido? Não, acho que não. Detesto menino tímido, dá uma canseira, ô saco, viu. Vou resolver isso. Mas gosto dele. Nem pensar em fazer joguinho de ciúmes como a Míriam faz com o … , você sabe, já te contei, né. Acho horrível, e se faz de santinha pros pais e até com as meninas. Acho uma sonsa, essa Míriam.

Estou respondendo o caderno de Questionário da Martinha. O Paulo já respondeu uma porção de coisas iguais as que eu vou responder, caramba. Verdade!!!! Nossa, mais uma, outra, meu Deus, igualzinho a mim. Não é possível. E escreve sem erros, hem, difícil isso. Os meninos todos erram. Mais que as meninas. Verdade.

Ah, peguei emprestado um livro. Vou ler, depois conto o que eu achei, tá legal?

Vou dormir, olhando pro George e pensando nos olhinhos azuis do Paulo.

EU TE AMO !!!!

6528

gh-early-days

Texto: Odonir Oliveira

Imagens retiradas da Internet
1º Vídeo: Canal TheBeatlesVEVO
2º Vídeo: Canal Granuhha
Leia também sobre o mesmo tema: 

Histórias de certo realismo fantástico: Umas gaivotas

27292835_1549058311875003_1831813172_n

Há esconderijos tantos, quanto a quantidade de estrelas nos céus.

É noite ali. Duas grandes aves fazem galhardos voos por sobre a imensidão do mar. Gostam de mar. E rodopiam e se inclinam e se abaixam e se tocam e decolam e vão e vêm. Primo de Fernão Capelo, Gusmão aprendeu muito sobre ele, mesmo sem tê-lo conhecido. Aprendeu. Era de garbo inconfundível, diziam que herdara tal brilho e lepidez da linhagem Fernão Capelo. Fato é que, com lindas penas negras, era cobiçado por aves de portes outros, de timbres e sagas menores. Despertava inveja.

Dormia nas areias, mas tinha predileção por altos picos e até por cordilheiras. Era assim Gusmão.

gaivotas-no-mar-237c4

Já Filomena era de porte menor, mais alvissareira, acostumada aos mesmos ninhos, aos arredores. Gostava de pesca, mas também de frutas. Saboreava o vento, mas admirava o calor do sol. Era de pouca linhagem, plebeia no reino das aves, talvez. Voava. Voava muito, durante muitas horas. Mirava os de terra de maneira desconfiada. Estava com seu ângulo de pássaro sempre mais aberto.

2580081_b90ba1b884e3f91efd74efd2630592cb

Quando geminada a Gusmão, precisava ter fôlego maior porque seus planos de voo eram sempre muito mais arrojados e ambiciosos. Seguia em bando, muitas vezes a seu lado, outras vezes na segunda ou na terceira fila. Seguia.

ad

Naquela manhã uma graúna já havia elaborado a estratégia a executar. Outros, como dois albatrozes, um carcará e até umas jandaias, saíram dos cantos mais recônditos e seguiram as cartas de voo anunciadas.

Começaram por atacar Filomena que, de morfologia e etimologia idênticas, não entendera todos aqueles ataques orquestrados, vindos dos quatro pontos cardeais e de várias tonalidades. Não conseguiu detectar o perigo a tempo. Aturdida, foi bicada muitas e muitas vezes até cair nas pedras do penhasco, à beira-mar. Ferida, muito ferida. Ferida de morte.

Gusmão nem percebera os ataques sofridos por Filomena, distraído que era, e encantado com seus grandes voos. Quando deu por si, já era tarde. Ficou sem entender e sem encontrar Filomena mais.

Certa tarde, o sol declinava no horizonte, quando a gaivota Gusmão avistou uma mancha nos rochedos. Teve vontade de ir ver o que era, mas seu último voo estava atrasado e precisava proceder a seu desfile vespertino.

No dia seguinte, na alvorada, Gusmão sobrevoou os rochedos e nada viu. Deu em seu próprio corpo várias voltas, mergulhou fundo como se fosse no mar, nada encontrando ali.

Na areia,  de asas partidas, sangrava uma mulher.

60347789_863446157336709_4332926990056161280_n

60342396_863445987336726_5477955701982625792_n

Texto: Odonir Oliveira

Fotos de arquivo pessoal

Imagens retiradas da Internet
1º Vídeo: Canal Zedupoca
2º Vídeo: Canal Marta Cardim

Um encontro marcado com Fernando

Professor é aquele que mesmo em momentos de diversão, deleite, encontra ali um vínculo, um  link a ser feito também com seu ofício de ensinar.

fernando-sabino

Conheci pessoalmente Fernando Sabino numa noite de outubro de 1991. Fui assistir a uma mesa-redonda da qual  ele participava, em São Paulo. Ao final, ficamos conversando, autografou seu último livro que eu havia levado e foi mineiramente o contador de “causos”, que eu previa.

Contei a ele o trabalho que estava desenvolvendo com meus alunos do Colégio Galileu Galilei, nas sextas séries. Conforme eu lhe contava, seus olhos ficavam cada vez mais atentos. Pediu que lhe mandasse alguma coisa deles pra ele ler. Dando-me seu endereço e telefone em Ipanema, no Rio. Enviei as cartas dos meninos e meninas; nelas eles contavam do que mais haviam gostado no livro lido, faziam perguntas e mais algumas meninices tantas. Fernando respondeu uma por uma e mandou para o colégio.

O livro lido era o lindo O menino no espelho.

A SEDUÇÃO

No ano seguinte, as cartas enviadas pelo autor Fernando Sabino foram o start para as novas turmas de sextas séries também quererem ler a obra. “Que livro legal é esse, né, Odonir, o autor até responde a gente. Também quero ler”.” Eu também. “.”Eu também.”

menino-no-espelho-mdf

Então vamos fazer de um limão vários jarros de limonada, por que não?

LEITURAS INICIAIS

Iniciamos com o texto “Menino”. Lemos as frases e pedi que marcassem apenas aquelas que seus pais diziam para eles. Foi muito bacana. Houve quem marcasse poucas e quem tivesse assinalado muitas. Rimos, e concluíram que uns eram bem mais “levados” do que outros. Coisas que a infância vai perfumando, como poesia.

MENINO

Menino, vem pra dentro, olha o sereno! Vai lavar essa mão. Já escovou os dentes? Toma a benção a seu pai. Já pra cama!

Onde aprendeu isso menino? – coisa mais feia. Toma modos. Hoje você fica sem sobremesa. Onde é que você estava? Agora chega, menino, tenha santa paciência.

De quem você gosta mais, do papai ou da mamãe? Isso, assim que eu gosto: menino educado, obediente. Está vendo? É só a gente falar. Desce daí, menino! Me prega cada susto…para com isso! Joga isso fora. Uma boa surra dava jeito nisso. Que é que você andou arranjando? Quem te ensinou esses modos? Passe pra dentro. Isso não é gente para ficar andando com você.

Avise seu pai que o jantar tá na mesa. Você prometeu, tem de cumprir. Que é que você vai ser quando crescer? Não, chega: você já repetiu duas vezes. Por que você está quieto aí? Alguma coisa está tramando…não anda descalço, já disse! – vai calçar o sapato. Já tomou remédio? Tem de comer tudo, você tá virando um palito. Quantas vezes já te disse para não mexer aqui? Esse barulho, menino! – teu pai tá dormindo. Para com essa correria dentro de casa, vai brincar lá fora. Você vai acabar caindo daí. Pede licença a seu pai primeiro. Isso é maneira de responder à sua irmã? Se não fizer, fica de castigo. Segura o garfo direito. Põe a camisa pra dentro da calça. Fica perguntando, tudo você quer saber! Isso é conversa de gente grande. Depois eu te dou. Depois eu deixo. Depois eu te levo. Depois eu conto. Agora não, depois!

Deixa seu pai descansar – ele está cansado, trabalhou o dia todo. Você precisa ser muito bonzinho com ele, meu filho. Ele gosta tanto de você. Tudo que ele faz é para seu bem. Olha aí, vestiu essa roupa agorinha mesmo, já está toda suja. Fez seus deveres? Você vai chegar atrasado. Chora não filhinho, mamãe está aqui com você. Nosso Senhor não vai deixar doer mais.

Quando você for grande, você também vai poder. Já disse que não, e não, e não! Ah, é assim? – pois você vai ver só quando seu pai chegar. Não fale de boca cheia. Junta a comida no meio do prato. Por causa disso é preciso gritar? Seja homem. Você ainda é muito pequeno pra saber essas coisas. Mamãe tem muito orgulho de você. Cale essa boca! Você precisa cortar esse cabelo.

Sorvete não pode, você tá resfriado. Não sei como você tem coragem de fazer assim com sua mãe. Se você comer agora, depois não janta. Assim você se machuca. Deixa de fita. Um menino desse tamanho, que é que os outros hão de dizer? Você queria que fizessem o mesmo com você? Continua assim que eu te dou umas palmadas. Pensa que a gente tem dinheiro pra jogar fora? Toma juízo menino!

Ganhou agora mesmo e já acabou de quebrar. Que é que você vai querer no dia de seus anos? Agora não, depois, tenho mais o que fazer. Não fica triste não, depois mamãe te dá outro. Você teve saudades de mim? Vou contar só mais uma, tá na hora de dormir. Vem que a mamãe te leva pra caminha. Mamãe te ama, viu! Dá um beijo aqui. Dorme com Deus meu filho!

SABINO CRIANÇA

Pedi que fizessem o mesmo com seus pais. Agora seriam eles a reconhecer as frases mais usadas com o filho. E pedi que os pais lhe dessem outro título (Na verdade, fora sugestão de uma aluna. “Odonir, esse título do Fernando Sabino e muito bobo; você já ensinou a não dar título bobinho pros nossos textos, né”). Queria que as meninas e os meninos  fortalecessem o conceito e a arte de se dar títulos, ideia central, certa inovação a despertar interesse em quem vai ler etc. Essa interação com a família é de suma importância, posto que integra a família com a escola, ensina o que se ensina por lá, ou até mesmo propicia aos pais se lembrarem do quão meninos já foram. Tudo alegria.

Faz muitos anos, entretanto me recordo de alguns títulos – talvez pela criatividade dos pais – “The mamas and the papas“, “Mãe é tudo igual”, “Criança é graça”, ” A arte  de ser pai de aluno de uma professora crítica”. Cada um leu o “seu” e aí deram outros. Foram votados os mais interessantes etc.

“SEMEANDO INFÂNCIA”

Nas próximas aulas, propus que narrassem a aventura ou o fato mais antigo de suas infâncias, aquele de que se lembrassem. Sentados em grupos de 4, começaram a lembrar e ir contando aos parceiros. Eu caminhava pelos grupos, aqui-ali mediando os relatos orais, orientando datação, localização, envolvidos na trama, desfecho etc. Depois eles próprios haviam aprendido e faziam uns com os outros. Votaram no mais interessante, mais arriscado, mais terrível de cada grupo. Depois foram à frente da classe narrar as aventuras vividas. Foi muito interessante notar quantos adjetivos, quanta expressividade havia ali naqueles relatos. Relatos orais na escola, língua oral, devolver o discurso para os meninos –  fundamentais a quem aprende e a quem ensina.

Ah, narrei o meu também. Professores devem se juntar aos alunos, sendo com eles também um aprendiz. Lembrei meu aniversário de 5 anos, com bolo de roda- gigante, bonequinhas vestidas nas cadeirinhas e docinhos de moranguinhos, deliciosos, tudo feito por minha mãe lá em Xerém, RJ. Eles adoraram.

PRODUÇÃO DE TEXTO

Pedi que agora escrevessem a sua aventura. Leram para os parceiros do grupo. Aproveitei e fiz rodízio entre os integrantes. É muito importante diversificar. A convivência de alunos com mais dificuldade de escrita e outros com bastante facilidade– sendo mediadores, os ajudando- ensina a tolerância, a solidariedade e estimula a competência– creio eu.

Produziram. Na hora em que foram ler, um menino fez a observação régia “Seu texto quando você contou era bem mais legal que agora que você leu”. Refleti com eles os porquês dessa observação. Fui encaminhando a discussão para que percebessem a distância que havia- tradicionalmente- entre a norma culta falada e a escrita e que podiam conhecer ambas e usá-las como desejassem, quando preferissem ou fosse necessário etc. A famosa adequação da linguagem à situação de uso.

NOTA DE CONTEXTUALIZAÇÃO

Cumpre lembrar que esses meninos e meninas não tinham mais de 12 anos. Idade em que se é bastante criança ainda, mas se nega isso ao extremo. Meninos só gostam de meninos, reproduzem comportamentos masculinos clichê, difundidos há décadas, e meninas também reproduzem as feminices todas. Há um confronto enorme de ideias, de sentimentos entre eles, chegando até a algum tipo de violência – física ou velada. A crueldade se espalha como perfume. Prefiro tirar deles o perfume. Sempre. Portanto,  é preciso ensinar-lhes a lidar com sentimentos como ódio, raiva, agressão – naturais – mas transformando-os. E arte, criatividade é o “canal”, porque tem como matéria-prima os afetos, as sensações.

Foram feitas várias edições. E foi porque eu corrigi, com caneta vermelha? NÃO. Os leitores, o público leitor ao qual se destinavam aqueles textos é que deveria opinar. Passaram a fazer as críticas por escrito, em bilhetinhos, que eram presos por clips e entregues ao escritor. “Acho que tem muitas palavras repetidas”. “O final ficou sem graça.” “O título já conta tudo.” ” Tem muita troca de letras.” “Gostei, achei bem interessante. ” “Melhore a pontuação, tá faltando vírgula demais aí” etc.

Por fim, pedi que reescrevessem os textos e os ilustrassem com desenhos, colagens, o que fosse pertinente às aventuras vividas.

Ah, virou livro, né. Lindos livros até com grãos de feijão e de arroz, simulando uma narrativa ligada a um prato de sopa puxado pela toalha da mesa e derrubado na cabeça da menina; outro narrou o dia em que se perdeu na CEASA; outro a neve de onde havia morado e o frio sentido. Tantas narrativas da infância.

Lemos Drummond, então.

Lembrança do mundo antigo

Clara passeava no jardim com as crianças.
O céu era verde sobre o gramado,
a água era dourada sob as pontes,
outros elementos eram azuis, róseos, alaranjados,
o guarda-civil sorria, passavam bicicletas,
a menina pisou a relva para pegar um pássaro,
o mundo inteiro, a Alemanha, a China, tudo era
tranqüilo em redor de Clara.
As crianças olhavam para o céu: não era proibido.
A boca, o nariz, os olhos estavam abertos. Não havia perigo.
Os perigos que Clara temia eram a gripe, o calor, os insetos.
Clara tinha medo de perder o bonde das 11 horas,
esperava cartas que custavam a chegar,
nem sempre podia usar vestido novo. Mas passeava
[no jardim, pela manhã!!!
Havia jardins, havia manhãs naquele tempo!!!

APERFEIÇOANDO LEITURAS

Começamos a ler crônicas. Usando a Coleção Pra Gostar de Ler, v. 1,2,3,4. No início de cada um dos volumes lidos há um tipo de biografia: fotobiografia, auto biografia, biografia …

Depois das biografias e de terem aprendido muito sobre FERNANDO SABINO, propus a leitura de O menino no espelho, então.

 

Pareciam íntimos do autor. Sabiam que era botafoguense roxo, tocava bateria, o nome de todas as suas obras, que fora nadador campeão, quase profissional, que morava em Ipanema e que era “amigo da Odonir”.  Facilitava, é ou não é?

Foram lendo capítulo a capítulo, de várias maneiras. Havia dias em que fazíamos leitura compartilhada em classe, outras vezes dramatizavam o capítulo lido em casa. Ilustravam os capítulos, reescreviam alguns finais etc. A obra traz histórias quase independentes umas das outras, com o fio condutor do personagem Fernando e seu duplo Odnanref. Chegaram a fazer seus auto-retratos, atribuindo a eles seus nomes ao contrário também. O meu, por exemplo, ficou Rinodo. Só alegria. Poesia inoculada em todos.

Digo alegria porque CRIAR é mágico. O professor que levanta cedo e não se sente autor, criador do seu trabalho está condenado a ser um ” dador de aulas”, triste dele. É preciso ENCANTAR-SE para também ENCANTAR – penso eu.

O HAPPENING

Telefonei do colégio para contar ao “meu amigo” Fernando o trabalho. Mas mal comecei a falar,  ele me disse que estaria dali a 2 semanas em São Paulo – iria assistir a um show da filha Verônica Sabino – e queria conhecer “minhas meninas e meus meninos”. Não precisava me preocupar com nada, com passagem hospedagem porque ele estaria indo de qualquer maneira para o show.  Adorei. Contei às crianças. Preparamos um happening para abraçá-lo – ora, ora.

Fizeram muitos cartazes – sob a forma de placas – que iriam carregar nas mãos com tudo aquilo que sabiam dele, desde ser botafoguense, ser mineiro, nadador, até baterista. Pintamos faixas com os nomes dos personagens e mensagens deles para o autor. Uns meninos se caracterizaram como os personagens do livro. Havia uma bateria num palquinho e a banda dos alunos do colegial a postos.

Pais e funcionários do Colégio Galileu Galilei presentes .

A CHEGADA

O motorista o trouxe, e eu fui buscá-lo na entrada que tinha uma escadaria da portaria até o pátio. Ele me beijou e logo foi dizendo “Olha, eu sei que essa criançada é muito tímida. Pega um mais desinibido, e ele me faz uma pergunta. Dali eu emendo e vou falando solto. Não gosto desse negócio de palestra não. E eles são pequenos, né. Pode ser?”

Nada disse, aliás, acho que falei que seria assim.

Quando entrou no pátio, a banda tocou o hino do Botafogo. As crianças, mais de 100, o aplaudiram, levantaram os cartazes. Juro, pensei que ele fosse ter um problema de saúde ali, tamanha a sua emoção. Ia andando no palco, lendo os cartazes, gesticulando, ouvindo o hino, aplaudindo os meninos. Um ESPETÁCULO INENARRÁVEL aqui, podem crer. Tanto que me lembro tão bem dele até hoje.

Contou muitas situações vividas por ele, a mudança do nome para Fernando Sabino, sugerida por Mário de Andrade, sua relação com a natação, (narrada em O Encontro Marcado) com sua infância e que as histórias do livro eram todas verdadeiras, mostrando, inclusive,  o canivetinho vermelho – que dá nome a um dos capítulos da obra. Autografou todos os livros das crianças e um para minha filha também.

SAM_0141

Depois me pediu para levar TODOS OS CARTAZES para o Rio. Queria tê-los com ele para nunca mais esquecer aquele dia em São Paulo. Adoramos.

Terminou tocando bateria, um solo de jazz, que disse adorar. Mas já sabíamos.

AVALIAÇÃO E RESGATE

A auto avaliação dos alunos foi excelente. Muitos passaram a GOSTAR DE LER ali, dessacralizando um autor, tornando-o de carne e osso. Assim eles próprios dali pra frente poderiam ser escritores também. Publicados ou não.

Também leram quase a obra completa de F. Sabino, nos anos seguintes.

Na verdade, alguns estão por aí hoje escrevendo, e muito bem. Vez ou outra encontro com algum na “nuvem”.

Apresentei esse trabalho em alguns Congressos de Educação com o título de “Um encontro com Fernando”. Na oportunidade havia vídeo, fotos e muitos dos trabalhos realizados pelos alunos – que ficaram com o Colégio, todavia.

Trabalhos de meus alunos são sagrados, não me desfaço deles. Até porque há quem possa se inspirar neles para seguir seus próprios ramais e caminhos, não é mesmo?

SAM_0169.JPG

21686373_508974216117240_4271725533105793375_n

DURAÇÃO: cerca de 60 dias
MATERIAL: livros, criatividade, energia, boa-vontade
ANO: 1992
Colégio Galileu Galilei, SP

 

Observações: 1- O filme mostrado no trailer O menino no espelho é de 2014 . Uma sugestão é depois de lida a obra, assistirem ao filme e compararem a linguagem de Fernando Sabino à do filme, por exemplo.

2 – Fernando Sabino morreu em 2004. Encontrei ex-alunos, na época, que lamentavam sua morte como a de alguém de sua família. E era.

No fim tudo dá certo, e se não deu certo é porque ainda não chegou ao fim”, Fernando Sabino, em “No fim dá certo”, crônicas, Record, 1998

Texto: Odonir Oliveira
Foto de arquivo pessoal
1º Vídeo: Canal Cinesystem Cinemas
2º Vídeo: Canal Baiana Salvador
3º Vídeo: Canal Odonir Oliveira
Leia também outros trabalhos realizados com alunos aqui:
Categoria à direita: “Trabalhos realizados com alunos”
por-favor/

 

 

“Trouxeste a chave?”

os-poemas-mario-quintana

Mário Quintana

literatura

poesia-wallpaper
Procura da Poesia
Carlos Drummond de Andrade
Não faças versos sobre acontecimentos.
Não há criação nem morte perante a poesia.
Diante dela, a vida é um sol estático,
não aquece nem ilumina.
As afinidades, os aniversários, os incidentes pessoais não contam.
Não faças poesia com o corpo,
esse excelente, completo e confortável corpo, tão infenso à efusão lírica.
 
Tua gota de bile, tua careta de gozo ou de dor no escuro
são indiferentes.
Nem me reveles teus sentimentos,
que se prevalecem do equívoco e tentam a longa viagem.
O que pensas e sentes, isso ainda não é poesia.
 
Não cantes tua cidade, deixa-a em paz.
O canto não é o movimento das máquinas nem o segredo das casas.
Não é música ouvida de passagem, rumor do mar nas ruas junto à linha de espuma.
 
O canto não é a natureza
nem os homens em sociedade.
Para ele, chuva e noite, fadiga e esperança nada significam.
A poesia (não tires poesia das coisas)
elide sujeito e objeto.
 
Não dramatizes, não invoques,
não indagues. Não percas tempo em mentir.
Não te aborreças.
Teu iate de marfim, teu sapato de diamante,
vossas mazurcas e abusões, vossos esqueletos de família
desaparecem na curva do tempo, é algo imprestável.
 
Não recomponhas
tua sepultada e merencória infância.
Não osciles entre o espelho e a
memória em dissipação.
Que se dissipou, não era poesia.
Que se partiu, cristal não era.
 
Penetra surdamente no reino das palavras.
Lá estão os poemas que esperam ser escritos.
Estão paralisados, mas não há desespero,
há calma e frescura na superfície intata.
Ei-los sós e mudos, em estado de dicionário.
Convive com teus poemas, antes de escrevê-los.
Tem paciência se obscuros. Calma, se te provocam.
Espera que cada um se realize e consume
com seu poder de palavra
e seu poder de silêncio.
Não forces o poema a desprender-se do limbo.
Não colhas no chão o poema que se perdeu.
Não adules o poema. Aceita-o
como ele aceitará sua forma definitiva e concentrada
no espaço.
 
Chega mais perto e contempla as palavras.
Cada uma
tem mil faces secretas sob a face neutra
e te pergunta, sem interesse pela resposta,
pobre ou terrível, que lhe deres:
Trouxeste a chave?
 
Repara:
ermas de melodia e conceito
elas se refugiaram na noite, as palavras.
Ainda úmidas e impregnadas de sono,
rolam num rio difícil e se transformam em desprezo.

 

POIESIS

poiesis_greek

“Me deem algum céu em fogo, Neve em dia de verão.
Me deem vidas em jogo. Rastros de morte no chão.
Amores com ousadia. Frisson de riscos de giz.
Que eu faço uma poesia. Ué, já fiz.”
(Millor Fernandes, Poemeu)

” Há na poesia, costumava dizer Drummond, evidentemente quando vivo, o encanto de uma fantasia que se cristaliza em realidade. Por trás de sua colocação aparentemente trivial, encontramos um belo veio por onde começar a percorrer os sinuosos caminhos do termo poesia e da radicalidade de sua significação. O dito drummondiano evidencia o que há de mais arcaico no termo: a poesia faz algo com quem dela se aproxima, primeiramente com o poeta, que maneja cartas desconhecidas dele próprio para compor um jogo que modifica regras e surpreende os jogadores (como no Poemeu de Millor); em seguida surpreende o leitor que atesta o valor de obra do poema quando sente em si tais efeitos capturado que é na teia da cristalização de fantasias verossímeis. Amigo de Psicanalistas, o poeta de Itabira recusou-se até o fim a uma análise. Considerava que sua poesia era o meio suficiente e necessário para, ao final de sua vida, poder abrandar o rigor que trouxe consigo das montanhas e poder, no ocaso de tudo, perdoar o seu pai e dar um destino singular ao seu desejo. Sua poesia cristalizava-se, em sua vida, na forma de uma repetição de antigos modelos, mas repetição com diferença. Embora vivesse com poesia no gabinete de seu amigo e empregador Gustavo Capanema, poesia era o que o libertava de sua “escravidão em Papelópolis”, era o avesso do trabalho prático (oposição à práxis) que ocultava com a repetição do igual essa chama que se cultivada transformar-se ia no fogaréu do poema. ”

Continue lendo aqui: https://lituraterre.com/2011/07/29/consideracoes-sobre-a-poiesis/

 

Vídeos: Canal Odonir Oliveira

A lírica camoniana na visão feminina,1990

DIA DA POESIA? POESIA NÃO TEM DIA. POESIA É TODO DIA

camoes

CAMÕES, O AMADOR

Como mocinhas de 15 anos poderiam entender sonetos de Luís Vaz de Camões, depois de 500 anos? E ainda virem a gostar de ler poesias,  serem capazes de transformar aquela sintaxe clássica dos sonetos camonianos em entendimento, degustação, apreciação e prazer? Como eu, sua professora, poderia fazer germinar essas sementes?

FAZENDO NASCER O DESEJO

Curso de magistério, CEFAM da Escola Estadual Experimental Dr. Edmundo de Carvalho, Vila Romana, São Paulo, duas turmas de 35 alunas iniciam seus estudos de literatura. Era preciso ensinar a elas o gosto por ler, encantá-las, pois só assim fariam o mesmo com seus futuros alunos. Idade de namoros, flertes, iniciações amorosas. Então… vamos de Vinícius de Moraes. E vamos falar de amores !

RODA DE CONVERSA

Discussão sobre a letra da canção, sua poesia, os versos, o eu-lírico masculino ou feminino, a concepção de amor do poeta, semelhante ou diferente das delas ? Tantas perguntas fornecendo matéria-prima para entender não só os sonetos de V. de Moraes, mas depois os de Camões.

Uma das turmas era mais irrequieta, mais dinâmica, mas menos reflexiva e aplicada. Entretanto, adoravam desafios, desafiou bastou. A outra, bem mais dedicada e amadurecida.

Só possuíamos os meus 2 exemplares com os sonetos camonianos. Fizemos muitas cópias, e sentadas em grupos de 4, começaram a ler os sonetos. Pedi que escolhessem os seus preferidos, fossem trocando  sonetos e ideias.  Achavam difícil a linguagem, a sintaxe contorcida, diferente da norma culta a que estavam acostumadas, até mesmo na escrita de outros poetas. Fomos indo.

SAM_0122

Propus-lhes um desafio: que pesquisassem sobre a vida de Camões e de Vinícius de Moraes, procurassem pontos comuns em ambos, mesmo com 5 séculos de diferença. Quem eram aqueles homens, onde viveram, o que escreveram, como viveram e morreram. Tratava-se de ensinar a pesquisar, a fazer uma pesquisa orientada, portanto.

A retomada das pesquisas foi muito interessante e debatida em roda de conversa. Uma delas disse que Vinícius havia recebido o espírito do Camões, parecia ter reencarnado no poetinha. Rimos e propus que desenhassem essa tal metamorfose de um em outro. Começavam a entender as características do lirismo. Os desenhos ficaram geniais e os afixamos no mural.

4140711556_7969b9a915_b

Nos últimos anos do século XX, a imagem tinha tomado a vez e a voz da comunicação, poemas concretos, vídeo clipes …  atraíam as jovens, gostavam de ver e de criar também.

Na sequência propus a leitura dos poemas escolhidos, mas em casa, num fim de semana.

a-obra-pima-de-cada-autor-sonetos-luis-de-camoes-1873190

Transforma-se o amador na cousa amada,
por virtude do muito imaginar;
não tenho, logo, mais que desejar,
pois em mim tenho a parte desejada.

Se nela está minha alma transformada,
que mais deseja o corpo de alcançar?
Em si somente pode descansar,
pois consigo tal alma está ligada.

Mas esta linda e pura semideia,
que, como um acidente em seu sujeito,
assim como a alma minha se conforma,

está no pensamento como ideia:
[e] o vivo e puro amor de que sou feito,
como a matéria simples busca a forma.

NAMORANDO CAMÕES

A tarefa era ler o poema escolhido para várias pessoas, para o namorado, o pai, a mãe, o vizinho, o irmão, a avó, o porteiro, o zelador, o rapaz da cantina … O objetivo era sentir a reação dos ouvintes, apurar as leituras e, talvez, já conseguir caminhos de interpretação. O que seu namorado achou, sua mãe compreendeu, seu vizinho quis saber de quem era o poema- perguntas simples para afinar a música, digamos assim.

SAM_0123

A função social da leitura de Camões ampliou-se muito, mas muito mesmo. A diretora da escola foi convocada para falar sobre, as pedagogas, outros professores, enfim, Camões circulou na área. E bastante. O resultado foi uma grande mobilização sobre o tópico e familiarização com o poeta. Sabiam muito sobre ele agora.

ESCREVENDO AS BIOGRAFIAS

Criação de texto coletivo e criativo com a biografia de Camões (cada turma fez a sua produção)

Se as penas com que Amor tão mal me trata
Permitirem que eu tanto viva delas,
Que veja escuro o lume das estrelas,
Em cuja vista o meu se acende e mata;
 
E se o tempo, que tudo desbarata
Secar as frescas rosas sem colhê-las,
Mostrando a linda cor das tranças belas
Mudada de ouro fino em bela prata;
 
Vereis, Senhora, então também mudado
O pensamento e aspereza vossa,
Quando não sirva já sua mudança.
 
Suspirareis então pelo passado,
Em tempo quando executar-se possa
Em vosso arrepender minha vingança.

O QUEBRA-CABEÇAS DOS TEMAS CAMONIANOS

As imagens iriam ajudar. Expliquei que haveria plantões individuais comigo para que discutíssemos qual a melhor representação gráfica, o desenho – colorido ou não – do soneto “de cada uma” . Propus que fizessem em papel vegetal e que a interpretação escrita pudesse ser lida por baixo do desenho, que estaria, portanto, sobreposto a ela – camadas de interpretação. Então, seriam duas formas de interpretação: a visual e a escrita.

Datilografaram os poemas sobre os desenhos em papel vegetal e também as curtas interpretações sobre eles. O objetivo era a síntese interpretativa e não um texto longo. Transformaríamos o conjunto dos poemas em um livro. Cada turma elaboraria capa interessante, índice, acrescentaríamos a biografia e os desenhos e interpretações. Mas … como fazer um índice … por ordem alfabética– propôs alguém. Não aceitei, pois que tinha um objetivo chegar aos temas camonianos ( Isso é muito simples de se “estudar” em apostilas e livros didáticos – sabe-se – sob a forma de itens, com exemplos prontos, sem descobertas, sem criatividade, sem interpretação, sem nada. Os alunos decoram para a prova e acabou. Não aprendem a fruição dos poemas, nada).

Desafiei-as a começarem a falar – veja, oralmente – sobre o que conversáramos nos plantões,  sabia que iriam reconhecer intersecções entre os temas dos poemas de umas e de outras. Começamos, e na lousa, foram escrevendo as ocorrências. Chegaram aos temas, talvez não com as palavras da crítica literária, mas chegaram. A decodificação fui fazendo junto: a fugacidade do tempo, amor platônico, amor libertador, morte, perda do amor, a existência humana, beleza, amor não correspondido, conflito, conversa com o amor, amor submisso, sonho e saudade da amada … Virou  índice.

APRESENTAÇÃO DOS LIVROS DE POEMAS

SAM_0087

Minha introdução

Índice por temas e os nomes dos poemas e as páginas

Biografia de Camões

Poemas e interpretações

SARAU LÍTERO-MUSICAL

Declamação dos poemas (acompanhadas por violão ou piano, com caracterização das alunas)

Plateia: pais, colegas e professores

SAM_0086

A capa do trabalho de uma das turmas, a da direita, ” Uma releitura da lírica camoniana”,  deteriorou-se porque era feita também em papel vegetal, o livro vinha enrolado nela, qual um pergaminho, e fechado com um lacre. Anos depois a refiz de forma simplificada, apenas para conservá-lo melhor.

DURAÇÃO DO TRABALHO: cerca de 4 semanas

2º ano de magistério- Nível Médio

Minha introdução

SAM_0127
SAM_0128
SAM_0126

BIOGRAFIA DE CAMÕES

SAM_0129

ALGUNS POEMAS E INTERPRETAÇÕES

SAM_0097
SAM_0098
SAM_0116
SAM_0111
SAM_0130.JPG
SAM_0102
SAM_0114
SAM_0115.JPG
SAM_0117
SAM_0120
SAM_0121

OBS:   Muito se falou ali sobre amor, namoros, concepções amorosas, dor, perdas etc. Esse é um dos projetos e sequência didática de que mais me orgulho. Primeiro, porque realizado em uma escola pública, estadual, com menos recursos materiais do que outras do ensino privado. Entretanto, com professores dedicados a um trabalho coletivo e respeitando a individualidade das alunas. Segundo, porque saber ler e interpretar textos – não só os escritos, mas discursos vários – é fundamental para qualquer cidadão. E obter cultura enriquece, depois disso não há retrocessos.

Durante uma década pude apresentar esse trabalho em congressos e cursos, concretizando a ideia de que jovens podem gostar de ler, saborear poemas etc. Muitos dos problemas da educação não são de aprendizagem, mas de “ensinagem“- penso eu. Guardei por 28 anos esse material comigo, sobrevivendo a diversas mudanças de residências e de estados.  Algumas imagens estão muito clarinhas, desgastadas por manipulações e pela ação do tempo. Mas trabalhos de meus alunos são sagrados, não me desfaço deles. Até porque há quem possa se inspirar neles para seguir seus próprios ramais e caminhos, não é mesmo?

sam_4152
Leia também outros trabalhos realizados com alunos aqui:
Categoria à direita: “Trabalhos realizados com alunos”
Um encontro marcado com Fernando

Camões, o amador https://poesiasdemaosquesentem.wordpress.com/2017/08/03/camoes-o-amador/

Encontra-me em Vila Rica

https://poesiasdemaosquesentem.wordpress.com/2016/03/13/encontra-me-em-vila-rica-por-favor/

De crianças e nuvens

https://poesiasdemaosquesentem.wordpress.com/2017/07/11/de-criancas-e-nuvens/

Texto: Odonir Oliveira
Fotos de arquivo pessoal
Vídeos:
1. Canal Milton Nascimento
2. Canal Pekutuf
3. Canal Antonie Briano
4. Canal Jo Martins